Saúde do trabalhador e exigências do eSocial

A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) promove nesta quinta-feira (14), por meio do Grupo de Intercâmbio de Experiências em Assuntos Trabalhistas (Gietra), um encontro sobre os Aspectos do eSocial na saúde do trabalho. O evento, que será realizado no Grand Hotel Rayon, em Curitiba, será conduzido pelo médico do trabalho e coordenador corporativo da Arauco do Brasil, Marcelo Jorge Brandalize, e pelo fisioterapeuta Alison Alfred Klein.

Dando continuidade aos eventos sobre a implantação do eSocial nas empresas, anteriormente realizados na AHK, o médico e o fisioterapeuta do trabalho apresentarão os principais cuidados para cumprimento da legislação trabalhista e exigências trazidas pelo eSocial nas questões relativas à saúde do trabalhador.

Aspectos do eSocial na saúde do trabalho (AHK Paraná)

Quinta-feira, 14 de junho de 2018

Horário: 8h30 às 11h00

Local: Grand Hotel Rayon| Rua Visconde de Nácar, 1424 – Centro, Curitiba – PR

Diretoria da AHK Paraná debate perspectivas da economia para os próximos anos e Indústria 4.0

O que esperar da economia paranaense em 2018?

A Indústria 4.0 como alavanca para a retomada do crescimento – esse foi o tema do 2° Café com Jornalistas, que reuniu executivos de empresas alemãs e a imprensa paranaense, no último dia 26, em Curitiba.

O encontro foi conduzido por Andreas Hoffrichter, diretor da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), que afirmou que vivemos uma fase de disrupção na economia. “Vemos drones que fazem entregas, carros que andam sozinhos, máquinas que gerenciam a produção e a qualidade – tudo isso faz parte de uma nova etapa em que a riqueza passa a ser gerada por inovações tecnológicas radicais, suportadas por aplicações digitais como big data, cloud computing e internet das coisas. A Indústria 4.0 é fundamental para garantir a competitividade e a sustentabilidade das empresas no futuro”, afirma Hoffrichter.

Diante disso, a entidade anunciou aos jornalistas a criação de um grupo de intercâmbio com foco na Indústria 4.0. Isso deve ocorrer a partir de 2018.

Durante o evento, os desafios políticos, as oportunidades de negócios, as alternativas para exportação e os investimentos em capacitação humana também estiveram em pauta. Hoffrichter citou, ainda, algumas projeções em relação ao crescimento real do PIB de 0,5% para este ano e de 2,5% para 2018.

Sobre o crescimento real e aumento de investimentos, o diretor prevê um salto a partir de 2020/2021.

Entre os executivos presentes, que compõe o Conselho da AHK Paraná, estavam: Emerson Nogueira, diretor da OKE do Brasil; Emilio Abelenda, diretor da Kleiberit; Marcelo Fatuch, diretor do Consórcio Servopa; Wilson José Andersen Ballão, advogado fundador da Andersen Ballão Advocacia; Andreas Göhringer, diretor da AG Consulting; Hans Schorer, sócio-administrador da Termaqua e consultor do Centro Internacional de Tecnologia de Software; e Lourdes Manzanares, diretora geral Comercial e Marketing da Interprint. O COO da OKE Automotive (Alemanha), Fabian Voges, também participou do bate-papo.

AHK Paraná comemora 45 anos com jantar para associados

São quatro décadas e meia de trabalho em prol da economia paranaense. Ao longo de todos esses anos, a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha Filial Paraná foca no desenvolvimento do estado e está entre as cinco melhores e mais completas câmaras bilaterais do Brasil, agrupando empresas de capital ou know how alemão e companhias brasileiras com interesses na Alemanha. Hoje, são mais de 200 associados que englobam as mais importantes empresas de setores como o automotivo, energia, gráfica e maquinário, facilitando o diálogo entre a indústria paranaense e a alemã. E é para comemorar todo esse trabalho que a AHK Paraná prepara um jantar para associados no dia 04 de agosto, no Clube Curitibano – Sede Concórdia, a partir das 19h30.

Com um roteiro que engloba cultura, música e boa gastronomia, o jantar contará até mesmo com a apresentação do espetáculo teatral “A Loucura de Isabella”, uma divertida encenação do Grupo Arte da Comédia, companhia comandada pelo diretor italiano Roberto Innocente. Além da atração, que será apresentada após o jantar à francesa, outros momentos imperdíveis aguardam os convidados: um coquetel de boas-vindas, um brinde à ocasião e um sorteio de hospedagem no spa Lapinha também estão na programação desta noite histórica para a entidade.

Líderes assertivos, colaboradores engajados

Não é novidade que a comunicação interfere diretamente nos relacionamentos e contribui para a melhoria do clima organizacional. Mas, afinal, como a sua empresa lida com a comunicação? Como está o clima interno entre os departamentos da organização? A comunicação entre líderes e colaboradores é eficaz? Nesta terça-feira (4), a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) auxiliará as organizações para uma comunicação mais assertiva.

Na oportunidade, a psicóloga organizacional, Ana Wilges, vai aprofundar o entendimento sobre o conceito de comunicação; apresentará técnicas que favorecem o compartilhamento de informações de modo assertivo; trará algumas ferramentas de comunicação, como a DEEC (Descrever, Expressar, Especificar, Consequências), enfim, durante o encontro, os participantes terão a possibilidade de definir novas estratégias de comunicação e interação para as suas empresas.

O curso será realizado na sede da AHK Paraná, das 08h às 12h30. Mais informações e inscrições: ahkparana@ahkbrasil.com ou (41) 3323-5958.

Curso Comunicação Assertiva

Data: 4 de julho (terça-feira), das 8h às 12h30
Local: Câmara de Comércio e Indústria Brasil – Alemanha – Junto ao Clube Curitibano Sede Concórdia – Curitiba
Mais informações e inscrições: ahkparana@ahkbrasil.com ou (41) 3323-5958

“Jeitinho alemão”

Além de ser o celeiro agrícola do país, o Paraná é um importante polo industrial, que concentra boa parte de suas indústrias entre Curitiba e Ponta Grossa. A Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) representa cerca de 200 das maiores e mais importantes empresas instaladas no estado.

Neste contexto, não há dúvida que o investimento e a transferência de tecnologia compartilhados pela Alemanha contribuíram para o desenvolvimento industrial do Paraná.

A primeira economia da Europa é reconhecida pela gestão focada e disciplinada. Outras características do estilo da gestão alemã são o planejamento e a racionalidade, segundo relata o diretor da AHK Paraná e cônsul honorário da Alemanha em Curitiba, Andreas Hoffrichter.

“O que é prometido deve ser cumprido no prazo estabelecido. Disciplina é fundamental quando se trata da gestão alemã”, diz Hoffrichter. Ele afirma que o planejamento a longo prazo e a visão objetiva são outros diferenciais das empresas alemãs, que atuam no Paraná.

De acordo com o diretor da AHK Paraná, uma coisa é a empresa fazer o planejamento estratégico, a outra é executá-lo. “Os alemães têm facilidade para executar o que planejam, certamente isso é possível porque há foco, disciplina, objetividade. Além disso, os alemães são confiantes”, conta.

Na Alemanha, conforme expõe Hoffrichter, o planejamento estratégico das empresas abrange um período que varia entre cinco e 15 anos. “Temos que nos preparar para o futuro, sem planejamento não vamos muito longe”, conclui o cônsul.

O consultor alemão Heinrich Josef Taprogge, que atende empresas alemãs e brasileiras oferecendo consultoria em Gestão e Processos, menciona a objetividade, dedicação à produtividade e separação clara entre questões profissionais e pessoais, como características marcantes dos empresários alemães.

“Do meu ponto de vista, a separação entre o ‘profissional’ e a ‘vida privada’ é a diferença mais expressiva entre alemães e brasileiros. Os profissionais de uma empresa alemã, quando estão no trabalho, lidam diretamente com questões profissionais e falam diretamente sobre assuntos profissionais, são adeptos do chamado ‘go directly to the point’ e, de alguma maneira, pode-se dizer que não são tão ‘diplomáticos’ como os brasileiros nesse sentido”, esclarece.

Como elevar a competitividade industrial?

A crise econômica piorou a concorrência das empresas brasileiras e, conforme revela pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), o Brasil está menos competitivo – encontra-se em penúltimo lugar em um ranking de 18 países. Para se ter uma ideia, países como Chile, México e Peru estão à frente do Brasil. Ainda de acordo com a CNI, os países foram selecionados para pesquisa em função das características econômicas, sociais e conforme a participação no mercado internacional.

E como estimular a competitividade industrial? Investir em inovação e buscar parcerias estratégicas estão entre as alternativas. É aí que entidades e associações industriais têm um papel fundamental, é o caso da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), que busca estimular a economia de mercado por meio da promoção do intercâmbio de investimentos, comércio e serviços entre a Alemanha e o Brasil, além de promover a cooperação regional e global entre os blocos econômicos.

Segundo o diretor da AHK Paraná, Andreas Hoffrichter, a entidade é uma porta de entrada para os investidores alemães que possuem interesse em investir no Brasil.

Diferencial competitivo

As companhias que desejam se destacar no mercado devem apostar nos processos criativos e sustentáveis, afinal, a inovação traz um diferencial competitivo para o desenvolvimento da indústria. E quando falamos em inovação não podemos deixar de citar a economia alemã. “A Alemanha é uma das economias mais inovadoras do mundo, com investimentos maciços e tecnologia de ponta”, reforça Hoffrichter.

Ele acrescenta, ainda, que a Alemanha acredita no Brasil e considera o país um parceiro estratégico. “Apesar das diferenças culturais, existe uma grande afinidade entre os dois países e esse intercâmbio é sinônimo da intensificação das relações entre Brasil e Alemanha, que há mais de 100 anos é parceira de negócios do Brasil. Não é por acaso que existem mais de 1.600 empresas alemãs no país, que empregam cerca de 250 mil pessoas”, afirma.

AHK Paraná: empresas alemãs avaliam o ano que passou e comentam o que esperam para 2017

“Adotamos algumas medidas ao longo do ano para driblar o cenário econômico desfavorável, como: aumento da eficiência de produtividade, redução de custos e de perdas, abertura de novos mercados, expansão regional. O segredo foi olhar para dentro da companhia a fim de diminuir os custos e se ajustar conforme o mercado. O fato é que 2016 não foi um ano para ser lembrado na história, mas seguimos com otimismo”, o relato do conselheiro da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) e diretor-presidente da Bardusch, Andreas Göhringer, reflete o cenário de muitas indústrias alemãs instaladas no Paraná e como elas procederam em um ano de recessão, marcado pela crise financeira e política.

Segundo o diretor-presidente da Bardusch – empresa que atua no setor de limpeza e lavanderia industrial – para o próximo ano, as metas não são altas, pois a instabilidade e insegurança do momento não dão a certeza de que 2017 será um ano retomada. “Acreditamos que deve ser algo parecido com 2016”, comenta.

A CNI (Confederação Nacional da Indústria) espera que o país cresça somente 0,5% em 2017, a metade do esperado pelo governo, que projeta uma alta de 1%.

Na visão de Emerson Nogueira, que também atua no conselho da AHK Paraná e é diretor da OKE da Brasil, empresa fornecedora de componentes plásticos para os setores automobilístico e moveleiro, a partir de agora, espera-se uma estabilização do segmento automobilístico. Ele conta que, embora 2016 tenha sido um ano difícil para esse segmento, a OKE obteve um crescimento de 20%.

“Para 2017, temos vários projetos em vista e continuaremos apostando na inovação. Além disso, entraremos com novos produtos lançados na Alemanha para outros mercados, a fim de nos diferenciarmos e para encontrar novas oportunidades”, relata Nogueira.

Mesmo mais cautelosos, Göhringer e Nogueira procuram manter o otimismo assim como 55,11% das companhias industriais paranaenses de todos os tamanhos e regiões do Estado. As informações são da sondagem industrial 2016/2017 feita pela FIEP (Federação das Indústrias do Estado do Paraná) com a participação de 397 empresas.

Planejar é preciso

As ações preventivas foram um colete salva-vidas para a Kleiberit, companhia do segmento de adesivos e vernizes. “Foi fundamental ter feito um planejamento antecipado, já tínhamos um roteiro a seguir tanto em investimentos como em plano de futuro e definição de objetivos”, expõe Emilio Abelenda, conselheiro da AHK Paraná e diretor-executivo da Kleiberit.

Segundo Abelenda, mesmo que de forma mais lenta, há uma expectativa de crescimento para a companhia em 2017. “A experiência que tivemos na Europa com a crise, nos dá força para aproveitar as oportunidades que o momento oferece”, finaliza.

Empresários da Alemanha e do Brasil discutem investimentos e oportunidades de negócios no Paraná

Empresários alemães e paranaenses apresentarão suas empresas, produtos e serviços, no próximo dia 9 de novembro, em Curitiba. A ação acontecerá durante a Rodada de Negócios promovida pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná) com o objetivo de realizar novos negócios entre as empresas participantes.

O momento é propício, uma vez que o Brasil retoma a confiança e reforça a sua necessidade de atrair investimentos internacionais. As companhias alemãs vêm identificar novas parcerias, por meio de contatos individuais com empresários brasileiros.“A realização desta Rodada de Negócios mostra que o interesse pelo Brasil está despertando novamente. Sabemos da importância deste tipo de encontro para o desenvolvimento da indústria e do comécio no nosso estado”, diz o Diretor da AHK Paraná, Andreas Hoffrichter.

Historicamente, o investimento alemão no Estado é significativo. Estão instaladas aqui empresas como a Robert Bosh, Volkswagen, Bardusch, Audi, Brose, thyssenkrupp Brasil Division Steering, entre outras.

O executivo Roberto Koch, que participou da Rodada de Negócios de 2011, é testemunha da efetividade deste tipo de iniciativa. Ele conta que, durante o encontro, estreitou o relacionamento com uma empresa alemã – a Heinrichs Drehteile GmbH& Co.KG. Foi aí que a vinda da empresa para o Paraná se tornou viável. “Após dois meses do primeiro contato, fechamos uma parceria para representação. Essa parceria possibilitou o fechamento de dois grandes clientes no Brasil, o que estimulou a companhia a abrir sua filial em Curitiba. Diante da oportunidade, encerrei as atividades na minha empresa de representações para trabalhar com exclusividade para a Heinrichs no Brasil, onde estou até hoje como diretor geral”, afirma.

As empresas interessadas em participar do evento encontram o perfil das empresas alemãs e a cooperação que cada uma deseja efetivar no Brasil no site da AHK Paraná. O horário dos encontros são pré-agendados e haverá a disponibilidade de intérpretes durante todo o evento.

Rodada de Negócios com empresários alemães

Data: Quarta-feira, 9 de novembro de 2016
Local: Hotel Ramada Rayon / Rua Visconde de Nácar, 1424 (Centro) – Curitiba
Mais informações e agendamento de horário: (41) 3323-5958 ou ahkparana@ahkbrasil.com

Perfil das empresas alemãs participantes:

Premosys GmbH – Tecnologia de medição ótica para linhas de produção. Aplicação para: fabricantes de peças e acessórios para a indústria automotiva, indústria alimentícia e indústria de celulose/papel – fabricantes de plásticos.

HAAS Holzzerkleinerungs – und Fördertechnik GmbH – Fabricante de equipamento completo para reciclagem de madeira, picadores/trituradores de madeira, equipamento para resíduos de serrarias.
Clemens GmbH & Co KG – Fabricante e comerciante de máquinas e equipamentos para produção de vinho e colheita de frutas. (Tanques de aço inoxidável, plantas completas para vitivinicultura, projetos especiais para indústria).

Chemservice GmbH – Consultoria na área da indústria química (regulamentação para produtos químicos). Avaliação de riscos e representação de fabricantes de produtos químicos com origem fora da união europeia.

Chemineral Deutschland GmbH – Distribuidora de matérias-primas e produtos químicos para a aplicação industrial: adubos, matérias-primas para cosméticos, minerais para a indústria de construção.

Berger-Seidle GmbH – Desenvolvimento, fabricação, distribuição e consultoria na área de vernizes, produtos e sistemas com baixo índice de emissões e poluentes/contaminantes. Produtos para pisos de madeira: vernizes, colas, produtos de conservação (ceras), entre outros.

Berger-Lacke GmbH – Desenvolvimento, fabricação, distribuição e consultoria na área de vernizes, produtos e sistemas com baixo índice de emissões e poluentes/contaminantes. Produtos para área industrial: vernizes industriais para aplicação em produtos, equipamentos fundidos como bombas, válvulas, entre outros.

Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha debate sobre perspectivas para retomada da economia do Brasil

Para a Alemanha, o Brasil é um parceiro estratégico para negócios. Mas a crise econômica e o quadro de incerteza na politica inibem novos investimentos. Em Curitiba, a nova diretoria da Câmara Brasil-Alemanha tratou desses e outros assuntos em um encontro com jornalistas. Saiba mais na reportagem do programa de tv Valor Agregado.

Fonte: Valor Agregado

Segurança em mobilidade Como as instituições podem se proteger do sequestro de dados, pichação de sites e invasões virtuais em geral?

O Café-Palestra “Segurança em Mobilidade”, promovido pelo Grupo de Intercâmbio de Experiências em Tecnologia da Informação da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK – PR) e com a coordenação da Assespro-Paraná, trará informações para empresas que buscam soluções em mobilidade e proteção dos seus dados. O evento ocorre no dia 19 de abril, próxima terça-feira, a partir das 8h30, no Hotel Slaviero Palace.

A palestra, que será ministrada por Iberê Meireles Duarte, executivo com mais de 35 anos na área de Tecnologia, pretende trazer o conceito de mobilidade e suas utilizações, além de indicar ferramentas para a proteção de dados das empresas que, uma vez conectadas, correm o risco de invasão de privacidade, vazamento de informações, sequestro de dados, seguido de bloqueio de servidores, marcas de ataque (uma espécie de pichação de sites), entre outras formas de invasões.

Segundo Duarte, se por um lado a mobilidade trouxe mais possibilidades de acesso, por outro fragilizou a proteção. “Contudo, pela velocidade atual e alta conectividade mundial, não conseguimos retornar ao nosso escritório para obter essas informações, então, para a tomada de decisões temos que ter essa mobilidade. As respostas precisam ser em tempo real”.

Diante disso, as instituições devem buscar soluções para se proteger. De acordo com o especialista em mobilidade, não existe uma fórmula rígida, pois depende muito da operação e controle dos acessos à rede, mas o ideal é ter um bom firewall com regras rígidas de acesso ao servidor, redes separadas para acesso profissional e pessoal, aplicativos de gerenciamento dos dispositivos portáteis, aplicativos controlados, um ambiente replicado, sem se esquecer dos backups.

“Ainda indico para as empresas um estudo de políticas para controle, análise de custos e riscos, planejamento da implementação e atualização constante”, aconselha.

Iberê Meireles Duarte: Executivo com mais de 35 anos na área de Tecnologia. Trabalhou em empresas multinacionais fabricantes de computadores de grande porte, dirigiu a área de tecnologia de indústrias e hospitais. Há mais de 18 anos é responsável por uma empresa focada em mobilidade na automação de dados.

Serviço:
Assunto: Café-Palestra “Segurança em Mobilidade” – GIETI
Data/horário: Terça-feira (19 de abril), das 8h30 às 10h30
Local: Hotel Slaviero Palace
Rua Senador Alencar Guimarães, 50 (Centro) – Curitiba (PR)
Mais informações pelo e-mail: ahkcuritiba@ahkbrasil.com ou (41) 3323-5958

Assespro-Paraná vai coordenar grupo de TI da Câmara Brasil-Alemanha em Curitiba