Incubadora da Fiep abre vagas para startups de impacto social

Curitiba acaba de ganhar um programa de aceleração voltado exclusivamente a startups de impacto social, em áreas como mobilidade, energia, educação, segurança, resíduos, logística e equipamentos públicos. A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) abriu, nesta quarta-feira (13/6), as inscrições para incubar em sua sede, na capital, cinco novas empresas que ofereçam produtos e soluções para cidades inteligentes.

“Este novo programa, denominado Startup Smart Cities, visa incentivar o empreendedorismo de alto impacto para criar soluções para cidades inteligentes e combina aceleração e conexão entre as empresas nascentes, as indústrias e todo o ecossistema de inovação da cidade”, explica Filipe Cassapo, gerente do Centro Internacional de Inovação da Fiep.

As inscrições para a incubação já estão abertas e a primeira banca de avaliação irá ocorrer no dia 29 de junho. A iniciativa é uma parceria da Fiep com o Sindicato das Indústrias Eletroeletrônicas (Sinaees) e a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

“Quando a gente pensa em cidades, há muitos desafios que precisam ser superados e as startups podem ter um papel fundamental no desenvolvimento de soluções inovadoras. Do melhor manejo do lixo ao trânsito caótico das metrópoles, o que não falta é opção a ser explorada”, afirma Frederico Lacerda, diretor da Agência Curitiba, órgão ligado à Prefeitura e responsável pelo fomento do Vale do Pinhão, o movimento de todas as áreas do município e do ecossistema de inovação da capital para tornar Curitiba a cidade mais inteligente do país.

Lacerda, que representou a Prefeitura no lançamento do programa da Fiep, lembra também que as cidades inteligentes unem qualidade de vida e desenvolvimento econômico por meio da tecnologia aplicada nas operações do dia a dia. De acordo com o Ranking Connected Smart Cities 2017, que avalia as cidades mais inteligentes do país usando 70 indicadores, Curitiba é a 2ª colocada.

Segundo Cassapo, o ecossistema de inovação que se formou na cidade nos últimos anos certamente tem influência nesta posição de destaque. “Órgãos públicos e privados, academia e demais organizações encontram o cenário ideal para o desenvolvimento de projetos capazes de tornar a cidade cada vez mais inteligente”, completou o gerente do Centro Internacional de Inovação da Fiep.

Atualmente, a Fiep já oferece um programa de incubação, em sua sede, na capital, para 11 startups, que recebem ajuda para estruturar planos de negócio, desenvolver produtos e serviços e contatar empresários interessados em investir e contratar as soluções. São empresas como GoEpik, Metha, Prevention (Adam Robô) e Exy9br, que apostam em negócios relacionados à automação, inteligência artificial, realidade virtual e internet das coisas (IoT), que estão entre os pilares da chamada indústria 4.0.

De acordo com Cassapo, as cinco novas startups ficarão incubadas em uma nova área na sede da entidade, junto ao Instituto de Veículos Híbridos e Elétricos. “Como no caso, das 11 outras empresas que fazem parte do programa de incubação, esperamos que as novas startups criem uma sinergia com os projetos voltados a mobilidade desenvolvidos pelo instituto”, justifica o gerente da Fiep.

Cassapo observa ainda que os editais de seleção são abertos e contínuos, com opções para duas formas de incubação: residente – na qual a empresa fica nas dependências da incubadora – e não residente. O programa tem duração de um ano, período no qual são realizadas reuniões para monitoramento de desempenho por meio de indicadores e metas.

Para apoiar no seu desenvolvimento, as empresas recebem suporte de rede de mentores e consultores especializados do Sistema Fiep e parceiros.

Palestra e debate

Antes do lançamento oficial da Startups Smart Cities, Josep Maria Buades Juan, representante da Agência Catalã de Competitividade, fez a palestra O Estado da Arte das Cidades Inteligentes.

Em seguida, houve um debate sobre a importância do ecossistema de startups para as cidades inteligentes, que teve a participação de Frederico Lacerda; do presidente do Sinaees, Alvaro Dias Junior; do gerente da Regional Paraná da Abinee, Jorge Paulo de Aguiar; e do coordenador do Programa Inovativa MDIC, Rafael Wandrey.

Mais informações sobre inscrições para a incubação de startups na Fiep podem ser obtidas pelo site.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Smart City Expo Curitiba começa nesta quarta-feira com palestrantes de renome mundial e exposição gratuita

Curitiba recebe nesta quarta e quinta (28/02 e 1º/03) centenas de autoridades internacionais em soluções inteligentes para melhorar a vida das pessoas nas cidades. Elas participam como palestrantes e debatedoras do Smart City Expo Curitiba 2018, primeira edição brasileira do maior evento de cidades inteligentes do mundo, com o tema “A inovação como motor de desenvolvimento econômico”.

O evento, chancelado pela Fira Barcelona Internacional, vai ocupar toda a área do Expo Renault Barigui, dividido em duas grandes atividades: um congresso com dezenas de palestras e debates e uma feira com 22 estandes de empresas nacionais e internacionais que apresentarão seus projetos. Também haverá uma Smart Plaza, reunindo cerca de 70 startups.

Para a participar das palestras é necessário comprar um passaporte. Já o acesso à área de exposição poderá ser feito de maneira gratuita após a realização de credenciamento pelo site do evento ou no local.

O Smart City Expo Curitiba será dividido em quatro pilares de soluções a serem apresentadas: Tecnologia Disruptiva, Governança, Futuras Cidades Sustentáveis e Inovação Digital e Desenvolvimento Econômico.

Grandes nomes

Entre os palestrantes do Smart City Expo Curitiba 2018 – que inclui duas mesas de debate, 13 conferências, 60 talks, três sessões plenárias e oito sessões paralelas –, estão grandes nomes, como o arquiteto e engenheiro Carlo Ratti, que dirige o Senseable City Lab do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), celebrado pela revista de tecnologia Wired como uma das 50 pessoas que vão mudar o mundo, e o arquiteto Jorge Perez Jaramillo, responsável pela evolução urbana de Medellín até 2015. Ambos vão palestrar no dia 28 de fevereiro.

O congresso também terá palestras e discussões coordenadas por Frans-Antom Vermast, consultor de estratégias de planejamento urbano do Amsterdam Smart City; a indiana Tia Kansara, fundadora da Kansara Hackney, consultoria internacional que desenvolve soluções para problemas urbanos; Pedro Vidal, gerente do Programa Santiago Smart City, Chile; Agustín Suárez, diretor geral de Gestão Digital da cidade de Buenos Aires, Argentina; e Carolina Pozo, ex-secretária geral de Planejamento, Inovação e Governo aberto para a cidade de Quito, no Equador, entre outros.

O CEO da Fira Barcelona Internacional, Ricard Zapatero, e curadora do Smart City Expo World Congress, Pilar Conesa, também estarão em Curitiba. Caso tenha interesse em realizar uma entrevista com eles, por favor, marcar com antecedência com a assessoria de imprensa.

Smart Plaza Vale do Pinhão

Além dos estandes, os visitantes poderão conhecer o espaço exclusivo do Vale do Pinhão, programa da Prefeitura de Curitiba que estimula a conexão entre os diversos agentes do ecossistema da cidade, como universidades, empresas, startups, pessoas físicas e governo, para que atuem em conjunto e fortaleçam o desenvolvimento de negócios inovadores na capital.

Nesse espaço, serão apresentadas propostas de revitalização dos bairros curitibanos que integram a iniciativa. A estrutura terá como objetivo fomentar o networking e intercâmbio de conhecimentos, unindo demanda e ofertas de soluções inovadoras. Serão exibidos projetos desenvolvidos em áreas como saúde, educação e planejamento urbano que estão sendo desenvolvidos no Vale do Pinhão.

Uma das atrações exibidas no local será o Adam Robô, desenvolvido pela startup Prevention. O robô pode pré-avaliar um paciente e realizar testes para diagnosticar doenças como miopia, hipermetropia, presbiopia (vista cansada) e astigmatismo.

Smart City Expo Curitiba 2018
Data: 28 de fevereiro e 1º de março de 2018
Local: Expo Renault Barigui – Curitiba – PR
Endereço: Alameda Ecológica Burle Marx, 2518 – Santo Inácio – Curitiba – PR
Horário: das 09h30 às 18h00
Telefone para contato: (41) 3019-1025
Site oficial para informações e inscrições: https://www.smartcityexpocuritiba.com/
Valor do ingresso: R$ 1200 entre os dias 1º e 27 de fevereiro e R$ 1500 durante os dias 28 de fevereiro e 1º de março. A entrada na exposição é gratuita, mediante cadastro prévio no site

Uninter lança graduação em Smart Cities, inédita no país

unnamed

Mais do que capacitar profissionais para o mercado de trabalho, o Centro Universitário Internacional Uninter prepara cidadãos para transformar a sociedade. Seguindo esse caminho, a instituição lança para todo o país a primeira graduação em Gestão de Cidades Inteligentes (Smart Cities). O objetivo do curso é formar gestores capazes de criar e implementar soluções para os problemas relacionados ao crescimento dos centros urbanos, levando em conta o desenvolvimento econômico e o bem-estar da população.

De acordo com projeções da ONU, a população mundial chegará perto dos 10 bilhões de habitantes em 2050. No Brasil, o pico populacional deve ocorrer em 2047, quando a população poderá atingir mais de 320 milhões de habitantes. “As cidades precisam se reinventar urgentemente e o uso da inteligência no planejamento urbano se tornou essencial nessa tarefa. A nossa graduação em Smart Cities vai preparar profissionais para enfrentar os desafios relacionados a mobilidade, eficiência energética e sustentabilidade”, ressalta Jorge Bernardi, vice-reitor da Uninter.

Cidades como Yinchua (China), Copenhague (Dinamarca) e Songdo (Coreia do Sul) dão exemplos ao mundo todo. Sensores subterrâneos que detectam as condições do tráfego e reprogramam os semáforos, redução na emissão de carbono a partir do investimento em malha cicloviária, sistema pneumático de lixo que automaticamente classifica o material e o recicla, são algumas das iniciativas.

O Brasil também dá os primeiros passos. Em Santos (SP), o destaque é o aplicativo SIGSantos, que auxilia no mapeamento urbano da cidade e na tomada de decisões públicas. Tubarão (SC), possui com a maior usina solar do país, entre cidades de 100 mil a 500 mil habitantes.

O tema é urgente, mas vem sendo discutido há algum tempo. O Plano Diretor de Curitiba (PR) foi criado em 1966, direcionando o crescimento da capital de forma linearizada. De lá pra cá, foram realizadas grandes mudanças no mapa da cidade, mas que buscaram se manter fieis ao plano original.

“É evidente que as necessidades sociais mudaram e, mesmo as cidades que já possuem um plano, como a capital paranaense, precisam se reinventar, com o apoio de soluções tecnológicas que antes não existiam. É crescente a demanda no mercado por pessoas preparadas para atuar nesse sentido”, explica Bernardi.

O profissional dessa área poderá trabalhar em órgãos públicos da administração municipal, estadual e federal, institutos de planejamento urbano, setores de pesquisa e empresas privadas voltadas para projetos urbanos.

O curso de Gestão Inteligentes (Smart Cities) tem duração de dois anos, é a distância, e título de Tecnólogo. A estrutura curricular do curso é estabelecida a partir das seguintes áreas: Planejamento e Inteligência Urbana, Sustentabilidade, Mobilidade Urbana, Eficiência Energética, Recursos Naturais, Construções Inteligentes, Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC).

Serviço

As inscrições para o vestibular estão abertas. A cada dois meses, há abertura de novas turmas.

Mais Informações: uninter.com ou 0800 702 0500.

Carros elétricos, internet das coisas, energia sustentável e robôs inteligentes estarão no Smart City Expo Curitiba 2018

unnamed

Carros elétricos, controle remoto da rede elétrica, usina que transforma o lodo do esgoto em energia, robôs que fazem exames oftalmológicos, plataforma de internet das coisas que extrai dados para oferecer serviços públicos eficientes, aplicativos para controle de acesso de prédios e de iluminação de cidades.

Essas são algumas das soluções tecnológicas que poderão ser conhecidas durante o Smart City Expo Curitiba 2018, edição brasileira do maior evento de cidades inteligentes do mundo. Durante dois dias – em 28 de fevereiro e 1º de março -, as pessoas poderão conferir os estandes de 22 empresas nacionais e internacionais dos setores público e privado que exibirão inovações capazes de transformar a vida das pessoas.

“A exposição dá aos participantes a oportunidade de ver projetos e tecnologias, além de conectar todos os pontos do ecossistema de uma cidade inteligente, pois é onde os principais representantes urbanos se reúnem para lidar com desafios e inspirar soluções. Isso possibilitará a criação de redes, vendas, apresentação de projetos e grandes oportunidades de negócio”, afirma André Telles, co-fundador e diretor do iCities, empresa curitibana que promove o Smart City Expo Curitiba com a chancela da FIRA Internacional, entidade do governo espanhol.

O evento será realizado no Expo Renault Barigui, no Parque Barigui, em Curitiba, e terá duas grandes áreas: o congresso, com dezenas de palestrantes que são referência mundial no tema, e a exposição com 22 estandes. O acesso à área de exposição poderá ser feito de maneira gratuita após a realização de um credenciamento. Apenas a participação no congresso é paga.

Show de inovação tecnológica

Um dos destaques será o estande de Itaipu, que é parceira global do evento. A binacional de energia apresentará, em parceria com a Renault, os veículos elétricos Twizy, que apresentam zero emissão de gases poluentes e fazem parte do Sistema de Compartilhamento Inteligente (SCI) de veículos elétricos, que conta com cinco Pontos de Mobilidade, com vagas exclusivas para os carros e eletropostos para recarregá-los. Ao todo, 11 Twizys são utilizados por cerca de 200 colaboradores da Itaipu cadastrados no sistema.

Outro destaque é o Atlas de Energia Solar do Estado do Paraná, que permite saber com precisão a energia solar disponível em cada um dos 399 municípios do Paraná ou em qualquer ponto do estado. Uma das ferramentas é o Simulador de Potência Solar, que permite saber quanta energia poderá ser produzida em um projeto de geração solar, inclusive para residências.

Quem também terá a mobilidade como principal destaque é a startup 99, que espalhará pelo local do evento quatro estações para o aluguel de patinetes. A ideia é oferecer uma mobilidade mais sustentável e econômica. A empresa apresentará ainda pesquisas e projetos de tecnologia que ajudem os governos locais na redução de congestionamento e aumento da segurança viária nas cidades brasileiras.

Geração de energia e sustentabilidade

Já a Copel exibirá soluções para otimizar a medição e a configuração da rede elétrica. Um dos projetos é a instalação de 15 mil medidores de energia na cidade de Ipiranga, no Paraná, que permitirão coletar as informações sobre o consumo de energia remotamente, sem a necessidade de deslocar profissionais para fazer a leitura. O projeto segue o modelo de grandes redes inteligentes internacionais presentes nos Estados Unidos e no Japão.

Outra atração será a instalação de equipamentos de automatização de rede, que poderão identificar quedas de energia rapidamente, com religamento automático e sem a intervenção de um operador. Quando ocorre uma falha permanente, o sistema isola o trecho atingido e redireciona a energia para o maior número possível de consumidores.

Quem também utiliza a tecnologia para oferecer recursos mais sustentáveis para a população é a Companhia de Saneamento do Paraná, a Sanepar. A empresa mostrará ao público o projeto CS Bioenergia, usina que transforma o lodo gerado pelo tratamento de esgoto e resíduos orgânicos em energia. Quando estiver em pleno funcionamento, a usina terá capacidade para gerar 2,8 MW de energia limpa, o suficiente para abastecer 2.100 unidades consumidoras ou 8.400 pessoas.

Internet das coisas e dispositivos conectados

Um dos princípios das cidades inteligentes é o de oferecer dispositivos conectados (Internet das Coisas) que tragam informações relevantes ao público e possibilitem o funcionamento de serviços públicos e a utilização de recursos de maneira mais eficiente. Diversos expositores apresentarão novidades tecnológicas a partir desse propósito.

A Teletex exibirá a plataforma “CKC – Kinetic for Cities”, da CISCO, uma das maiores empresas de TI do mundo. Ela pode reunir uma grande quantidade de dados a partir de dispositivos conectados e fornecer informações estratégicas para a melhoria do gerenciamento de tráfego, acesso à Internet em rede com e sem fio, estacionamento inteligente, iluminação inteligente com nós de serviços múltiplos, entre outros serviços.

Nessa mesma toada, a Landys+Gyr apresentará pela primeira vez a plataforma Gridstream Connect, que conecta sensores e dispositivos inteligentes capazes de integrar redes para aplicações domésticas e industriais que contribuam para a melhoria da infraestrutura de uma cidade, além de possibilitar interações entre a população.

Já a Citelum apresentará a plataforma MUSE, dedicada à gestão completa de iluminação pública. Por meio dela é possível gerenciar os gastos de energia e melhorar a performance do sistema, ligar e desligar luzes e realizar a manutenção eficiente dos equipamentos públicos visando a redução de custos.

Além disso, a empresa curitibana Redisul terá como destaque a aplicação L1 SmartControl, que permite controlar a iluminação de um prédio e os controles de acesso por meio de câmeras de vigilância, além de uma versão Agro, que permite o controle de Silos Graneleiros a distância (temperatura, umidade, nível de gases, volume estocado e controle de acesso).

Smart Plaza Vale do Pinhão

Além dos estandes, a área de exposição também contará com o espaço Smart Plaza Vale do Pinhão, estrutura para fomentar o networking e intercâmbio de conhecimentos, unindo demanda e ofertas de soluções inovadoras. O público poderá conferir projetos desenvolvidos em áreas como saúde, educação e planejamento urbano que estão sendo desenvolvidos no Vale do Pinhão, programa da Prefeitura de Curitiba que estimula uma maior conexão entre os diversos agentes do ecossistema de inovação da cidade (universidades, empresas, startups, pessoas físicas e governo, entre outros).

Um dos exemplos que serão exibidos é o do Adam Robô, criado pela startup Prevention. O robô pode pré-avaliar um paciente e realizar testes para diagnosticar doenças como miopia, hipermetropia, presbiopia (vista cansada) e astigmatismo. “Acreditamos que a apresentação desta nova tecnologia no evento deverá impulsionar ainda mais o crescimento da Prevention e potencializar o surgimento de novos negócios”, prevê Juliano de Moraes Santos, criador da empresa.

Smart City Expo Curitiba: tecnologias disruptivas transformam cidades e promovem benefícios diretos para a população

Um dos quatro principais pilares dos debates que ocorrerão no Smart City Expo Curitiba 2018, em 28 de fevereiro e 1º de março, é o segmento de tecnologias disruptivas, que vem transformando as cidades em polos cada vez mais conectados, com o objetivo de facilitar e melhorar a vida dos moradores.

O evento, que trará a Curitiba especialistas do mundo inteiro, discutirá como cidades que adotam inovações utilizam recursos de inteligência artificial, internet das coisas, big data, robótica e aplicativos móveis para oferecer serviços mais eficientes e sustentáveis que trazem qualidade de vida aos cidadãos e são capazes de solucionar alguns dos principais problemas urbanos. As novas tecnologias apresentam dispositivos mais conectados por meio da internet das coisas e são enriquecidas com sistemas de “deep learning”, que permitem que as máquinas adquiram um conhecimento complexo para as operações digitais muito além de algoritmos matemáticos e estatísticas.

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em relatório sobre smart cities, aponta que estão entre os pilares tecnológicos básicos de uma cidade inteligente a infraestrutura de conectividade, sensores e dispositivos conectados, centros integrados de operação e as interfaces de comunicação.

A conectividade de alta velocidade fixa ou móvel por meio de cabos, fibra óptica e conexão sem-fio (Wi-Fi, rádio, 3G, 4G e em breve o 5G) são a base para a instalação de sensores, câmeras e dispositivos conectados a uma grande rede de dados que permitem que os cidadãos recebam informações úteis e demandem serviços essenciais. “Já é possível controlar o uso de água e de energia, realizar a coleta e reciclagem de lixo de maneira mais eficiente, melhorar o trânsito e planejar a segurança pública”, exemplifica André Telles, diretor de marketing do iCities, empresa que lidera a organização do Smart City Expo Curitiba 2018.

Nesses casos, a população fica conectada por meio de suas interfaces de comunicação (redes sociais, portais web e aplicativos móveis) e todo o sistema é monitorado por meio de centros integrados de comando e controle, que recebem dados, imagens e informações e verificam o bom funcionamento de todas as operações, além de planejar uma gestão com modelo unificado e participativo.

Um exemplo de cidade que se destacou no uso de tecnologias inovadoras é Dubai, que recebeu o prêmio de cidade inteligente no Smart City Expo World Congress em 2017. O governo local está utilizando a “blockchain” para registrar e processar todos os documentos e transações imobiliárias até 2020. A “blockchain” é um sistema de registros que garante a segurança de operações virtuais e se tornou conhecido principalmente por validar as operações com criptomoedas em todo o mundo.

Em Singapura, a reunião de dados de pacientes com histórico de internações nos últimos seis meses possibilitou que os médicos atendessem os doentes em casa, poupando a utilização de diárias em hospitais. Já Barcelona desenvolveu lixeiras inteligentes que avisam a prefeitura quando estão com 70% de sua capacidade esgotada, além de semáforos inteligentes que oferecem informações úteis para controle do trânsito.

Quem também apresenta tecnologias inovadoras para a construção de uma smart city é o projeto Santiago Smart City, localizado no centro empresarial da cidade de Huechuraba, região metropolitana da capital chilena. O gerente do projeto, Pedro Vidal, será um dos palestrantes do evento em Curitiba.

Entre os diferenciais está a utilização de um sistema de gestão remoto que permite apagar, acender e mudar a intensidade de cada luminária da cidade de maneira individual de acordo com o horário, clima ou época do ano. A cidade conta ainda com um sistema de videomonitoramento com câmeras Full HD, análise de vídeo integrada e sistema de alerta audiovisual. Além disso, os habitantes do projeto chileno possuem à disposição wi-fi gratuito em alguns pontos.

Seguindo os passos apontados pelo BID para a construção de uma cidade inteligente, todo o sistema conta com uma rede automatizada que transfere todas as informações disponíveis para um centro de controle. Por meio de quatro alimentadores que atendem a seções específicas da cidade, é possível identificar e corrigir qualquer falha em serviços essenciais rapidamente, sem que isso afete a população.

Curitiba também está representada como uma cidade que possui tecnologias inovadoras para a população. O aplicativo Saúde Já, por exemplo, permite agendar consultas na rede pública de saúde por meio do celular a fim de evitar filas em hospitais. Além disso, a Prefeitura também oferece os espaços dos Faróis do Saber e da Inovação que possui espaços destinados às crianças para o contato com diversas formas de tecnologia e educação.

IPCC tem novo portal corporativo

O ICI desenvolveu para o Instituto Pró-Cidadania de Curitiba (IPCC) um projeto de intranet, portal corporativo criado para atender as necessidades de comunicação interna do Instituto. Com o nome Casulo e no ar neste mês de agosto, o veículo conta com área de notícias, comunicados, serviços eletrônicos e fórum para debate de ideias.

Segundo o coordenador de Comunicação e Marketing do IPCC, Paulo Zottino, o Instituto conta com mais de mil funcionários, reunindo profissionais desde o nível educacional básico até doutorado. Ainda, a atuação do Instituto se dá em áreas distintas e com atividades variadas, como projetos culturais, lojas de souvenir, indústrias ambientais e projetos sociais. Essa diversidade gerava dificuldades na área de comunicação interna. “Precisávamos de uma ferramenta que todos pudessem ter acesso à informação de maneira ágil, prática e democrática”, conta.

O principal objetivo do Casulo, de acordo com Zottino, é aproximar os colaboradores do IPCC, gerando um grande senso de pertencimento para cada um. “Queremos que todos se sintam parte das mudanças socioambientais que realizamos na cidade e temos certeza que, por meio da comunicação, podemos nos aproximar muito desse objetivo”, diz.

Para implantar o portal, o ICI desenvolveu o projeto com base em metodologia ágil e Joomla, sistema de código aberto para desenvolvimento de sites e gestão de conteúdo. “Isso otimizou o tempo de desenvolvimento e customização do portal, permitindo que entregássemos um produto moderno e de maneira rápida”, explica o gestor de Atendimento do ICI, Paulo Roberto Gasparin.

“O projeto de design e funcionalidades têm agradado bastante”, elogia Paulo Zottino. “Além disso, agora todas as áreas têm autonomia para publicar conteúdos no Casulo, que é gerenciado pelo nosso departamento de comunicação.” “Acreditamos que os resultados com a implantação do portal são bem promissores”, acrescenta o coordenador.

Fonte: ICI

ICI celebra aniversário de 18 anos

Luís Mário Luchetta, presidente do ICI

O ICI completou 18 anos de sua criação. Para celebrar a data, a Diretoria reuniu-se com os colaboradores, quando apresentou alguns projetos em andamento no Instituto e promoveu uma confraternização, com direito a bolo de aniversário.

O diretor-presidente Luís Mário Luchetta abriu as atividades, destacando que sente alegria em comemorar mais um aniversário do Instituto. “Estamos sempre de passagem, em todos os lugares de nossa vida, e estou muito feliz com a minha passagem pelo ICI”, declarou. “Essa instituição é o que é por causa das pessoas, cada um de nós, independentemente de função. Curitiba recentemente foi reconhecida como a terceira cidade mais inteligente do Brasil e nós somos parte disso. Agradeço pela colaboração e o trabalho de todos.”

Na apresentação dos projetos em andamento, o diretor técnico Fabricio Zanini destacou uma iniciativa com foco em inovação. “Hoje, o ecossistema de inovação do ICI possui diversas engrenagens, como o banco de ideias, a parceria com a PUCPR. Estamos implantando uma nova engrenagem, cujo objetivo é transformar o Instituto num grande laboratório, onde serão testados sistemas e serviços voltados para cidades inteligentes”, explicou o diretor.

Participaram também do encontro o conselheiro Salomão Vieira Pamplona e o conselheiro e secretário do Governo Municipal de Curitiba, Ricardo Mac Donald Ghisi, que transmitiu os cumprimentos do prefeito Gustavo Fruet. “O trabalho que o ICI desenvolve é muito importante e traz reflexos imediatos na cidade, que fazem de Curitiba uma referência”, comentou o secretário. “Realmente, o Instituto contribui com os prêmios que nossa cidade vem conquistando, como ser considerada a terceira cidade mais inteligente do País e a primeira no ranking da transparência nacional. Se não tivéssemos a rapidez do trabalho do ICI, Curitiba não estaria na ponta e sendo reconhecida nessa posição.”

Para Pamplona, esses resultados vêm do esforço da Diretoria. “Reconheço a competência dessa Direção, que traz muitas novidades e está plantando para que o ICI possa colher frutos no futuro, chegando a muitos municípios brasileiros”, disse. O conselheiro destacou também a atuação dos colaboradores do Instituto: “Os bons resultados da Diretoria só são possíveis com o apoio e a competência de sua equipe. Estou orgulhoso de ver o ICI completar 18 anos e poder acompanhar essa gestão.”

Fonte: ICI

ICI participa do Connected Smart Cities no Rio de Janeiro

Estande do ICI no Connected Smart Cities, no Rio de Janeiro

O ICI participou nesta semana do evento Connected Smart Cities, realizado no Rio de Janeiro/RJ. O assessor de Mercado, Amilto Francisquevis, integrou o pop up Governança, no qual apresentou os principais serviços do Instituto, que, enquanto organização social de atuação nacional, se tornou referência em pesquisa, integração, desenvolvimento e implementação de soluções completas para gestão pública.

O evento reuniu os melhores cases e as principais iniciativas de desenvolvimento e integração de soluções de tecnologia da informação, que contribuem para melhorar os serviços públicos e beneficiar os moradores e visitantes de um município.

O ICI patrocinou o evento porque acredita que essas iniciativas podem contribuir com o crescimento e a transformação das cidades. “Hoje, o cenário é desafiador: dificuldade na gestão dos resíduos, trânsito, poluição ambiental, segurança pública, fragmentação social e econômica. Mas entendemos que, com o apoio da Tecnologia da Informação e Comunicação, os municípios poderão dar um grande passo, seja com a gestão de um ambiente digital, como a transformação em uma cidade inteligente e melhor para viver”, destaca o diretor-presidente do Instituto, Luís Mário Luchetta.

Em estande montado no evento, o objetivo do ICI foi o compartilhamento de experiências: “Queremos aproveitar o evento para troca de informações com os gestores públicos para entender e atender às necessidades dos cidadãos e dos municípios na busca de cidades mais inteligentes e conectadas”, finaliza Luchetta.

Congresso de Medicina conta com presença do ICI

Também nesta semana, o Instituto participou do V Congresso Sul Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade, realizado em Foz do Iguaçu/PR. Na ocasião, o ICI apresentou a solução e-Saúde, em funcionamento na Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba/PR. A tecnologia aplicada proporcionou mais agilidade em diagnósticos, redução no tempo de espera por uma consulta, melhores condições de trabalho e maior proximidade com os usuários do sistema de saúde da capital.

Fonte: ICI

Empreendedorismo e tecnologia são destaques no Fórum iCities

A 4ª Edição do Fórum Internacional iCities acontece no próximo dia 03 de dezembro (quinta-feira), no Salão de Atos do Parque Barigui. O evento foca na exposição de ideias sobre novas concepções de desenvolvimento urbano, voltadas, sobretudo, à tecnologia, sustentabilidade e empreendedorismo. A programação conta com palestras sobre diversos assuntos e recebe grandes nomes do universo de startups e inovação, como Gui Telles, general manager do Uber no Brasil. Todas as palestras e painéis podem ser conferidos pelo do site www.icities.com.br.

Com o objetivo de propor discussões sobre as questões atuais e futuras dos municípios, o Fórum apresenta tendências, estudos de casos e aplicações práticas de soluções inovadoras nos seus eixos de atuação: Comunicação, Energia, Economia Criativa, Startups, Sustentabilidade e Tecnologia. Assim como o debate sobre a regulamentação do Uber, várias temáticas recentes e polêmicas integram a programação do evento, como o uso de drones em cidades, veículos elétricos, ciclomobilidade, economia compartilhada e colaborativa.

O publicitário, especialista em Inovação e co-fundador do iCities, André Telles, explica que, em tese, uma cidade inteligente está em um processo de transformação eterno. Autor do primeiro livro sobre Mídias Sociais no Brasil, em 2005, Telles vê relação entre os dois temas. “As pessoas têm percebido como um excelente mercado para atuar, assim como ocorreu com as redes sociais, quando houve explosão de empresas interessadas em produzir conteúdo. Em Smart Cities já existe a percepção de um mercado muito amplo, seja em arquitetura e urbanismo ou relacionado ao empreendedorismo e gestão pública”, diz.

Dentro desse contexto, além das discussões, soluções e inovações apresentadas durante as apresentações, o Fórum iCities vai marcar um importante movimento para a comunidade interessada no assunto: o lançamento da primeira pós-graduação sobre o tema, realizada pela Universidade Positivo. “O conceito de Smart Cities é uma forma de o cidadão promover melhorias na cidade sem, necessariamente, ter uma relação direta com o governo, embora possa tê-lo como parceiro em suas ações”, explica Telles, que também será um dos coordenadores da pós-graduação.

Com 420 horas de duração, o curso terá foco em duas linhas de pesquisa: arquitetura e urbanismo e empreendedorismo. No início, os alunos terão aulas em conjunto sobre os conceitos que regem o tema, como a história das cidades, planos diretores inteligentes e questões sobre empreendedorismo de alto impacto e startups. “As pessoas acham que startups e o empreendedorismo precisam estar ligados às tecnologias pesadas, mas não é verdade. Ações que melhorem a qualidade de vida, como a ciclomobilidade ou a locação de carros e bicicletas, também são importantes”, explica Roberto Marcelino, co-fundador do iCities e um dos idealizadores da Pós-Graduação em Cidades Inteligentes.

Geração de conhecimento

Assim como em outros movimentos, a atuação sinérgica de sociedade civil, mercado, academia e governo acelera a fixação das ideias e de novas iniciativas relacionadas às Smart Cities. No caso das Cidades Inteligentes, a pós-graduação vai contribuir para o aumento da produção de conhecimento. “Isso amplia o entendimento sobre a temática, com aumento do número de profissionais competentes para promover o tema”, explica Telles. Dessa forma, difundem-se os conceitos sobre o assunto e a compreensão de que a tecnologia e o empreendedorismo podem transformar uma cidade.

Já existem diversos cases que servem de referência no país, caso do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, que visa fazer com que a região volte a integrar o processo de desenvolvimento municipal; e o Porto Digital, em Recife, busca se tornar o melhor ambiente de inovação e empreendedorismo de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e Economia Criativa do país. E também iniciativas de instituições privadas, caso da adoção de Adrianópolis, na região metropolitana de Curitiba, pelo Laboratório de Cidades da Universidade Positivo, que orienta comércios e a própria prefeitura no recente crescimento de uma cidade marcada pelos baixos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH).

IV Fórum Internacional iCities

Data: 03/12 (quinta-feira)
Horário: 8h às 19h
Local: Salão de Atos do Parque Barigui Alameda Ecologica Burle Marx, s/n
Santo Inácio – Curitiba – PR
Mais informações: http://www.icities.com.br/forum-internacional-icities/

Curitiba é eleita a cidade com melhor governança do País

O prefeito Gustavo Fruet recebeu nesta segunda-feira (3), em São Paulo, o prêmio Connected Smart Cities 2015 de cidade com melhor governança, atribuído a Curitiba por um estudo que envolveu 700 cidades brasileiras. Na classificação geral, Curitiba ficou em quinto lugar, considerando 11 indicadores utilizados para definir as cidades mais inteligentes: Segurança, Economia, Energia, Governança, Empreendedorismo, Mobilidade, Saúde, Educação, Meio Ambiente, Tecnologia e Urbanismo.

Promovido pela revista Exame e pela consultoria Urban Systems, o prêmio é um reconhecimento às cidades brasileiras com maior potencial de desenvolvimento, de acordo com seus projetos urbanos sustentáveis, que utilizam novas tecnologias e inovação.

“Desde que assumimos a Prefeitura em 2013, temos implementado uma série de ações de aprimoramento da gestão, transparência, participação da sociedade e evolução dos servidores. Ficamos honrados com essa colocação no ranking do Connected Smart Cities – o que só confirma o sucesso da nossa política administrativa”, destacou o prefeito.

Iniciativas de governança

No final de 2014, a Prefeitura de Curitiba deu um passo importante para ampliar a transparência na gestão pública municipal, com a regulamentação da Política de Dados Abertos do Município.

O objetivo é simplificar a disponibilização de dados, para que qualquer interessado possa utilizá-los da maneira como desejar, sem restrição de licenças, patentes ou mecanismos de controle.

No início de julho, a Prefeitura lançou o Portal Aprendere, um site voltado à capacitação dos servidores municipais de Curitiba, oferecendo cursos à distância com ênfase em governança.

Iniciativas como essas ajudam a concretizar a estrutura de planejamento e desenvolvimento urbano da capital paranaense.

Nestes dois anos e meio, a atual gestão também firmou convênios com universidades locais para que servidores façam cursos de formação e especialização.

A política de governança participativa também tem atingido objetivos concretos a partir das audiências públicas e dos diversos canais de comunicação com a população. Destaque para o Colab e para as redes sociais da Prefs, que com linguagem adaptada e descontraída se tornaram um canal de entrada de sugestões e demandas.

Smart city

Curitiba avança no conceito de cidade inteligente com o uso da tecnologia na administração municipal.

A criação da Secretaria de Informação e Tecnologia está resgatando a capacidade de pensar e executar soluções nos serviços públicos, além de colocar a TI como área estratégica de investimento voltado para a transparência e a modernização da infraestrutura de dados.

Ao capacitar servidores para gerir TI, a Prefeitura reforça a estrutura de governança da cidade e aumenta a capacidade da oferta de serviços e-Gov.

Mais humana

Ao receber a premiação, o prefeito Gustavo Fruet destacou ainda iniciativas em diversas áreas que estão melhorando indicadores e ampliando a oferta de serviços públicos.

“Nosso plano de governo é norteado pelo conceito da Curitiba mais humana, com inclusão social, oportunidades e investimentos em infraestrutura para construção da cidade inteligente”, explicou.

Na educação, Fruet lembrou que hoje Curitiba tem cinco escolas públicas municipais entre as 15 melhores do país na avaliação do IDEB.Em 2016, Curitiba elevará a 30% os investimentos em educação – maior percentual e valores da história.

Destacou o programa Nossa Feira, que oferece mais de 30 variedades de frutas e verduras a preço único de R$ 1,79 o quilo, gerando economia de até 40% para a população.

Na área social, citou o Consultório na Rua, que hoje oferece atendimento médico e odontológico a moradores de rua, e o Condomínio Social, que oferece moradia a pessoas em situação de vulnerabilidade social até que consigam se reinserir no mercado de trabalho e poder arcar com a própria moradia. No Condomínio, as responsabilidades são divididas pelos próprios moradores.

Fruet apresentou ainda o Semáforo Inteligente, que permite que idosos e pessoas com mobilidade reduzida ampliem o tempo para travessia de ruas nos cruzamentos mais perigosos, mediante a aproximação do cartão transporte a um dispositivo instalado nos semáforos.

Para finalizar, o prefeito destacou que hoje Curitiba tem o menor índice de mortalidade infantil da história. “Ao longo do mandato, já investimos mais de R$ 1 bilhão em grandes intervenções e novos investimentos já estão garantidos. Porém, temos a preocupação de garantir um legado imaterial para a cidade, que passa pela educação, pelo cuidado com as pessoas, valorização dos servidores e oferta de oportunidades. Mais uma vez, agradeço em nome da nossa cidade por essa premiação, que nos estimula a seguir em frente”, disse.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Oracle participa da terceira edição do Smart Cities Business America em Curitiba

Entre os dias 19 e 21 de maio, a Oracle apresenta uma série de tecnologias voltadas a resolver os grandes desafios das cidades modernas, incluindo aplicações, servidores e soluções de armazenamento.

São Paulo, 05 de maio de 2015 – A Oracle é uma das patrocinadoras da terceira edição do evento Smart City Business America Congress & Expo, que acontecerá entre os dias 19 e 21 de maio, no Expo Unimed Curitiba. O evento deste ano tem o tema “O futuro das cidades transformando o mundo”.

O evento, no qual a Oracle participa como patrocinadora Prata, reunirá especialistas e autoridades de diferentes países para discutir os desafios das grandes cidades que afetam o meio ambiente, mobilidade urbana e geração de energia. O intuito é promover o debate e a troca de informações para buscar alternativas de soluções inteligentes que respondam a esses desafios das cidades modernas.

A Oracle apresentará em seu estande a sua “Plataforma de Cidades”, composta por soluções modulares para todas as esferas (Municipal, Estadual e Federal), desenvolvidas para funcionar de forma integrada e auxiliar os gestores públicos na condução administrativa e na oferta de melhores serviços em diversos setores, como segurança, saúde, educação e transportes.

As soluções incluem um portfólio completo de aplicações, servidores e soluções de armazenamento, que contribuem para reunir informações para a tomada de decisões, melhor implementação de recursos públicos e de políticas segmentadas.

A Oracle irá abordar a importância das instituições públicas simplificarem a infraestrutura de TI, com o intuito de dedicar mais tempo à melhoria na operação e no atendimento ao cliente – em vez de se preocupar com o gerenciamento da tecnologia da informação – e reduzir os custos e o impacto para o meio ambiente. Essa simplificação passa pela migração para cloud computing (computação em nuvem), investimentos em Engineered Systems, substituição de sistemas ultrapassados por aplicações modernas, entre outros.

“O setor público tem como demanda crescente modernizar sua infraestrutura de TI, dentro dos limites orçamentários e com aproveitamento dos sistemas legados. A Oracle oferece uma plataforma completa de soluções para simplificar e melhorar a infraestrutura de TI, permitindo que os gestores públicos possam direcionar esforços para o aperfeiçoamento dos serviços oferecidos à população, visando aumento de produtividade, redução de custos e melhoria dos resultados operacionais” explica Gustavo Rabelo, vice-presidente para o setor público da Oracle Brasil.

A programação completa do Smart City Business America Congress & Expo está disponível em http://www.smartcitybusiness.com.br/

Prefeitura investirá R$ 94 milhões para implantar o projeto Curitiba Cidade Inteligente

A Prefeitura de Curitiba pretende investir, nos próximos dois anos, R$ 94 milhões na implantação de sua estratégia de Cidade Inteligente (Smart City), que contempla uma série de mudanças destinadas a modernizar a gestão pública e ampliar a oferta de serviços eletrônicos e de canais de relacionamento com a população. Está prevista a oferta de novos e melhores serviços e a melhoria da infraestrutura digital do Município. Para viabilizar a implantação do programa, o prefeito Gustavo Fruet enviou mensagem à Câmara Municipal, pedindo autorização para a contratação de financiamento junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O projeto altera o artigo 1º da Lei 14.063 de 3 de julho de 2012, que havia solicitado autorização para empréstimo de R$ 74 milhões para aplicação no Programa de Modernização da Administração Tributária (PMAT).

A necessidade de revisão do empréstimo se dá pelo fato de o novo projeto desenvolvido pela Secretaria de Informação e Tecnologia ter maior abrangência e, consequentemente, exigir investimentos superiores aos inicialmente autorizados pela Câmara de Vereadores.

De acordo com a mensagem enviada à Câmara, a nova estratégia é mais ampla e define três áreas de atuação: infraestrutura digital, referenciamento territorial e geoprocessamento e modernização da administração municipal.

Segundo o secretário municipal de Informação e Tecnologia, Paulo Miranda, o projeto estabelece como meta principal a modernização e ampliação da infraestrutura de tecnologia digital integrada, que irá melhorar a governança da tecnologia de informação (TI) do Município, possibilitando a oferta de mais e melhores serviços eletrônicos.

“A nova estratégia concebe o desenvolvimento de um novo projeto, que irá criar uma infraestrutura digital para a cidade, que permita uma maior integração das informações, de forma a criar novos serviços para o cidadão curitibano”, explica Paulo.

Paulo Miranda diz ainda que a criação do projeto de Referenciamento Territorial e Geoprocessamento tem o objetivo de fazer um novo mapeamento da cidade e criar uma base única de dados, que será aberta à população. “Vamos usar uma tecnologia aberta que permitirá o acesso irrestrito às informações e também a possibilidade de o sistema ser alimentado com dados externos”, diz o secretário.

Outro objetivo da nova estratégia digital é de automatizar e agilizar os processos administrativos da Prefeitura e modernizar os canais de relacionamento com a população, com a oferta de novos serviços eletrônicos. “Nossa intenção é acabar com os processos em papel e melhorar o tempo de resposta às solicitações do cidadão. Precisamos universalizar a oferta de serviços eletrônicos. Queremos que o cidadão possa resolver tudo pela internet e eliminar ao máximo os deslocamentos aos órgãos públicos”, informa Paulo Miranda.

Fonte: Secretaria Municipal de Comunicação Social

ICI avalia sugestões de colaboradores coletadas no Programa de Inovação da casa

Colaboradores que participaram do piloto do programa

O Programa de Inovação do Instituto Curitiba de Informática concluiu uma das etapas de seu projeto piloto com a análise das sugestões enviadas pelos colaboradores para o Banco de Ideias. Das 23 sugestões, que abrangiam os temas Acessibilidade e Solução Mobile para Cidades Inteligentes, oito se destacaram de acordo com critérios de viabilidade estabelecidos pelo comitê de Inovação.

De acordo com a coordenadora do projeto piloto, Francielle Regeane Vieira da Silva, as sugestões, em sua maioria, foram direcionadas às áreas de transporte público e mobilidade. “A partir de agora iremos analisar estas ideias para escolher as duas que mais atendem os requisitos de geração de valor e contribuição para a imagem do ICI”, explica.

Os colaboradores que integraram o piloto do Programa de Inovação – 47 profissionais – haviam participado de workshops de Criação de Ambientes de Soluções Criativas e Inovadoras. “Teremos uma nova turma no final deste mês e em seguida iniciaremos uma segunda fase do piloto, alcançando um total de mais de 70 pessoas inseridas na ação”, comenta.

Para o gerente de Sistemas, Wagner Correia, o objetivo do programa foi atingido, pois o processo de estímulo à inovação já teve início. “Ainda que as ideias não sejam implantadas de imediato, continuam a ser avaliadas e podem trazer ganhos para a sociedade e para o próprio ICI a qualquer momento”, destaca.

Fonte: Instituto Curitiba de Informática

Charles Stempniak: a relação entre inovação, empreendedorismo e cidades inteligentes

O empresário Charles Stempniak foi um dos convidados a falar sobre inovação e empreendedorismo na CICI2014 – Conferência Internacional de Cidades Inovadoras. Ele apresentou a proposta de “um software social para o hardware da cidade”. Para ele, a tecnologia da informação é muito complexa para a demanda das pessoas, está se fragmentando demais. Charles defende a simplificação da tecnologia a ponto de desaparecer e se tornar onipresente. A ideia de um aplicativo de Big Data para atender o cidadão em trinta áreas de interesse público é uma das novidades da Smart Bee, empresa concebida como rede de empreendedores e não um grupo de sócios, numa holding chamada GeneZ. Há três anos, o grupo tem gerado novos produtos como, por exemplo, o Livro Vivo da Educ, a câmera inteligente da Bee Tech e o sistema operacional urbano da Smart Bee.

Charles Stempniak é CTO da GeneZ Tecnologia da Informação, sediada no Parque de Software de Curitiba. O empresário participa dos principais movimentos representativos do setor de TI de Curitiba como Arranjo Produtivo Local de Software e Cenetic- Central de Negócios de TI e Comunicações.

Curitiba receberá grandes nomes para falar sobre inovação

Mais de 30 palestrantes nacionais e internacionais já estão confirmados para a Conferência Internacional de Cidades Inovadoras (CICI2014) e para o Fórum Internacional iCities, eventos simultâneos que acontecem nos dias 7, 8 e 9 de maio, na Universidade Positivo, em Curitiba. Com realização do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade (IBQP), Universidade Positivo e Prefeitura Municipal de Curitiba, os eventos prometem movimentar a cidade com discussões sobre inovação e cidades inteligentes.

Entre os convidados estão Catarina Selada, diretora do departamento de “Cidades & Territórios” na Inteli – Inteligência em Inovação, de Portugal; Gil Giardelli, web ativista, difusor de conceitos e atividades ligados à sociedade em rede, colaboração humana, economia criativa e inovação digital; o engenheiro industrial Marco Bravo, com 12 anos de experiência diversificada internacional e educação; e o diretor da cúpula internacional de cidades inteligentes Smart City Expo World Congress, de Barcelona, Ugo Valenti. Essas e outras referências em cidades inovadoras vão palestrar sobre os seis eixos da CICI2014, que são: Mobilidade Urbana, Infraestrutura, Tecnologias Sociais, Empreendedorismo, Viver a Cidade e Eficiência.

Em paralelo à Conferência acontece o iCities, fórum dedicado ao compartilhamento de conhecimento e aprofundamento dos temas das palestras da Conferência, por meio de debates. Serão três dias de muitas ideias e visões inovadoras para centros urbanos mais sustentáveis.

Para participar da CICI2014 e do iCities basta acessar www.cici2014.com. As incrições são gratuitas e limitadas. Confira a programação completa da Conferência e do Fórum em http://cici2014.com/programacao/.

CICI2014 – A Conferência Internacional de Cidades Inovadoras chega a sua terceira edição em 2014. Com o tema “Soluções Inovadoras para Cidades do Século XXI”, o evento receberá palestrantes e participantes do mundo inteiro para compartilhar experiências e soluções inovadoras para as cidades. As edições de 2010 e 2011 da Conferência receberam um total de sete mil pessoas em seis dias de evento – 3,5 mil em cada edição -, com cerca de 300 conferencistas e mais de 500 municípios representados.

Com base em seis eixos de trabalho, a CICI2014 terá palestras e temas que poderão ser aprofundados paralelamente no Fórum iCities, evento que também chega a sua terceira edição, agora incorporado à Conferência Internacional. O Fórum Internacional iCities tem foco na exposição de ideias sobre novas concepções de desenvolvimento urbano, baseadas, principalmente, em fatores como sustentabilidade e tecnologia.

AppMyCity! premia aplicativos que tornam cidades melhores

As inscrições para a terceira edição do AppMyCity! foram abertas nesta terça-feira, 11, e terminam em 18 de abril. Os produtos devem ser enviados para http://www.appmycity.org e podem ser feitos em qualquer idioma. O ganhador receberá a chancela de melhor aplicativo urbano do mundo, além de US$ 5 mil como apoio para o desenvolvimento da ferramenta.

O aplicativo já pode estar ativo desde que seu lançamento tenha ocorrido depois de 1º de janeiro deste ano. As versões atualizadas de programas criados anteriormente também poderão ser inscritas, mas terão de ser pré-aprovadas pela New Cities Foundation. Apps em fase final de desenvolvimento só podem concorrer caso a versão final seja lançada antes de 1º de maio. O programa deve ainda ser móvel, compatível com iOS, Android, Windows Phone ou baseado na web (webware).

Leia reportagem completa no Estadão.

A viabilidade do Instituto Curitiba de Informática

Por Luís Mário Luchetta
publicado no portal Baguete

Indo direto ao ponto, a inovação concretizada por Curitiba com a criação do Instituto Curitiba de Informática – ICI, faz parte das mudanças que ocorrem no plano mundial neste início de século e do milênio, dentre as quais, talvez a mais significativa, a aliança estratégica entre Estado e Sociedade.

Isto porque, cada vez mais, nota-se a incapacidade do Estado em executar, por meios próprios, todas as políticas públicas demandadas pela sociedade. Cada vez mais a sociedade civil organizada é chamada a participar ativa e organizadamente da execução de serviços para viabilizar a máquina administrativa e a consecução das necessidades públicas.

Nesta seara, as instituições sem fins lucrativos sempre estiveram ao lado do Poder Público, numa espécie de “braço do governo”, desempenhando funções não exclusivas do Estado e absorvendo suas carências e incapacidades.
Ao final da década de 90, o terceiro setor adquire enorme relevância em razão da participação da sociedade civil na gestão pública, pois sob o manto legal, admite-se a capacidade destas de influirem concretamente nas decisões e nas atuações públicas, numa manifestação de “democracia participativa”, uma vez ultrapassada a fase da democracia meramente representativa.

Percebe-se, portanto, que não há impedimento constitucional algum à assunção a instituições sem fins lucrativos da tarefa e missão de interesse social em colaboração com a Administração Pública. Desde que cumpridos os requisitos de salvaguarda do interesse público. A cooperação é lícita e até mesmo estimulada pela Constituição da República.

Falando agora especificamente do “desenvolvimento científico, pesquisa e capacitação tecnológica nacional”, não restam dúvidas de que a tecnologia da informação representa um elemento transformador das relações entre governo e sociedade.

A Constituição Federal, no artigo 218, determina que o Estado deverá promover e incentivar a pesquisa e a capacitação tecnológicas para a solução dos problemas brasileiros e para o desenvolvimento do sistema produtivo nacional e regional.
Em seu artigo 219, reforçando o desenvolvimento de empresas nacionais na área de tecnologia, a CF disciplina que o mercado interno integra o patrimônio nacional e será incentivado a viabilizar a autonomia tecnológica do País.

O reflexo da norma acima almeja fomentar as empresas nacionais a buscar a independência em relação aos recursos tecnológicos estrangeiros, bem como a gerar capital intelectual de alto nível nas mais diversas áreas de produção industrial e comercial de tecnologia da informação e comunicação, a fim de proporcionar crescimento de toda a cadeia produtiva local, regional e nacional.
Projetos informatizados, soluções integradas de sistemas aplicativos específicos, ferramentas tecnológicas para aprimorar a gestão, etc. são assuntos estratégicos dentro de qualquer organização, seja pública ou privada, a ponto de não imaginarmos nossas vidas sem os recursos da tecnologia da informação.

Na seara do Poder Público, parece inconcebível imaginar como seria o atendimento do Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS, por exemplo, sem a existência de um sistema informatizado de dados. E as informações relativas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço? Como seriam armazenadas sem os recursos da tecnologia da informação?
Estes são apenas dois dos milhares de exemplos que nos levam a concluir que todos nós, pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, estabelecemos uma relação umbilical de dependência com os bens e serviços de TI.

Não é por outra razão que se tem dito que a TI é o “coração” das organizações. Quando mal gerenciada, a TI pode causar a paralisia da instituição ou, de modo contrário, impulsioná-la.
Sob o ponto de vista econômico-financeiro, a área de TI também releva importância em termos de contratações de soluções. Para se ter uma ideia, o orçamento total previsto para a contratação de soluções de TI para a Administração Pública Federal para o ano de 2011 foi de aproximadamente 18 bilhões de reais!

Tudo isto porque os recursos e soluções de tecnologia da Informação permitem a obtenção de ganhos de produtividade, tempo, qualidade e segurança para agregar valor aos processos de trabalho da Administração e aos serviços prestados aos cidadãos.

Sendo assim, resta evidente que a Administração está cada vez mais dependente do bom e regular funcionamento dos serviços de Tecnologia da Informação. E a tendência é de aumento dessa dependência por razões lógicas: a cada ano são disponibilizados mais serviços aos cidadãos por meio de sistemas de informática, por isto, o “e-Gov” (Governo Eletrônico) tende a se ampliar.
Lembremo-nos que, há anos, por meio da Lei nº. 7.232, de 1984, o Congresso Nacional já declarava que a Política Nacional de Informática deveria se orientar pela “natureza estratégica da informação e a influência desta no esforço desenvolvido pela Nação para alcançar melhores estágios de bem estar social”.

Além disto, releva anotar que há, no país, cerca de 1.600 organizações desse tipo em funcionamento. Elas estão em 14 estados e em cerca de 160 municípios.

No nível federal, têm destaque instituições de pesquisa incluídas no Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia, como o Instituto de Matemática Pura e Aplicada (Impa), a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), o Laboratório Nacional de Luz Síncroton, o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) e o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (no Amazonas), além da Associação das Pioneiras Sociais, gestora da Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação e Hospital Sírio Libanês.
Observa-se, pelos exemplos acima, que as organizações sociais estão disseminadas em vários setores da sociedade, realizando relevantes e imprescindíveis serviços públicos, frise-se, serviços públicos, e não uma atividade econômica qualquer.

Por outro lado, apesar de prestarem efetivos serviços públicos, as organizações não titularizam qualquer espécie de prerrogativa de direito público. Não gozam de prerrogativas processuais ou prerrogativas de autoridade, respondendo apenas pela execução e regular aplicação dos recursos e bens públicos vinculados ao contrato de gestão que firma com o Poder Público.

E Curitiba inovou ao criar o Instituto Curitiba de Informática – ICI, ainda em 1998, e essa inovação permitiu estar sediado aqui o melhor modelo de implementação de sistemas e serviços de informática pública no Brasil, que levou Curitiba a ser a cidade mais digital do Brasil e terceira cidade mais inteligente do planeta.

*Luís Mário Luchetta é presidente do ICI e da Federação Assespro

Curitiba é destaque de ranking “The 8 Smartest Cities in Latin America” de publicação americana sobre inovação

Curitiba ganha destaque em uma publicação internacional por estar entre as cidades da América Latina que são líderes no uso de tecnologia, inovação e planejamento urbano para melhorar o modo de vida dos cidadãos. A Fast Company, responsável pela publicação da www.fastcoexist.com , é um dos principais grupos de mídia do mundo a tratar de inovação, ética econômica (ethonomics), liderança e design para inspirar os leitores a criar um futuro melhor para economia e população.
No quadro abaixo, você vê a “Roda das Cidades Inteligentes” que determina a classificação dos centros urbanos que se destacam em inovação. O uso integrado da Tecnologia da Informação é um dos principais indicadores para se alcançar um bom resultado. Também pesam mobilidade, modo de vida, planejamento urbano e desenvolvimento da economia local. Veja também a íntegra da publicação em inglês.

Curitiba tem suporte da IBM no Programa Cidades Inteligentes

via Prefeitura de Curitiba

O prefeito Luciano Ducci recebeu nesta segunda-feira (23) os seis executivos do Smarter Cities Challenge 2012, programa mundial da IBM para auxiliar no desenvolvimento socioeconômico das cidades. Durante três semanas, os executivos trabalharão em ações prioritárias de Curitiba, como melhorias no trânsito e despoluição de rios.

“É um grupo com experiência internacional que contribuirá com conhecimento para que Curitiba se mantenha na vanguarda e continue sendo referência em planejamento urbano”, disse o prefeito. “Esse encontro será rico para a cidade e para os executivos”.

Curitiba foi a única cidade brasileira escolhida para participar do programa Smarter Cities Challenge deste ano. Os executivos, vindos da Alemanha, Finlândia, do Reino Unido e dos Estados Unidos, chegaram quinta-feira (19). Eles terão três semanas de trabalho, irão a campo e, por fim, apresentarão os resultados em nova reunião com o prefeito.
Leia mais…