Enfraquecido, setor de TI de Curitiba precisa de novas lideranças

2018 marca o possível retorno, na prática, de programas de incentivo ao setor de Tecnologia da Informação de Curitiba. A Prefeitura já anunciou que vai reativar o Tecnoparque, que dá incentivos, entre eles, de redução de impostos, mas que não aceita novas adesões desde a gestão anterior. A Agência Curitiba estuda formas de facilitar a entrada de novas empresas no programa e também deseja ver novamente em ação o ISS Tecnológico, que facilita compra de equipamentos com incentivo fiscal, mas esbarra em burocracia contida na legislação atual e também na exigência de aumento de carga tributária para conceder benefícios.

O empresariado local foi chamado para contribuir, apresentar sugestões, mas não tem respondido a contento. Em recente evento da associação que representa o setor, não passou de duas dezenas o número de empresas que compareceram a um importante encontro com a direção da Agência Curitiba para tratar do assunto. Foi um evento fechado, apenas par associados, que também tentou manter a imprensa à distância. Tal encontro, enfraquecido pelo número de representantes, mostrou baixa representatividade do setor de TI na capital. Este mesmo setor, anos atrás, já mostrou muita força ao ampliar os benefícios do Tecnoparque para toda a cidade e reuniu centenas de empresários para oficializar a conquista.

Com uma liderança forte e engajada e comunicação eficiente, na época, o grupo do APL de Software de Curitiba, que representa a TI da capital também criou uma Central de Negócios e até uma S/A para desenvolver projetos, compartilhar conhecimento e vender produtos e soluções em conjunto. Mas a liderança atual, que não tem poder de influência entre empresários e políticos, sofre para encher uma sala de reunião ou um auditório e perde espaço, na preferência das autoridades, para startups que têm crescido exponencialmente, gerando milhares de novos empregos, Volta, TI de Curitiba!

Empresas de tecnologia devem ser beneficiadas com investimento estrangeiro após aprovação de reformas

O consultor e professor da FGV Arthur Schuler da Igreja afirma que o Brasil vai receber uma grande soma de investimentos externos, a partir deste ano, se as reformas propostas pelo governo federal forem aprovadas. Ele apontou esse cenário favorável em palestra a empresários do Arranjo Produtivo Local de Software de Curitiba.

No seminário “Tendências Tecnológicas e Econômicas, promovido pelo Sebrae, o vice-presidente de marketing da Assespro-Paraná disse que o país está em um momento histórico. “Ou vamos tomar um remédio amargo para ter anos de crescimento ou vamos perpetuar essa crise. Tem muito capital no mundo inteiro precisando de rentabilidade. Nós precisamos de segurança de ambiente e segurança jurídica. Aprovadas as reformas, principalmente da previdência, e passada a eleição de 2018, o Brasil volta para uma retomada de crescimento muito forte, puxada por capital externo”, afirmou Arthur.

O evento também contou com palestra de Arnaldo Aimola, VP de Tecnologia e Telecom do Gartner, um dos principais institutos do mundo em consultoria para o setor de tecnologia. Para Arnaldo, os empresários do APL estão empreendendo no melhor mercado que existe, que é o de tecnologia. Mas é importante estar aberto a novas ideias. “Pequenas e médias empresas precisam se reinventar para competir com o avanço das grandes corporações que reagem à competição com as PMEs ofertando soluções em nuvem, principalmente”, comenta. “Mas a flexibilidade e a forma próxima de fazer negócios e entender o cliente ainda contam com um trunfo importante para empresas de menor porte”, acrescenta Arnaldo. “Os números do Gartner apontam para uma melhoria do cenário entre este e o próximo ano. Mas todos devem se preparar agora”, finaliza.

Rafael Greca promete apoio a setor de TI de Curitiba e sugere criação do “Vale do Pinhão”

O prefeito eleito Rafael Greca participou da reunião de governança do Arranjo Produtivo Local de Software de Curitiba, dois dias antes da eleição. Ele apresentou aos empresários do setor seus planos para a cidade e se colocou à disposição para fazer da cidade uma capital tecnológica.

Greca falou sobre a criação do “Vale do Pinhão”, em alusão ao Vale do Silício, grande centro mundial de tecnologia. Também prometeu retomar programas de incentivo como ISS Tecnológico e Tecnoparque, congelados pela gestão de Gustavo Fruet. E ainda ouviu sugestões sobre o processo de compras públicas de TI da prefeitura.

Nos últimos anos, o setor de tecnologia de Curitiba sofreu com o que os empresários classificaram como excesso de diálogo e falta de ações para o desenvolvimento do setor de TI local. Agora, o grupo espera novos avanços a partir das novas perspectivas mostradas pelo novo prefeito.

Sebrae/PR lança, em Curitiba, Programa de TI 2016

Sobreviver em um setor extremamente dinâmico e competitivo é o grande desafio das micro e pequenas empresas de Tecnologia da Informação (TI). Para auxiliá-las, o Sebrae/PR criou um conjunto de soluções para dar mais eficiência e eficácia a seus modelos de negócios, a sua gestão e aos seus processos operacionais: o Programa de Tecnologia da Informação. A edição 2016 será lançada em Curitiba, na noite da quarta-feira, dia 9 de março, no auditório do Sebrae/PR.

O evento é gratuito e tem início às 19 horas, com a palestra “Pesquisa, desenvolvimento e inovação em software e serviços de TI: decifrando o presente e fazendo prognósticos para o futuro”, ministrada por Virgínia Duarte, da Softex. Em seguida, Luiz Gustavo Comeli, gestor de Projetos APL de Software e Inovação em Ambiente de Negócios do Sebrae/PR, apresenta em detalhes as ações do programa deste ano.

Segundo Comeli, o nível de maturidade de gestão dos empresários de TI é mais elevado do que a média geral de outros segmentos. “Por isso, é necessário se trabalhar a gestão de maneira mais qualificada, pontual e individual”, justifica.

O consultor explica que o diagnóstico inicial das empresas é feito com base no Modelo de Excelência em Gestão (MEG), da Fundação Nacional de Qualidade (FNQ). “A maioria das empresas de TI fica em torno de 80 pontos, o que, para um micro ou pequeno, demonstra uma boa maturidade de gestão. Com esse resultado, percebemos que boas práticas de gestão já estão implementadas, então, passamos a fazer um trabalho mais individualizado”, detalha.

Após o diagnóstico, a consultoria do Sebrae traça um plano de ação para a empresa, focado em melhorias que devem ser implementadas ao longo do ano para alavancar o negócio. As ações são acompanhadas por um consultor e, ao final do ano, é feito um novo diagnóstico para avaliar a evolução da empresa. “O programa não entra em questões técnicas, de desenvolvimento de software, por exemplo, nosso foco é na melhoria dos processos que leva à melhoria da qualidade de gestão e, consequentemente, torna a empresa mais competitiva”, ressalta Comeli.

Programa ajudou empresa a passar pela crise

O Sebrae/PR é o principal ativador do Arranjo Produtivo Local (APL) de Software, governança que envolve mais de 100 micro e pequenas empresas do segmento de TI de Curitiba e região. O objetivo é estimular vínculos de articulação, interação, cooperação e aprendizagem entre os negócios participantes.

Foi por meio do APL que Jandir Bianco Jr., sócio-proprietário da ITSoftin, conheceu o Programa de TI do Sebrae/PR. Com 14 anos no mercado e 20 funcionários, a empresa foi uma das 28 participantes da última edição, o que lhe rendeu bons avanços em termos de gestão. “O primeiro MEG mostrava que já tínhamos um grau interessante de gestão e, no segundo, evoluímos bem, alcançando a nota máxima”, comemora.

Jandir recorda que faz questão de envolver toda a equipe nos processos, não só o setor administrativo. “Melhoramos questões de controle, organização interna. As ações também foram fundamentais para que passássemos com estabilidade por este momento econômico ruim do País”, comemora. Informações e inscrições para o evento de lançamento do Programa de TI do Sebrae/PR 2016 podem ser obtidas pelo Central de Atendimento do Sebrae/PR, no telefone 0800 570 0800.

Fonte: Sebrae/PR

Conheça os novos líderes do setor de TI de Curitiba

O setor de TI de Curitiba tem novos líderes. Marcelo Woiciechovski é o novo comandante do APL de Software, que também vai contar com Marcos Roberto Gomes e Leonardo Mack no Comitê Gestor. E Jandir Bianco Júnior é o novo presidente da Cenetic – Central de Negócios de TI. As novidades foram anunciadas na primeira reunião de 2016 do APL, que aconteceu no Sebrae.

Os empresários de TI Marcelo Woiciechovski e Jandir Bianco Júnior

Curitiba sedia 23º Encontro de Líderes de APLs de TIC do Paraná

Curitiba Cidade Inteligente: secretário Paulo Miranda apresenta programa a empresários do setor de TI

Empresários e especialistas do setor de tecnologia da informação conheceram a estratégia de Cidade Inteligente da Prefeitura de Curitiba. O conteúdo da estratégia, em especial do projeto encaminhado ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) dentro do Programa de Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos (PMAT), foi apresentado aos membros do Arranjo Produtivo Local (APL) de Software de Curitiba, em evento realizado no Sebrae.

Para viabilizar a implantação da estratégia, o prefeito Gustavo Fruet enviou mensagem à Câmara Municipal pedindo autorização para a contratação de financiamento junto ao BNDES. A previsão é que sejam investidos R$ 94 milhões nesta área até o fim da gestão.

“Queremos tornar a cidade um polo de crescimento inteligente, sustentável e socialmente inclusivo, com um desempenho de arrecadação melhor e atraindo investimentos”, afirmou o secretário da Informação e Tecnologia (SIT), Paulo Miranda. O PMAT está dividido em três áreas: infraestrutura digital, referenciamento territorial e geoprocessamento e modernização da administração municipal.

Entre os benefícios previstos pelo programa estão: a melhoria dos serviços prestados à população, o aumento da eficiência administrativa dos órgãos municipais e da atratividade de Curitiba para os investidores, além de mais qualidade na arrecadação de recursos e disponibilidade de informações aos cidadãos.

“As cidades que hoje se destacam no mundo por serem inteligentes resolveram suas questões de infraestrutura há mais de uma década. Não existe o conceito de cidade inteligente com processos de papel”, destacou o secretário.

O programa também prevê várias ações específicas para o setor da economia digital, que envolvem planejamento estratégico, oficinas de capacitação, elaboração de planos para inclusão digital, fomento à inovação tecnológica e expansão da rede urbana digital. Também está prevista a implantação de um portal de negócios e investimentos.

O encontro no Sebrae teve a presença da presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento, Gina Paladino. Ela disse aos empresários que a Prefeitura conta com o setor para detalhar e colocar em prática a estratégia de Cidade Inteligente: “Queremos ouvi-los e vocês vão nos ajudar. O sucesso do projeto depende do diálogo e da construção conjunta, até para que não haja descontinuidade do trabalho”, assegurou.

Coordenador do Comitê Gestor da APL de Software de Curitiba, Marcos Roberto Gomes explicou que as empresas precisam de segurança e incentivos para manter suas atividades na cidade. “A apresentação de hoje gerou uma expectativa enorme para nós. Queremos participar e contribuir efetivamente na consolidação desse ambiente”, disse Gomes.

Cidade Inteligente

Outras iniciativas da estratégia de Cidade Inteligente foram discutidas com os membros da APL Software. O Hackathon Curitiba, que terá sua segunda edição no final de setembro com formato inédito no país, chamou a atenção dos empresários. A matriz de inovação presente na revisão do Plano Diretor também foi apresentada pelo secretário Paulo Miranda, com destaque para a inclusão de novas dimensões da cidade, os seus espaços subterrâneo, aéreo e virtual, indo além da “cidade real” normalmente debatida.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Comissão de vereadores debate sobre incentivo ao setor de tecnologia em Curitiba

Foto: Anderson Tozato - CMC

Empresários de Tecnologia da Informação definiram como um marco para o setor a primeira reunião da Comissão de Urbanismo da Câmara de Vereadores reaizada para tratar de leis e ações que possam fomentar o crescimento, principalmente, do Arranjo Produtivo Local e do Parque de Software de Curitiba. Representantes das duas entidades e da Assespro Paraná participaram da reunião que também contou com a presença da presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento Gina Paladino e outros executivos da Prefeitura. Gina adiantou que a agência já estuda formas de garantir o desenvolvimento da área de tecnologia da capital paranaense e que novos programas devem ser anunciados até 2015.

Os vereadores da comissão assistiram a uma apresentação sobre o que representa o mercado de tecnologia na capital do Paraná e receberam reivindicações para incentivo a empresas, como Imposto Sobre Serviços de 2%, e melhorias para Parque de Software. Em nome do setor, falaram Rawlinson Terrabuio, presidente da Associação das Empresas do Parque, Marcos Roberto Gomes, coordenador do APL de Software e Marcelo Woiciechovski, da Assespro Paraná. Marcelo, que coordena as ações de políticas públicas disse que “o estreitamento da relação entre o poder municipal e o empresariado possibilita avanços para programas de incentivo como o ISS Tecnológico e o Tecnoparque e cria a possibilidade de realização de eventos e ações para promoção da TI em Curitiba”. Marcos, do APL, ressalta que “é muito gratificante ver a atenção dispensada aos empresários de tecnologia e que é uma grande oportunidade para que uma agenda com demandas possa ser trabalhada de maneira mais objetiva e efetiva”.

Fazem parte da Comissão de Urbanismo (que, agora, incorpora Tecnologia da Informação) os vereadores Hélio Wirbiski, Bruno Pessuti, Felipe Braga Côrtes, Toninho da Farmácia e o presidente Jonny Stica, que destaca o potencial de crescimento do setor de tecnologia em cidades de grande desempenho econômico como Curitiba. “A atividade voltada para serviços, especialmente na economia criativa baseada em TI, é a ponta da lança do desenvolvimento das grandes cidades”, concluiu o vereador.

Fonte: Assespro Paraná

PEIEX é apresentado a empresários do APL de Software

Empresários do Arranjo Produtivo Local de Software de Curitiba conhecem o trabalho do PEIEX no Paraná. O projeto de incentivo à cultura exportadora foi apresentado na reunião de governança do APL no Sebrae.

A Apex-Brasil conta com núcleos em diversos estados, que são responsáveis pelo atendimento às empresas. Os núcleos operacionais possuem equipes capacitadas com o objetivo de propor e implementar melhorias para o aumento da competitividade.

Saiba mais na reportagem do programa de tv Valor Agregado.

Parque de Software busca fomento e atração de novas empresas

O Parque de Software de Curitiba prepara uma série de ações em busca de fomento e atração de novas empresas. Para isso, já alterou estatuto e planeja aumentar a visibilidade em todo o estado do Paraná. Veja os planos dos empresários da associação que administra o Parque em um reportagem do programa de tv Valor Agregado.

APL de Software comemora inclusão de TI em comissão da Câmara de Vereadores

Empresários que participam do Arranjo Produtivo Local de Software de Curitiba já trabalham no sentido de reivindicar e dar subsídios à Comissão de Urbanismo e Obras, que agora também abrange TI, na Câmara de Vereadores. Essa inclusão foi aprovada, recentemente. A partir de agosto, assuntos referentes ao setor de tecnologia da capital do Paraná já começam a ser discutidos nessa comissão.

Para Marcelo Wociechovski, representante do APL e da Assespro Paraná, a iniciativa vai contribuir muito para o desenvolvimento das empresas e da economia da capital paranaense.

Acompanhe a entrevista para o programa de tv Valor Agregado.

Charles Stempniak: a relação entre inovação, empreendedorismo e cidades inteligentes

O empresário Charles Stempniak foi um dos convidados a falar sobre inovação e empreendedorismo na CICI2014 – Conferência Internacional de Cidades Inovadoras. Ele apresentou a proposta de “um software social para o hardware da cidade”. Para ele, a tecnologia da informação é muito complexa para a demanda das pessoas, está se fragmentando demais. Charles defende a simplificação da tecnologia a ponto de desaparecer e se tornar onipresente. A ideia de um aplicativo de Big Data para atender o cidadão em trinta áreas de interesse público é uma das novidades da Smart Bee, empresa concebida como rede de empreendedores e não um grupo de sócios, numa holding chamada GeneZ. Há três anos, o grupo tem gerado novos produtos como, por exemplo, o Livro Vivo da Educ, a câmera inteligente da Bee Tech e o sistema operacional urbano da Smart Bee.

Charles Stempniak é CTO da GeneZ Tecnologia da Informação, sediada no Parque de Software de Curitiba. O empresário participa dos principais movimentos representativos do setor de TI de Curitiba como Arranjo Produtivo Local de Software e Cenetic- Central de Negócios de TI e Comunicações.

Setor de TI quer participar da revisão do Plano Diretor de Curitiba

Em visita recente ao Parque de Software de Curitiba, o secretário de Informação e Tecnologia Paulo Miranda e a presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento Gina Paladino deram mais um passo importante na aproximação do setor de tecnologia da cidade com o poder público municipal. Paulo Miranda apresentou o trabalho da secretaria, que foi oficializada em abril pelo prefeito Gustavo Fruet, após aprovação da Câmara de Vereadores. Também conheceu a estrutura do Parque de Software, que ajudou a fundar e ouviu, de empresários, as reivindicações para o desenvolvimento do setor. Paerticiparam do encontro representantes do Parque de Software, do APL de Software, da Cenetic e da Assespro-Paraná. Acompanhe depoimento do secretário para o programa de tv Valor Agregado.

Gina Paladino falou sobre a revisão do Plano Diretor de Curitiba, anunciada pelo prefeito Gustavo Fruet. Os empresários já se mobilizam para contribuir com o desenvolvimento econômico da cidade com base na expansão do setor, que espera por novos programas de apoio depois da suspensão do ISS Tecnológico e do programa Curitiba Tecnoparque. Veja na reportagem para o programa de tv Valor Agregado.

Oito empresas de Curitiba se unem para criar S/A de tecnologia da informação

Empresas de tecnologia da informação de Curitiba inovam ao criar uma S/A com o objetivo de ganhar força comercial e aumentar capacidade técnica para competir no mercado nacional. A iniciativa nasceu do movimento associativista coordenado por empresários do setor na capital do Paraná. Integrantes do Arranjo Produtivo Local de Software e da Cenetic — Central de Negócios de TI, oito empresas participaram de um projeto apoiado pelo Sebrae Paraná para a criação da Vinces IT. Foram nove meses de trabalho desde o planejamento estratégico até a assinatura do contrato que formalizou a empresa.
Maurício Roberto Doebeli, presidente do conselho da Vinces IT, afirma que “a união de expertises dos participantes nas áreas técnica e comercial vai dar mais força ao grupo na relação com atuais clientes e vai gerar novos negócios com um portfólio ampliado”. “O mercado já responde positivamente `a nossa iniciativa. A meta inicial é a de se tornar referência no mercado do sul do Brasil para depois conquistar espaço em outras regiões. Mas todos nós já temos clientes importantes em grandes centros como São Paulo. A Vinces IT já conta com escritório em Santa Catarina além da sede no Paraná”.
Participam da Vinces IT as empresas GTI, NS2E, isoCRM, Lince, ITSoftin, Golden Service, BPNC e Index.

Veja depoimento em vídeo de Maurício Doebeli sobre a criação da Vinces IT.

Instituto Curitiba de Informática recebe apoio de líderes empresariais do setor de TI do Paraná

Representantes do setor de tecnologia do Paraná visitam o Instituto Curitiba de Informática e elogiam o trabalho do ICI para fazer de Curitiba a cidade mais digital do Brasil.

O diretor-presidente do ICI, Luís Mário Luchetta, recebeu nesta sexta-feira (28), representantes da Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro) – Regional Paraná e do Arranjo Produtivo Local (APL) de Software de Curitiba. O grupo conheceu as instalações do Instituto e acompanhou uma apresentação sobre os produtos, projetos e o modelo de negócios adotado pelo Instituto.

Luís Mário Luchetta destacou o papel do ICI como integrador nacional de soluções, o que possibilita a oferta de serviços de qualidade para os clientes e fomenta o desenvolvimento da indústria de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

O presidente da Assespro-PR, Sandro Molés da Silva, disse ter ficado “muito satisfeito” com a visita técnica e a oportunidade de ICI e APL conversarem. “A maioria dos empresários não conhecia a estrutura do ICI, nem a quantidade de produtos e serviços ofertados”, comentou.

Para Marcos Roberto Gomes, coordenador do Comitê Gestor do APL, “é muito importante a abertura de oportunidades dada às pequenas empresas pelo ICI”. O presidente da Central de Negócios de TIC (Cenetic), Oscar Monteiro, apoia a iniciativa: “Todos reconhecem o papel relevante do ICI na área de TIC para gestão pública.”

Rawlinson Peter Terrabuio, presidente da Associação das Empresas do Parque de Software (APS) de Curitiba, também aprovou o encontro no ICI. “Tivemos uma visão melhor sobre como o Instituto atua e se relaciona com a comunidade empresarial”, declarou.

Segundo o vice-presidente de Articulação Política da Assespro-PR, Siro Canabarro, diz que a estrutura do ICI impressiona. “Foi uma excelente visita, pois pudemos conhecer de perto a qualidade dos serviços do ICI. Aqui, tivemos o exemplo do que devemos fazer dentro das nossas empresas”, elogiou.

Fonte: Instituto Curitiba de Informática

Câmara Municipal: empresas de TI pedem criação de comissão com foco no setor

Por iniciativa dos vereadores Dona Lourdes (PSB) e Felipe Braga Côrtes (PSDB), a Tribuna Livre da Câmara Muncipal de Curitiba recebeu representantes do Arranjo Produtivo Local (APL) de Software de Curitiba. Na oportunidade, os convidados falaram da importância das empresas de tecnologia da informação (TI) para o desenvolvimento econômico da capital e pediram a criação de uma comissão permanente com foco no setor.

Cerca de 40 empresas ligadas ao setor estão reunidas no APL de Software de Curitiba. A cidade é considerada o segundo polo de desenvolvimento tecnológico do Brasil e segundo maior mercado de interesse no país para a Google, atrás apenas de São Paulo (SP). Em 2012, foi considerada pela Revista Forbes, uma das 10 cidades mais inovadoras do mundo.

Representante da entidade, Izoulet Côrtes Filho disse, ainda, que Curitiba é referência internacional no fornecimento de serviços de tecnologia e na formação de profissionais da área. “Estamos trazendo grandes empresas para cá e levando nossas empresas para o exterior. O setor de TI paga salários maiores e absorve profissionais qualificados, além de ser grande gerador de impostos”, ressaltou.

Os dados são importantes, mas, segundo o convidado, não garantem um crescimento contínuo. As empresas instaladas em Curitiba têm perdido espaço para outras capitais brasileiras, como Florianópolis (SC) e Recife (PE). “Não digo que o setor está estagnado em si, mas se olharmos à nossa volta, a taxa de crescimento dos outros setores também é superior. Portanto, precisamos reagir para crescer mais. Outras cidades crescem num ritmo muito maior que o nosso”, frisou.

Apoio do Executivo e do Legislativo

Izoulet Filho destacou, ainda, que o apoio do poder público é fundamental. Uma medida importante é a iniciativa da Prefeitura de Curitiba pela criação de uma Secretaria Municipal de Informática e Tecnologia. O projeto de lei está em tramitação na Câmara Municipal, mas para o representante da APL, o trabalho do Legislativo pode ir além da análise de matérias relacionadas ao setor. Ele sugeriu a instalação de uma comissão permanente com foco em tecnologia da informação e comunicação.

“De tudo que nos rodeia hoje, toda e qualquer parte tem uma ponta tecnológica. Participamos transversalmente de mais de 80% da cadeia produtiva. Precisamos desse reconhecimento interno, desse apoio. O futuro de Curitiba está nas nossas mãos e também está nas mãos da Câmara Municipal. Gostaríamos, imensamente, de contar com o apoio, com essa parceria, para começar imediatamente com uma ação setorial”, disse Izoulet.

Braga Côrtes corroborou a necessidade de um debate permanente na Casa. “É importante que este setor seja valorizado. A novidade é o projeto do Executivo. Aqui, nós queremos abrir o espaço para discussão do setor, talvez em formato de comissão permanente ou em frente parlamentar”, defendeu Braga Côrtes. “O fato do prefeito ter encaminhado mensagem para criação da pasta de tecnologia sinaliza que o setor precisa de incentivo”, complementou o líder da maioria, Pedro Paulo (PT).

“O apoio para nosso crescimento deve ser garantido com ações de curto, médio e longo prazo. É preciso fomentar a discussão de políticas públicas voltadas à TI”, finalizou o convidado. O debate contou, ainda, com as manifestações de Serginho do Posto e Professor Galdino, do PSDB; Helio Wirbiski (PPS) e Bruno Pessuti (PSC).

APL

O “Arranjo Produtivo Local” é uma organização de cadeia produtiva de determinado setor, liderada por empresários e que tem o apoio do poder público e de instituições de crédito, fomento, ensino e pesquisa. O APL não é cooperativa, associação ou órgão representativo. As empresas inseridas mantém atividades de articulação, cooperação e de aprendizagem. Esta organização está aberta a todas as empresas ligadas à área de TI que atuem na capital e região metropolitana.

Fonte: Câmara Municipal de Curitiba

APL de Software discute incentivos ao setor de TI com poder público

Vereador Felipe Braga Côrtes

A reunião de governança do Arranjo Produtivo Local de Software de Curitiba contou com as presenças do vereador Felipe Braga Côrtes e do diretor técnico da Agência Curitiba Armando Moreira Filho. Os dois falaram sobre formas de incentivar o desenvolvimento do setor de tecnologia da informação na capital do Paraná.

Armando Moreira Filho agradeceu a contribuição do empresariado pelo recebimento de reivindicações do setor em reunião recente com representantes de entidades locais e também adiantou que os programas ISS Tecnológico e Tecnoparque devem passar por uma remodelação. Ele adiantou que a Agência pretende participar mensalmente das reuniões do APL.

Felipe Braga Côrtes falou sobre a Lei Municipal de Inovação, que foi proposta por ele no ano passado. O vereador se colocou à disposição do APL e da Agência para debater sobre uma legislação que transfome Curitiba em um grande centro de desenvolvimento de tecnologia. E convidou o empresariado a participar de uma “Tribuna Livre” na Câmara Municipal para mostrar as ações do setor de TI.

Armando Moreira Filho, da Agência Curitiba

Agência Curitiba recebe propostas do setor de TI

Um grupo de representantes de empresas e entidades de Tecnologia da Informação de Curitiba foi recebido pela Agência Curitiba de Desenvolvimento para tratar de formas de incentivo ao setor. Estão em discussão os programas Tecnoparque, ISS Tecnológico, Parque de Software, outras formas de incentivo fiscal, capacitação, fomento, promoção. O diretor técnico da agência Armando Moreira Filho recebeu propostas elaboradas pelo empresariado para levar Curitiba a ser reconhecida mundialmente como um grande centro de desenvolvimento e de atração de negócios ligados à TI.
Participaram do encontro o vice-presidente da Assespro-PR Leonardo Matt, Marcos Roberto Gomes e Alexandre Coelho de Souza do APL de Software de Curitiba, Sérgio Trevisol da Cenetic e o coordenador do Parque de Software Jefferson Bellenda.
A Agência Curitiba tem mostrado grande interesse em em montar um plano para acelerar o desenvolvimento do setor de TI da capital do Paraná e tem contado com total apoio de empresas e instituições locais.

Entidades discutem formas de incentivo ao setor de TI em Curitiba

Representantes de empresas e entidades ligadas à Tecnologia da Informação vão elaborar uma série de propostas para a Prefeitura de Curitiba poder fomentar o desenvolvimento do setor e tranformar a cidade em uma “capital tecnológica”.

A Agência Curitiba de Desenvolvimento tem mostrado interesse nesse ramo de atividade para o desenvolvimento da economia local e já se mostrou aberta para receber a contribuição do empresariado. Saiba mais na reportagem produzida pelo programa de tv Valor Agregado.