Uninter promove maior feira de empregos e profissões do país e oferece mais de 3.500 vagas de trabalho

O Brasil tem quase 28 milhões de desempregados segundo pesquisa divulgada em maio deste ano pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Somente no Paraná, estado com maior índice de desocupação da região Sul, há 495 mil pessoas sem emprego. Para contribuir com a mudança nesse cenário, o Centro Universitário Internacional Uninter promove a segunda edição da Feira de Empregos e Profissões, considerada atualmente, o maior evento do país no segmento com oferta de mais de 3.500 vagas de trabalho em apenas um dia.

O evento tem entrada gratuita e acontece no dia 21 de julho, das 9h às 19h, no Expo Renault Parque Barigui. Haverá oportunidade para todos os níveis de qualificação e idades, de aprendizes a cargos de mestres e doutores. Também serão ofertadas vagas para pessoas com deficiência, revendedores e profissionais que queiram trabalhar como autônomos e operacionais. Os salários vão de R$1.200,00 a R$12.000,00. Mais de 40 empresas de Recursos Humanos e outras grandes contratantes estarão presentes, realizando triagens e agendando entrevistas. A organização orienta que o interessado já leve vários currículos impressos.

“No ano passado contabilizamos mais de 67 mil atendimentos, passaram pela feira mais de 14 mil pessoas e preenchemos todas as vagas oferecidas. Certamente, muitos candidatos que deixaram seus currículos ainda estão colhendo os frutos dos contatos feitos no evento”, conta Jorge Bernardi, vice-reitor da Uninter e organizador da feira.

Quem estiver no local poderá participar dos talk-shows e palestras realizados durante todo o dia. Após cada bate-papo serão emitidos certificados de extensão e horas complementares.

As inscrições são gratuitas e realizadas no local.

Profissões

A Uninter é considerada o maior e melhor centro universitário do país, segundo o Enade/MEC, e há sete anos consecutivos é a mais lembrada no Prêmio Top Educação. Além disso, possui mais de 650 polos de EAD que levam educação de qualidade para todo o país. Somente em 2018 foram lançados 17 novos cursos, entre eles, três que são inéditos no Brasil: Tecnólogo em Investigação Profissional – Habilitação para Detetive Particular, Educador Social e Bacharelado em Psicopedagogia. Com essa feira, a instituição alia a oferta de empregos com oportunidades para quem quer iniciar ou voltar a estudar.

O público vai encontrar mais de 40 estandes de cursos de graduação, pós-graduação e mestrado, onde os professores estarão presentes explicando cada curso e tirando dúvidas dos futuros estudantes. Os materiais de apoio utilizados nas aulas e os kits de engenharia elétrica, jornalismo, investigador profissional e robótica estarão expostos no local.

Os interessados já poderão realizar o vestibular para mais de 99 cursos superiores, gratuitamente durante a feira, sem a obrigatoriedade de inscrição prévia. E quem fizer a matrícula na hora vai ganhar um curso de inglês on-line.

O Grupo Uninter desenvolveu um programa de orientação profissional para estudantes do ensino médio, o Link no Futuro. O serviço é totalmente gratuito e estará à disposição dos visitantes da feira: basta realizar inscrição no site www.linknofuturo.com e dar início ao teste.

Nesta edição, a Uninter conta com o apoio do Ministério do Trabalho, Governo do Estado Paraná, Fenascon, Sineepres e Sindeprestem-PR. Mais informações podem ser obtidas pelo site http://www.uninter.com/feira ou pelo 0800 702 0500.

2ª Feira de Empregos e Profissões Uninter

Data: 21 de julho, das 9h às 19h.

Local: Expo Renault Barigui, Rua Batista Ganz, 430, Santo Inácio, Curitiba (PR).

Inscrições: gratuitas e podem ser feitas na hora e local do evento.

Mais informações: http://www.uninter.com/feira ou 0800 702 0500

Marcio Kogut faz palestra gratuita em Curitiba

unnamed (2)

O empreendedor Marcio Kogut é o convidado para a aula inaugural da Pós-Graduação 2018 da Universidade Positivo (UP). A palestra acontece na próxima segunda-feira (19), às 19h, no Teatro Positivo – Pequeno Auditório e aborda inovação e novas maneiras de fazer negócio. O evento é gratuito e aberto ao público, mas as vagas são limitadas. As inscrições podem ser feitas pelo site up.edu.br/aulainaugural.

Tecnologias que vão agitar 2018

Cada vez mais as tecnologias disruptivas se mostram mais fortes. Os comentários sobre inteligência artificial, big data, blockchain e chatbots estão na boca do povo e o interesse só aumenta, assim como as vantagens dessas tecnologias e como elas podem contribuir com agilidade e facilidades. Isso se comprova com os investimentos crescentes na área de Tecnologia da Informação. Segundo pesquisa realizada pela empresa Gartner, estima-se um crescimento da inteligência artificial, com sistemas que aprendem, adaptam-se e atuam de forma autônoma para a tomada de decisões, assim como a internet das coisas. De acordo com a pesquisa, em 2018 esses dispositivos serão colocados em prática, para que até 2022 a maior parte deles já esteja automatizada.

Outro tema que apresenta crescimento é a já conhecida computação em nuvem. Conforme demonstra o relatório publicado pela IDC, no próximo ano haverá um crescimento de 40% nos investimentos para soluções em cloud na América Latina. E se o medo da segurança um dia já foi o principal motivo de recusa da tecnologia, hoje em dia a correção de falhas nesse sistema é bem-sucedida. Prova disso é a tão falada tecnologia por trás do bitcoin, a blockchain. “Essa tecnologia é transformadora e terá um enorme impacto econômico semelhante ao que a internet teve nas últimas décadas. No futuro, não teremos mais um cartório para reconhecer uma assinatura, teremos uma assinatura digital criptografada. Um carro poderá ser vendido e transferido usando blockchain sem precisar todo o processo burocrático que existe hoje”, afirma Marcio Kogut.

Aplicação nas empresas

As empresas, para se manter competitivas, precisam estar a par de tudo o que há de novo e, mais do que isso, implementar em seu dia a dia. As organizações têm investido intensamente em novas tecnologias como forma de criar diferenciação, como prova a perspectiva de crescimento em 4% nos investimentos em TI, segundo matéria do site Terra. Essa tendência à digitalização tem como objetivo a redução de custos, atração e fidelização de clientes. Kogut confirma que essas são as apostas de 2018. “Empresas e consultorias vêm apostando na inteligência artificial como a salvação para gerenciamento de custos, otimização de processos, gerenciamento e monitoração de riscos e desempenho para ganhar crescimento em escala. Em 2018, tais aplicações serão ainda mais expandidas. Preparação de dados, integrações, seleção e parametrização de algoritmos e tomada de decisões serão realizados por meio de aprendizado de máquina”, prevê o empresário.

Como consequência desses investimentos, quem sente é o consumidor. É claro no varejo como a disrupção ganhou seu espaço e a aprovação dos clientes. “A inteligência artificial também está sendo adotada para melhorar a experiência de uso dos produtos, criando projetos de realidade aumentada e realidade virtual, entre outras. É possível se ver usando uma roupa ou maquiagem apenas em frente a um monitor, entrar e ligar um carro ou até visitar vários apartamentos colocando óculos de realidade virtual. Também já é possível comprar produtos em uma loja sem precisar passar em um caixa para pagar. Diversas tecnologias serão usadas simultaneamente para criar cada vez mais inteligência, experiência e assertividade”, conclui Kogut.

Aula inaugural da Pós-Graduação 2018

Data: segunda-feira (19), às 19h

Local: Teatro Positivo – Pequeno Auditório | Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – Ecoville | Acesso pelo estacionamento 8

Inscrições: up.edu.br/aulainaugural

Professores da Rede Municipal têm o primeiro contato com as ferramentas do Google for Education

Foto: Levy Ferreira/SMCS

Foto: Levy Ferreira/SMCS

A Secretaria Municipal da Educação promoveu, de 5 a 9 de fevereiro, a primeira formação técnica do Google for Education. A parceria firmada entre a Prefeitura de Curitiba e a empresa norte-americana de tecnologia, em novembro de 2017, vai ampliar os horizontes educacionais nas escolas municipais, centros municipais de educação infantil (CMEIs) e centros municipais de atendimento educacional especializado (CMAEEs).

Este primeiro treinamento foi direcionado a pedagogos, articuladores dos Núcleos Regionais e às equipes internas da Secretaria da Educação que promovem as formações. Foram dez turmas que reuniram mais de 200 pessoas da Secretaria Municipal da Educação. As aulas foram dadas nos laboratórios da Escola Municipal Batel.

Nas oficinas foram repassadas as funcionalidades do Google Sala de Aula, que permite o gerenciamento de turmas virtuais. Os docentes formados nesta primeira etapa vão replicar as informações para professores que poderão trabalhar o material com os estudantes nas salas de aula.

Na primeira formação foi trabalhada a ferramenta Google Sala de Aula, que permite gerenciar turmas virtuais, agendar atividades, corrigir exercícios, criar roteiros de aulas multimídia com utilização de vídeos e jogos educacionais.

Todo esse trabalho é feito em um ambiente virtual, sem necessidade de papel. A coordenadora de Tecnologias Digitais e Inovação, Estela Endlich, explica que as ferramentas vão ampliar as possibilidades dentro da sala de aula, além de aumentar a interação entre alunos e professores.

“O Google Sala de Aula é uma ferramenta bem intuitiva, de fácil navegabilidade e que vai auxiliar os professores a organizar o trabalho com as turmas”, explicou Estela. “As informações repassadas neste primeiro curso do Google Sala de Aula vão ser usadas nos cursos que serão dados para os professores da rede ao longo do ano”, completou.

Inovação

A primeira formação do Google for Education foi ministrada pela professora Thais Eastwood, que é da Rede Municipal e integra a equipe da Coordenadoria de Tecnologias Digitais e Inovação. Thais é uma “Google Innovator” do Brasil, desde 2017. O projeto da professora, com outros 34 do Brasil inteiro, foi escolhido para receber mentoria e tutoria do Google.

Thais explicou que o Google Sala de Aula é um ambiente virtual de aprendizagem. “Essa ferramenta poderá ser usada na formação de professores e como fóruns de discussão entre eles”, disse.

“Uma das maiores vantagens é aumentar o trabalho colaborativo e melhorar a interação entre alunos e professores. São ferramentas intuitivas que vão facilitar o compartilhamento de informações”, explicou Thais.

Para a professora, um dos maiores objetivos do Google for Education é trazer mais inovação para a sala de aula. “Acredito que vai promover uma cidadania digital entre os estudantes”, definiu.

Recursos

O Google for Education oferece recursos para uso dos professores no planejamento e nas atividades em sala de aula. Entre eles está a plataforma G Suite for Education, que inclui os aplicativos Sala de Aula, Gmail, Drive, Calendário, Docs, Planilhas, Formulários, Slides, entre outros.

Com as ferramentas as escolas terão uma conta de e-mail do Google, alunos e professores poderão usar ferramentas de pesquisa, fazer trabalhos online, salvar arquivos na nuvem e trabalhar online, de forma simultânea e colaborativa. As provas e tarefas poderão ser feitas no ambiente virtual, sem necessidade de papel.

Professores e estudantes terão ainda possibilidades como o Google Expedições, que permite viagens virtuais a diferentes partes do mundo, Google Maps, Earth e Street Views, que possibilitam explorar conteúdos de História e Geografia de um jeito inovador, levando crianças e adolescentes em explorações pela Terra, Lua, oceanos ou até mesmo a região da escola, do bairro.

Os participantes não receberão anúncios e contarão com suporte 24 horas por dia. A plataforma educacional oferece ainda recursos de segurança aprimorados. A parceria com a empresa Google não tem custos para a Prefeitura de Curitiba.

Nesta primeira etapa da parceria, os professores e técnicos administrativos da Secretaria da Educação irão receber formações para conhecerem e se adaptarem às ferramentas do Google for Education.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Universidade Positivo é considerada pelo MEC a melhor universidade privada do Paraná

A Universidade Positivo (UP) foi considerada, pela sexta vez consecutiva, a melhor universidade privada do Paraná, com nota 4 no Índice Geral de Cursos (IGC), que vai de 1 a 5. Divulgado na última segunda-feira (27) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), do Ministério da Educação (MEC), o IGC é o indicador oficial de qualidade das instituições de Educação Superior do Brasil.

Para entrar na categoria de excelência, uma instituição precisa chegar às faixas 4 ou 5 no levantamento. Em 2016, das 2.132 instituições avaliadas, apenas 1,5% conquistaram nota máxima; 17,4% nota 4; 66,7% nota 3; 14% nota 2; e 0,4% nota 1. Segundo o MEC, as públicas obtiveram desempenho melhor: 28,8% conseguiram conceito 4 e 5,7% conceito 5. Entre as particulares, os números foram 15,7% e 0,9%, respectivamente.

O índice é calculado anualmente e leva em conta a qualidade dos cursos de graduação, por meio do Conceito Preliminar de Curso (CPC) do último triênio, e também o conceito da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que mede o desempenho na pós-graduação (mestrado e doutorado) das instituições. A avaliação foi realizada com base em resultados levantados em 2016.

Os indicadores de qualidade originam-se do desempenho de concluintes no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), que é realizado para avaliar os conhecimentos, competências e habilidades desenvolvidas pelo estudante ao longo do curso. Em 2016, foram avaliados os bacharelados nas áreas de Agronomia, Biomedicina, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Medicina Veterinária, Nutrição, Odontologia, Serviço Social e Zootecnia; além dos Tecnólogos em Agronegócio, Estética e Cosmética, Gestão Hospitalar e Gestão Ambiental.

Cursos em Destaque

Os cursos de Enfermagem e Fisioterapia da Universidade Positivo foram considerados pelo MEC os melhores de Curitiba entre instituições públicas e privadas. Odontologia também foi considerado o melhor do sul do Brasil entre instituições privadas, o sexto melhor do país entre privadas e o 11° melhor entre públicas e privadas. Além disso, o curso de Medicina é o segundo melhor do Paraná entre instituições privadas. Já o curso de Gestão Ambiental é considerado o segundo melhor do Paraná entre públicas e privadas.

De acordo com o reitor da Universidade Positivo, professor José Pio Martins, a avaliação do Ministério da Educação (MEC) é o reconhecimento mais importante e relevante do mercado, já que supervisiona as instituições com o olhar sobre três pontas: estrutura física, projeto pedagógico e corpo docente. “São itens essenciais em uma universidade, mas o desafio vai além, pois é preciso manter toda essa estrutura atualizada e possibilitar uma formação universitária completa”, diz.

Linguagem de programação é o novo idioma nas escolas

A linguagem de programação está presente em praticamente tudo. Além de já ser relevante para quase todas as profissões, ela funciona como um idioma universal, que não muda entre as diferentes nacionalidades e pode ser aprendida por qualquer pessoa. Grandes países como Estados Unidos, Austrália e Suécia já valorizam o ensino dessa linguagem, tornando o conteúdo obrigatório nas escolas.

Apesar de o Ministério da Educação brasileiro não exigir o ensino de programação nas escolas, algumas instituições já reconhecem a necessidade desse conhecimento. Em Curitiba, o Colégio Positivo oferece aulas de linguagem de programação para os alunos de Ensino Médio e Fundamental desde o início de 2016. As turmas têm aulas semanais ou quinzenais e desenvolvem desde aplicativos mobile para o sistema Android, até dispositivos utilizando a plataforma Arduino, que podem ser utilizados em robôs, projetos de automação, projetos de iluminação, entre outras coisas.

O professor de Lógica de Programação do Colégio Positivo, Fernando Dimas Souza, conta que a linguagem aumenta a capacidade cognitiva desses alunos, desenvolvendo, inclusive, a capacidade de solucionar problemas logicamente. “Programar nada mais é que conversar com a máquina e ensiná-la a fazer o que você quer. Quando o aluno desenvolve essa capacidade, ele adquire mais autonomia, raciocínio lógico e confiança”, explica. A intenção, segundo o professor, é que, no futuro, os alunos possam criar os próprios programas e resolver problemas do cotidiano por meio desse conhecimento tecnológico.

“No início, boa parte dos alunos não entendem o motivo da disciplina, mas, no decorrer do ano, eles criam interesse e começam a fazer seus próprios projetos e nos procuram para auxiliá-los”, garante Dimas. Apesar das aulas não contabilizarem notas na grade curricular, as turmas têm boa participação dos alunos e alguns começam a considerar a área de tecnologia da informação como uma possibilidade para o vestibular. “Hoje, a área tecnológica é uma das que crescem mais no mercado, com salários atraentes e inúmeras vagas disponíveis para mão de obra capacitada”, explana o professor, sobre as oportunidades para quem quer seguir carreira.

Com tecnologias educacionais, alunos do Colégio Cidadão do Amanhã (Piraquara-PR) têm experiências interativas que ajudam no aprendizado e na socialização

Desde abril, piraquarenses e turistas passeiam, praticam esportes, fazem atividades físicas ou simplesmente passam horas contemplando as belezas do Parque das Águas. Em agosto, o Colégio Cidadão do Amanhã descobriu mais uma forma de aproveitar a nova área de lazer da cidade e, ao mesmo tempo, promover uma experiência de aprendizado diferente, combinando os prazeres da natureza com as inovações tecnológicas. Com tablets nas mãos, 36 alunos do 6º ano do Ensino Fundamental percorreram o Parque em busca das diferentes espécies vegetais e, graças ao Conecta, sistema de gerenciamento da Positivo Informática para dispositivos móveis, puderam compartilhar com os colegas os resultados dessa jornada, que foi o tempo todo acompanhada pelo professor.

“Se for para definir o Conecta em uma palavra, é interatividade”, resumiu Rosangela Odete de Souza Alves, diretora da instituição. Segundo ela, “há uma troca muito grande entre o professor e o aluno, uma total socialização entre todos. Os alunos ficam orgulhosos e encantados de mostrar suas produções para a turma, e o professor trabalha praticamente em tempo real”, diz.

Quem conhece o Cidadão do Amanhã sabe que essa é apenas mais uma das atividades diferenciadas que o Colégio oferece. Nascido do sonho de três educadores que acreditam que uma educação de qualidade contribui para a construção de um grande cidadão, o Colégio que atende da Educação Infantil ao Ensino Médio vai além do livro didático.

Com o uso do Educacional, conjunto de tecnologias educacionais da Positivo Informática que reúne colaboração, inovação, personalização, comunicação e qualidade para a aprendizagem por meio da Internet, por exemplo, os alunos participam ativamente de projetos colaborativos como as Oficinas do Texto e também utilizam o Aprimora Ensino Fundamental, tecnologia que contempla as habilidades elencadas pelo Ministério da Educação para as áreas de Língua Portuguesa e Matemática, tendo sido avaliada e qualificada para integrar o Guia de Tecnologias Educacionais publicado pelo MEC, por seu potencial para promover a qualidade da educação.

Sobre a utilização do Aprimora, ecossistema adaptativo que identifica as habilidades e dificuldades de cada aluno e traça caminhos de aprendizagem conforme as suas necessidades individuais, a escola comemora bons resultados. Até o momento, quase 8.500 avaliações foram finalizadas no aplicativo, com um acumulado geral de 111.060 questões respondidas, mais de 48.000 questões de tratamento de erro e cerca de 6.332 questões de recuperação.

As Oficinas do Texto também não passam despercebidas no colégio. Só em 2016, 11 turmas do Cidadão do Amanhã participaram das Oficinas do Texto disponibilizadas pelo Educacional. A produção final chegou a 172 livros escritos pelos alunos em coautoria com personalidades do cenário nacional, como Ziraldo, Ilan Brenman e Daniel Cabral. Os livros foram criados a partir do ambiente virtual da Oficina e, após finalizados, entregues impressos na escola.

Além do uso de tecnologias educacionais e participação em projetos colaborativos, os alunos do colégio participam de aulas de campo, têm acesso a tablets, contam com laboratório de ciências, biblioteca, sala multimídia e uma equipe altamente qualificada. Outros pontos positivos do Colégio Cidadão do Amanhã: as turmas são pequenas e ainda podem fazer atividades extracurriculares como balé, yoga, jazz, street dance, taekwondo, tênis de mesa e inglês, a maioria sem custo adicional para a família, ou cursos de Educação Financeira e Empreendedorismo.

Realidade virtual chega a colégio de Curitiba

Cerca de 35 alunos do 6º ano do Ensino Fundamental II do Colégio Positivo Junior tiveram uma experiência diferente durante a aula: participaram de um projeto piloto com a solução de realidade virtual Na Real Educação Imersiva, que une conteúdos especiais, vídeos em 360 graus e óculos de realidade virtual, e é oferecida pela Positivo Informática Tecnologia Educacional. A aula experimental foi sobre dengue e envolveu atividades dinâmicas e práticas, além do uso dos óculos de realidade virtual. “O vídeo em 360º chamou muito a atenção dos alunos. Notamos que eles assimilaram melhor o conteúdo e elogiaram a qualidade do material. Foi uma aula completamente diferente, onde os participantes questionaram muito mais e absorveram melhor o conteúdo”, disse o professor Alexandre Passoni Ferreira.

Outro professor que também acompanhou a aula, Zenylton de Abreu Cerqueira, nunca tinha usado óculos de realidade virtual e comentou a experiência: “Gostei muito. Nós ficamos mais próximos das cenas e isso causa um impacto muito maior. Eu, por exemplo, fiquei procurando os pontos onde o mosquito deposita os seus ovos”, em referência às cenas vistas na solução.

Recém-lançada pela Positivo Informática Tecnologia Educacional, a solução Na Real Educação Imersiva é composta por 10 aulas dinâmicas, desenvolvidas para proporcionar aos alunos uma experiência imersiva e de impacto, com um app exclusivo e vídeos de até 5 minutos sobre temas relevantes e atuais, como consumo, poluição, mobilidade urbana, saneamento básico, drogas, etc.

Para Rebeca Berger Barbalat, diretora de Marketing da Positivo Informática Tecnologia Educacional, o projeto piloto rendeu ótimos resultados. “A realidade virtual é uma tendência em vários segmentos com diversas aplicações e na educação cumpre muito bem o papel de levar o aluno a vivenciar algo ainda pouco explorado em sala de aula. É uma solução que trata de assuntos da atualidade de maneira dinâmica e oferece uma experiência de aprendizado completa. É muito gratificante saber que o Na Real Educação Imersiva foi muito bem aproveitado pela turma do Colégio Positivo Junior e pelos professores”, afirma.

Batalha de aplicativos estimula empreendedorismo e inovação em sala de aula

O segundo bimestre de 2015 está sendo diferente para alunos de quatro áreas da Universidade Positivo. As turmas de Arquitetura e Urbanismo, Direito, Odontologia e Formação Básica de Negócios estão participando do Desafio Apps in Class, desenvolvido pelo Centro de Inovação Pedagógica da UP para promover o mobile learning entre alunos e professores.

Após o período de capacitação e aprendizado da plataforma Eduapps, os estudantes do primeiro e segundo anos participantes serão avaliados em um concurso, nesta quinta-feira (2 de julho), que escolherá os três melhores aplicativos desenvolvidos.

De acordo com Márcia Sebastiani, diretora do Centro de Inovação Pedagógica, o mundo está em constante modernização e a educação não pode ficar para trás. Por isso, o concurso estimula não só o aprendizado na área de programação e tecnologia, mas também incentiva a vontade de inovar. “A proposta do Apps in Class é mostrar que o uso da tecnologia não deve ficar restrito aos cursos de ciências exatas e que é possível e fácil introduzir métodos diferentes de aprendizado em sala de aula”, explica.

Inovação e educação caminham juntos

O Desafio Apps in Class é apenas uma das iniciativas do Centro de Inovação Pedagógica (CIP) da Universidade Positivo, um núcleo de pesquisas e desenvolvimento de serviços e processos inovadores, focado na evolução e modernização do ensino na educação básica e superior, em instituições públicas e privadas.

Segundo Márcia, o CIP foi instituído com o propósito de criar e implementar projetos inovadores na área educacional, capazes de melhorar, cada vez mais, o aprendizado dos alunos. “É importante estarmos permanentemente pesquisando novas metodologias de ensino e desenvolvendo-as de acordo com a nossa realidade. Além disso, um dos nossos diferenciais é que monitoramos o quanto cada uma destas novas propostas impactam, de fato, na melhoria da aprendizagem”, analisa a diretora.

Além do Desafio, o CIP também desenvolve outros projetos com a marca da inovação. Um exemplo é o Programa Descoberta, dirigido ao desenvolvimento de professores, que busca, por meio de pesquisas, identificar e destacar as melhores práticas que efetivamente dão resultados no progresso dos alunos.

Paraná vai usar gratuitamente soluções de TI da Microsoft

O governador Beto Richa assinou nesta terça-feira (09/04) um protocolo de intenções com a Microsoft Brasil para a utilização pelo Estado de soluções tecnológicas para capacitação de pessoas em tecnologia da informação (TI) e uso de plataformas de aprendizagem virtual. A cooperação não implica em qualquer custo para o Estado e terá vigência inicial de dois anos.

“O Paraná dá mais um passo na busca da modernidade e inovação. Este protocolo promoverá oportunidade de qualificação em tecnologia da informação aos paranaenses e melhor comunicação entre alunos e professores na rede estadual de ensino”, disse Beto Richa.

A assinatura do protocolo de intenções foi realizada durante o Fórum de Líderes de Governo na América Latina e Caribe, que acontece até esta quarta-feira (10), no Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. Richa ainda fará uma palestra no último dia do evento no painel temático Crescimento Econômico e Cidades, às 10h25.

Pelo protocolo firmado com a Microsoft ficam disponíveis opções de programas e softwares que poderão ser implantadas pelo governo nas áreas de educação, qualificação, inovação e empreendedorismo. Entre eles estão capacitação básica em tecnologia da informação e design, comunicação instantânea entre alunos e professores, softwares para projetos de alfabetização em informática e desenvolvimento de empresas iniciantes.

No Brasil, além do Paraná o Estado de São Paulo também participa da iniciativa. “Fomos contemplados com o projeto por que resgatamos a confiança de investidores nacionais e internacionais e por apresentar novas diretrizes de governo”, disse Richa, destacando que o Estado tem 100% de cobertura digital.

O acordo firmado faz parte da política de apoio aos governos nas áreas de educação, inovação e empreendedorismo, desenvolvido pela Microsoft em âmbito mundial. “O objetivo do protocolo é buscar a qualificação, promover a inovação e focar principalmente no público jovem. O mercado requer um profissional qualificado e a parceria tem esse objetivo de prepará-lo para a inserção profissional e para o empreendedorismo”, afirmou o presidente da Microsoft Brasil, Michel Levy, para quem o Paraná está puxando o trem da inovação e da competitividade no país.

INTERFACE – A Companhia de Informática do Paraná (Celepar) e a Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior farão a interface com a Microsoft na execução dos projetos. “Num processo de contínuo desenvolvimento a Secretaria investe no aprimoramento das universidades estaduais públicas, em programas e projetos estratégicos de governo e de interesse da sociedade, bem como no fomento das atividades da área de ciência, tecnologia e inovação”, disse o secretário estadual de Ciência Tecnologia e Ensino Superior, Alípio Leal.

Para o presidente da Celepar, Jackson Carvalho Leite, o acordo é vital para o desenvolvimento de projetos na área de informática e que cheguem até a população.

A tecnologia e a revolução educacional

Por Gil Giardelli*

A educação também se prepara para uma revolução. Há um ano estive em Madri, na Espanha, onde participei de um encontro mundial de educadores conectados pelas redes sociais, que anualmente se reúnem em algum lugar do mundo para entender o ensino do século 21. A conclusão a que chegamos é que somos, e seremos, educadores e estudantes durante toda a vida. O modelo educacional secular, no qual um fala e outros escutam já se esgotou.

No mundo conectado há três tipos de aluno: aquele que, em silêncio, presta atenção a tudo; outro que precisa conversar e pesquisar em rede; e um terceiro que precisa ver, sentir e tocar para aprender.
O espaço físico e as aulas cronometradas não fazem mais sentido. A educação repetitiva e decorativa torna-se obsoleta com toda a informação do mundo absolutamente disponível. No entanto, frequentar uma escola ainda é importante para compartilhar os valores da sociedade, para o coletivismo e para o trabalho colaborativo e em rede, três conceitos fundamentais para qualquer um crescer na vida e na carreira.
O professor não é mais o dono do conhecimento, mas sim o maestro do aprendizado em rede. Em um mundo atolado de informação, cada dia mais, ele terá o papel de curador da sabedoria das multidões.
Sim, teremos de estudar durante toda a vida. Em uma época, você será talvez um administrador, depois um professor, um empreendedor, um artista, um vinicultor. Não é fantástico? Prepare-se para essa realidade. Como? Corra e volte a estudar. Ao planejar seu aprendizado em 2013, mude sua postura na sala de aula, seja simultaneamente um contestador, um pesquisador e um educador.
Ficar sentado, esperando receber o conhecimento do professor, é um comportamento do século passado. Estude pelo prazer. Se for fazê-lo por obrigação ou apenas para conseguir uma promoção, é melhor nem começar. Será pior para você. E faça mais: participe de grupos de estudos on-line, que se organizam na internet, mas que realizam encontros presenciais periódicos, participe de trabalhos voluntários, de saraus de poesia, de debates e trocas de ideias. Neste mundo, em que a simples troca de informação é um motor de grandes mudanças, seu diploma tem prazo de validade curto. Mantenha a calma, vá em frente e sempre pense: que futuro estou construindo para nós e para o mundo?

* Gil Giardelli é autor do livro “Você é o que você compartilha” (Editora Gente), e especialista no Mundo.com, com quase duas décadas de experiência no universo digital. Web-ativista, é também professor nos cursos de Pós-Graduação e MBA do Miami Ad School e do Centro de Inovação e Criatividade (CIC) da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), em São Paulo, e da FIA-LABFIN/PROVAR em São Paulo.