A felicidade está ligada diretamente com o aprendizado do profissional e o lucro das empresas

Afinal, a felicidade é realmente uma aliada importante no ambiente profissional? Por que e como conquistá-la? A especialista Caroline Tormena, Coach Integral Sistêmico e Process Improve Lead at ExxonMobil, conversou com executivos em um encontro na Amcham-Curitiba, na última semana e explicou os benefícios e as diferenças de resultados gerados pelo bem-estar no ambiente profissional.

“Antes, a felicidade estava relacionada a um conceito sentimental, romântico e utópico. Hoje em dia, a felicidade é uma ciência, totalmente relacionada à nossa mente”, explica Caroline.

Abaixo, confira os principais pontos:

Prosperidade

Nossa mente é feita para nos proteger, por isso é tão difícil mudar e sair da zona de conforto. O foco negativo faz parte de um mecanismo de sobrevivência. Mas, é com o foco positivo, que prosperamos. É com ele que alcançamos maior concentração, memória, criamos, resolvemos problemas e encontramos soluções.

Aprendizado

A melhor combinação para aprendermos é: foco total, tática inteligente e uma pitada de alegria. Se você é feliz, você aprende mais.

Lucro

Uma pesquisa, publicada na Harvard Business Review by Shawn Achor, provou que a felicidade aumenta os resultados nos negócios: vendas em 37%, produtividade em 31% e acertos nas tarefas em 19%.

E como obter a felicidade?

“Temos algumas possibilidades, eu gosto de destacar o treinamento de inteligência emocional, que aumenta o engajamento e a consciência de resultados, o treinamento de liderança positiva, para empoderar as equipes com resultados e feedbacks, e a construção de relacionamentos positivos entre os colaboradores, que impacta diretamente na felicidade”, conclui a coach.

Plano previdenciário inédito da Fundação Copel reverte consumo em aportes para a aposentadoria

Entidade sem fins lucrativos que administra planos previdenciários complementares fechados, a Fundação Copel lança em junho, um conceito inédito no mercado brasileiro. É uma modalidade de previdência em que o participante pode converter em aportes para a futura aposentadoria parte de seus gastos com variados produtos e serviços.

A novidade ganhou o nome de Prevcash, ainda um projeto piloto, que será oferecido aos participantes do Plano Família da Fundação Copel. Atualmente, os clientes deste plano podem converter em desconto imediato parte de seu consumo em uma rede conveniada de produtos e serviços. Com este novo formato, quem aderir abre mão do desconto hoje para ganhar no futuro. O valor do benefício é convertido em aportes em sua poupança previdenciária, garantindo um aumento de renda mensal quando chegar a aposentadoria.

“O produto foi formatado com a preocupação foi buscar um conceito de consumo consciente”, afirma Claudia Cristina Cardoso de Lima, Diretora de Administração e Seguridade da Fundação Copel. Segundo Claudia, consumo consciente significa pensar hoje no amanhã. “Queremos ajudar os aposentados do futuro a manterem sua capacidade atual de compra, recebendo um benefício mensal maior. Nada melhor do que fazer isso utilizando parte dos gastos que já seriam feitos no dia a dia. O que vai fazer a diferença é privilegiar estabelecimentos que integrem esta rede de consumo consciente”, explica.

O impacto de uma escolha tão simples para os participantes pode ser muito grande ao longo dos anos. “Simulações realizadas mostram que, mesmo sem fazer qualquer outro aporte, o participante que consumir diariamente em estabelecimentos da rede credenciada o equivalente a um almoço e um cafezinho, por exemplo, durante 30 anos, consegue garantir um benefício mensal extra de R$ 350 por tempo indeterminado”, exemplifica Glewerson Caron, especialista em previdência, assessor da diretoria e idealizador do produto.

Embora o objetivo seja que os aportes do consumo consciente sejam um complemento para o Plano Família, o participante não é obrigado a fazer outras contribuições regulares ou esporádicas. Selecionada por georreferenciamento, a rede de parceiros da Associação dos Empregados e Participantes da Fundação Copel – AFC inclui estabelecimentos das categorias de combustíveis, alimentação, viagens, gastronomia, educação, cinema e teatro, roupas e acessórios, entre outras.

Curitiba volta a ter Tecnoparque e ISS reduzido para inovação e tecnologia

O Curitiba Tecnoparque – programa de atração de empresas de base tecnológica para a capital – será relançado nesta quarta-feira (30/5). O programa, suspenso para novas adesões desde 2013, ainda na gestão anterior, volta a oferecer desconto de 5% para 2% no Imposto Sobre Serviços (ISS) a empresas que investem em tecnologia e inovação.

Mas o benefício fiscal é apenas uma das facetas do Tecnoparque, que integra o Vale do Pinhão, o movimento de todas as áreas da Prefeitura e do ecossistema de inovação da capital para tornar Curitiba a cidade mais inteligente do país. “O programa é um dos pilares do Vale do Pinhão e é estratégico, já que incentiva a inovação e os processos de mudança tecnológica, principal força motora para o desenvolvimento econômico sustentável, com aumento da produtividade, da renda, da geração de empregos e da competitividade internacional”, argumenta Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba, órgão ligado à Prefeitura e que trabalha na atração de investimentos para a cidade e no fomento do Vale do Pinhão.

Entre as atividades incentivadas pelo Tecnoparque, estão telecomunicações, informática, pesquisa e desenvolvimento, design, ensaios e testes de qualidade, instrumentos de precisão e automação industrial, biotecnologia, nanotecnologia, saúde, novos materiais e tecnologias ambientais. Para participar do programa, as empresas devem apresentar um projeto para análise técnica ao Comitê de Fomento do Município — formado por entidades do setor público e da sociedade civil organizada (como UFPR, PUCPR, UFTPR, Fiep).

A presidente da Agência Curitiba ressalta que, além do benefício fiscal oferecido pelo Tecnoparque, a infraestrutura da cidade, a qualidade de vida e a mão de obra qualificada que sai das mais de 50 instituições de ensino superior da capital também deverão ser fatores decisivos para que novas empresas invistam em inovação e tecnologia em Curitiba. “Elas poderão se beneficiar da cultura existente na cidade, da questão urbanística e do ecossistema de inovação existente na capital para crescer e gerar novos empregos”, justifica Cris.

Enquadradas

Atualmente, 84 empresas de base tecnológica estão enquadradas no Tecnoparque, por terem aderido ao programa antes de 2013. Estima-se que elas tiveram um aumento médio de 20% no faturamento e que seus quadros de colaboradores cresceram, em média, 16% desde o lançamento do programa em 2008.

Centro médico referência nacional em pesquisas de diagnóstico voltado ao combate do câncer e de doenças cardiovasculares, a Quanta Diagnóstico e Terapia aderiu ao Tecnoparque em 2011 e, anualmente, investe cerca de R$ 6 milhões em pesquisa e inovação – recursos próprios, financiamentos e acordos internacionais. “Nosso Departamento de Inovação tem realizado pesquisas e estudos para novos protocolos nos tratamentos cardiológicos e de câncer, que estão permitindo trazer recursos de instituições internacionais para Curitiba”, conta o cardiologista João Vítola, diretor-geral da empresa, que tem acordos de cooperação com a Agência Internacional de Energia Atômica da Organização das Nações Unidas (AIEA) e também com a Sociedade Americana de Cardiologia Nucler (ASNC).

A Seccional Brasil, com sede na CIC, aderiu ao Tecnoparque em 2009 e produz estruturas metálicas e soluções para telecomunicação, iluminação e energia. Segundo Paulo Abreu, presidente da empresa, cerca de 2% do faturamento anual da companhia são investidos em inovação e pesquisa de novas tecnologias. “Só em 2017 foram destinados cerca de R$ 2 milhões, em recursos próprios, para projetos de inovação que resultaram em patentes para o Brasil”, salienta o executivo. A Seccional Brasil, que faz parte de um grupo formado por 16 empresas, ocupada uma área de 120 mil metros quadrados na CIC, onde estão os laboratórios e fábrica de estruturas metálicas.

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Doctoralia anuncia vagas em Curitiba

Plataforma abre oportunidades em diversos segmentos na capital paranaense, incluindo vagas para o programa Jovem Aprendiz. Empresa pretende chegar a 160 colaboradores até o fim do ano

A Doctoralia, plataforma líder que conecta pacientes e médicos, está crescendo no Brasil e escolheu Curitiba para sediar a empresa. Em 2017 dobrou o faturamento no país intermediando o agendamento de 200 mil consultas médicas.

Segundo Carlos Lopes, Country Manager da Doctoralia no Brasil, quando a empresa abriu seu primeiro escritório no Brasil, em outubro do ano passado, contava com 30 colaboradores e, hoje, já chega a 101 funcionários. A escolha de Curitiba como sede oficial da empresa se dá pelo atual polo industrial que foi construído na capital paraense. “Nossa expansão é uma consequência de um trabalho árduo, visando humanizar a qualidade de vida dos pacientes ao utilizar um serviço fácil e gratuito. Pretendemos chegar a pelo menos 160 colaboradores até fim deste ano”, enfatiza.

No total, estão abertas sete vagas na capital paraense distribuídas nas áreas de marketing, relações públicas, vendas e recursos humanos. Além disso, há oportunidades para o programa Jovem Aprendiz que serão anunciadas em breve, que também serão para atuação em Curitiba. “Abriremos oportunidades na área de vendas para jovens aprendizes. A criação do programa tem o intuito de tornar a empresa uma porta de entrada para o mercado de trabalho. Teremos oportunidades para jovens de 18 a 23 anos, além das vagas já anunciadas”, finaliza Rodolfo Fiorderize, gerente de Recursos Humanos da Doctoralia Brasil.

Para ter mais informações sobre as vagas abertas na Doctoralia acesse: https://www.docplanner.com/career?&loc=brazil#jobs-offers

AB2L promove 1º Meetup sobre Inovação e Tecnologia no Direito

IMG_0602

A Associação Brasileira de Lawtech e Legaltechs reuniu dezenas de pessoas no espaço JUPTER, em Curitiba. para uma conversa sobre tecnologia, empreendedorismo e investimento em inovação na área do Direito.

As mediadoras foram as advogadas Thaina Cavalcanti e Bibiana Espíndola e a Mesa Redonda foi formada por Maurício Kavinski, diretor da Preâmbulo, Dayana Dallabrida, Advogada e Consultora na Vernalha Guimarães & Pereira, Márcia Beatriz Cavalcanti, Angel Investor, empresária e PhD em inovação e Bruno Doneda, Co-Founder da Contraktor.

Maurício Kavinski mostrou como startups atuam no exterior, especialmente no Estados Unidos, em comparação com o que se desenvolve em tecnologia para o setor no Brasil. Deixou claro que há um vasto campo a ser explorado. Mas enfatizou o baixo investimento que cada advogado faz em tecnologia, anualmente, no país, algo em torno de 600 reais. O empresário também alertou que departamentos jurídicos das empresas estão cada vez mais atentos a inovações e cobram maior investimento da parte dos escritórios, chegando a internalizar demandas e soluções.

Dayana Dalabrida falou sobre advocacia para startups. Explicou que a atividade exige criatividade e atuação em equipe de diversas áreas de um escritório, saindo, muitas vezes, de uma conduta tradicional de atendimento. Ela ressaltou a importância de um retorno rápido, assertivo e simplificado para as startups.

Márcia Cavalcante apresentou o trabalho da Curitiba Angels, grupo de 45 investidores que apoiam ideias e negócios inovadores. Ela falou sobre características que marcam empreendedores de startups e negócios exponenciais que têm maiores chances de receber grandes investimentos.

Bruno Doneda tratou de contratos digitais. Disse que um contrato nativo digital nasce eletrônico, não tem papel, mas tem backup e rastreamento, facilitando ações de governança e compliance. Explicou conceitos de blockchain e mostrou o que essa novidade tecnológica pode agregar para advogados e escritórios de advocacia. No final, ao comentar sobre inovação no direito, salientou que cultura interna e falta de informação atuam contra a transformação digital.

O Meetup no JUPTER foi o primeiro da AB2L em Curitiba. A Associação tem como objetivo criar um espaço de diálogo entre as empresas de tecnologia, os advogados, os escritórios de diferentes portes, os departamentos jurídicos e as instituições jurídicas existentes para incentivar as boas práticas e contribuir com esse momento de grandes transformações tecnológicas.

Veja, abaixo, as empresas que participam da AB2L:

AB2L-RADAR-v1-07-02-2018-.001-1

Evento reúne startups de Curitiba no Engenho da Inovação

00214646

O primeiro encontro coletivo do programa “Curitiba, cidade das Startups” lotou o espaço de eventos do Engenho da Inovação, nesta quinta-feira (7/12). Mais de 100 empresas estiveram presentes e acompanharam a apresentação sobre o programa para startups, o Vale do Pinhão e ao final fizeram uma rodada de negócios entre eles.

A primeira startup a chegar no encontro e com grande expansão nos últimos meses é a Dimmi Auto, uma plataforma que conecta motoristas com concessionárias, oficinas e mais de 400 mil fornecedores de acessórios, peças e serviços relacionados aos veículos.

A ideia surgiu no começo deste ano de uma análise de mercado feita por 3 amigos, hoje sócios da empresa, que juntaram mais de 30 anos de experiência de tecnologia da informação em serviços prestados para concessionárias de veículos em uma nova solução.

A solução 100% curitibana conecta de forma inteligente, intuitiva e georreferenciada os prestadores de serviços e fornecedores com os clientes, atendendo diretamente eles por meio de chat, aplicativo de mensagem ou contato telefônico. Outro diferencial é o custo para as empresas, a assinatura mensal da plataforma custa até cinco vezes menos que os produtos que apresentam soluções mais simplificadas para o setor.

O sócio criador da plataforma Dimmi Auto ressaltou a importância do programa “Curitiba, cidade das startups” e os contatos feitos na rodada de negócios: “É muito importante esse tipo de evento para o compartilhamento de ideias e contato entre os empreendedores. Nós estamos em fase de aceleração e devemos expandir em breve, contratando mais gente”, comenta Marcos Nahon Otoni.

Novas conexões

Sobre o Vale do Pinhão e as ações previstas no programa “Curitiba, cidade das startups” o diretor técnico da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, Tiago Francisco da Silva, ressaltou as ações de fomento e conexões que estão sendo feitas para fortalecer os empreendedores e a inovação da cidade.

A Agência Curitiba deu o apoio e promoção a mais de 46 eventos de inovação e empreendedorismo até agora neste ano, a lei de inovação encaminhada à Câmara Municipal, o maior evento de cidades inteligentes do mundo que acontece pela primeira vez no Brasil e aqui em Curitiba em 2018, ações de internacionalização, os coworkings públicos, as ações de experimentação de novas tecnologias na cidade, entre outras ações. “Apresentamos e debatemos as ações de fomento a inovação e o empreendedorismo que estão acontecendo na cidade, o “Curitiba, cidade das startups” se conecta com as demais ações do Vale do Pinhão no fomento ao ecossistema de inovação da cidade”, disse Tiago.

O coworker do Worktiba Barigui Fernando Cruz, criador e desenvolvedor da plataforma meis.com.br, que divulga os trabalhos dos Microempreendedores Individuais MEIs, aproveitou o evento para trazer novas empresas para o seu sistema e fez boas conexões para desenvolver o negócio. “O evento foi ótimo para entender melhor o que vem por aí de projetos para a inovação e o empreendedorismo, além disso fiz contatos e ampliei a base de trabalho do meis.com.br”, comenta.

A participação no programa “Curitiba, cidade das startups” é gratuita e aberta a qualquer empresa ou empreendedor de Curitiba e do Brasil, para isso apenas é preciso se cadastrar no site: http://valedopinhao.agenciacuritiba.com.br/cadastre-sua-startup

Fonte: Prefeitura de Curitiba

Startup curitibana é pioneira em Cloud Corporativa

3a454c7ebd5105a2bbcf14a440555489

Com o objetivo de impactar positivamente a vida de empresas, a Winov, startup de Curitiba, oferece soluções inovadoras de Cloud Corporativo que unem alta performance, personalização e segurança. Compreendendo que o setor de serviços em nuvem é disputado por gigantes da tecnologia – como Google, Microsoft e Amazon –, a jovem empresa, fundada em 2015, estabeleceu um patamar inovador de desempenho na área. É a primeira a investir mais de 20 milhões de reais em equipamentos hiperconvergentes da Nutanix, tecnologia que dispensa o NAS (sistema de armazenamento distribuído) e reúne storage, rede e servidores em uma única plataforma.

“O ganho de performance é absurdo em comparação com os servidores tradicionais. A plataforma é baseada em virtualização de servidores, o que simplifica o gerenciamento sem perder eficiência e performance. O investimento é muito maior, quando comparado a uma infraestrutura tradicional como o NAS, mas o ganho de performance pode chegar a oito vezes o gerenciamento da estrutura, sendo mais simples e seguro”, explica Richardt Steil, chefe de tecnologia da Winov. A infraestrutura hiperconvergente da Winov foi desenvolvida com o objetivo de expandir o processo e gerenciamento interno de forma linear. “Como o sistema é integrado na plataforma, abandonando a ideia do NAS, os custos operacionais são reduzidos e o processo se torna mais simples de ser gerenciado. Sendo assim, conseguimos entregar ao cliente um serviço único e performático por custos competitivos”, completa Steil.

Para Diego Coimbra, chefe de marca e marketing da Winov, o propósito da startup é entregar a melhor tecnologia em infraestrutura e softwares aos clientes, viabilizando custos competitivos e mensais, conforme o uso do cliente. “É pelo modelo de Cloud que fazemos com que nossos clientes foquem apenas no seu core business, sem se preocuparem com performance ou questões relacionadas à demanda de altos processamentos. Nossa tecnologia permite uma alta performance sob demanda de forma escalável”, comenta Coimbra.

Com mais de 300 lojas espalhadas pelo Brasil, a grande varejista Mercado Móveis (conhecida como Lojas MM) utiliza a solução de Cloud Corporativo da Winov. Segundo Fernando Silveiro, gerente de controladoria da Mercado Móveis, a experiência que a hiperconvergência proporciona é fascinante. “Há alguns meses, quando passamos a nossa primeira grande experiência dentro da Winov e em equipamentos hiperconvergentes, nossa performance melhorou cinco vezes. Além disso, pudemos experienciar toda a agilidade e praticidade do modelo em nuvem”, completa o gerente.

Atualmente, a Winov está localizada em um amplo Data Center desde 2012. Seguindo as melhores práticas e métricas de TIER 3 em todo seu ecossistema, a estrutura é dinâmica, altamente segura, constantemente monitorada e autossuficiente em energia elétrica. Além disso, o Data Center possui uma excelente conectividade que previne acidentes envolvendo dados.

Vale do Pinhão: diretor da Agência Curitiba apresenta iniciativa a empresários do setor de TI

Tiago Francisco da Silva, diretor da Agência Curitiba, apresentou as iniciativas da Prefeitura para incentivar o desenvolvimento de um ecossistema de startups e criação de negócios inovadores na capital do Paraná. Dezenas de empresários do setor de Tecnologia da Informação acompanharam a apresentação em uma reunião na sede do Sebrae Paraná. Saiba mais sobre o Vale do Pinhão em uma entrevista em vídeo:

Comissão de vereadores debate sobre incentivo ao setor de tecnologia em Curitiba

Foto: Anderson Tozato - CMC

Empresários de Tecnologia da Informação definiram como um marco para o setor a primeira reunião da Comissão de Urbanismo da Câmara de Vereadores reaizada para tratar de leis e ações que possam fomentar o crescimento, principalmente, do Arranjo Produtivo Local e do Parque de Software de Curitiba. Representantes das duas entidades e da Assespro Paraná participaram da reunião que também contou com a presença da presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento Gina Paladino e outros executivos da Prefeitura. Gina adiantou que a agência já estuda formas de garantir o desenvolvimento da área de tecnologia da capital paranaense e que novos programas devem ser anunciados até 2015.

Os vereadores da comissão assistiram a uma apresentação sobre o que representa o mercado de tecnologia na capital do Paraná e receberam reivindicações para incentivo a empresas, como Imposto Sobre Serviços de 2%, e melhorias para Parque de Software. Em nome do setor, falaram Rawlinson Terrabuio, presidente da Associação das Empresas do Parque, Marcos Roberto Gomes, coordenador do APL de Software e Marcelo Woiciechovski, da Assespro Paraná. Marcelo, que coordena as ações de políticas públicas disse que “o estreitamento da relação entre o poder municipal e o empresariado possibilita avanços para programas de incentivo como o ISS Tecnológico e o Tecnoparque e cria a possibilidade de realização de eventos e ações para promoção da TI em Curitiba”. Marcos, do APL, ressalta que “é muito gratificante ver a atenção dispensada aos empresários de tecnologia e que é uma grande oportunidade para que uma agenda com demandas possa ser trabalhada de maneira mais objetiva e efetiva”.

Fazem parte da Comissão de Urbanismo (que, agora, incorpora Tecnologia da Informação) os vereadores Hélio Wirbiski, Bruno Pessuti, Felipe Braga Côrtes, Toninho da Farmácia e o presidente Jonny Stica, que destaca o potencial de crescimento do setor de tecnologia em cidades de grande desempenho econômico como Curitiba. “A atividade voltada para serviços, especialmente na economia criativa baseada em TI, é a ponta da lança do desenvolvimento das grandes cidades”, concluiu o vereador.

Fonte: Assespro Paraná

Agência Curitiba trava programas de incentivo ao setor de TI. Benefícios, se acontecerem, ficam para 2015

É grande a apreensão entre empresários de tecnologia da informação de Curitiba com a lentidão da Agência Curitiba de Desenvolvimento no tratamento da questão do incentivo ao setor. Desde a campanha eleitoral, a equipe de Gustavo Fruet abriu diálogo com representantes do empresariado, tem feito constantes reuniões, mas peca ao “pensar muito e agir pouco”. O que se fez, até agora, foi suspender os programas ISS Tecnológico e Curitiba Tecnoparque com base em supostas falhas na legislação. Isso foi rápido e sem muita discussão. Agora, cumpre-se um processo lento e minucioso como aqueles de editais de financiamento à inovação, bem ao estilo de quem valoriza mais a teoria do que a prática do mercado. Manual de Oslo à parte, já se fala em 2015 para o anúncio de algum plano de desenvolvimento do setor tecnológico no município. Para muitos empresários, a Agência Curitiba quer atingir um “modelo ideal”, enquanto outras grandes cidades do país e até do Paraná, como Maringá, apresentam, rapidamente, ações de incentivo e fomento aos desenvolvedores e integradores de soluções tecnológicas. Para alguns, a solução pode estar na transferência de empresas de TI para a região metropolitana de Curitiba em municípios com ISS reduzido.

APL de Software discute incentivos ao setor de TI com poder público

Vereador Felipe Braga Côrtes

A reunião de governança do Arranjo Produtivo Local de Software de Curitiba contou com as presenças do vereador Felipe Braga Côrtes e do diretor técnico da Agência Curitiba Armando Moreira Filho. Os dois falaram sobre formas de incentivar o desenvolvimento do setor de tecnologia da informação na capital do Paraná.

Armando Moreira Filho agradeceu a contribuição do empresariado pelo recebimento de reivindicações do setor em reunião recente com representantes de entidades locais e também adiantou que os programas ISS Tecnológico e Tecnoparque devem passar por uma remodelação. Ele adiantou que a Agência pretende participar mensalmente das reuniões do APL.

Felipe Braga Côrtes falou sobre a Lei Municipal de Inovação, que foi proposta por ele no ano passado. O vereador se colocou à disposição do APL e da Agência para debater sobre uma legislação que transfome Curitiba em um grande centro de desenvolvimento de tecnologia. E convidou o empresariado a participar de uma “Tribuna Livre” na Câmara Municipal para mostrar as ações do setor de TI.

Armando Moreira Filho, da Agência Curitiba

Agência Curitiba recebe propostas do setor de TI

Um grupo de representantes de empresas e entidades de Tecnologia da Informação de Curitiba foi recebido pela Agência Curitiba de Desenvolvimento para tratar de formas de incentivo ao setor. Estão em discussão os programas Tecnoparque, ISS Tecnológico, Parque de Software, outras formas de incentivo fiscal, capacitação, fomento, promoção. O diretor técnico da agência Armando Moreira Filho recebeu propostas elaboradas pelo empresariado para levar Curitiba a ser reconhecida mundialmente como um grande centro de desenvolvimento e de atração de negócios ligados à TI.
Participaram do encontro o vice-presidente da Assespro-PR Leonardo Matt, Marcos Roberto Gomes e Alexandre Coelho de Souza do APL de Software de Curitiba, Sérgio Trevisol da Cenetic e o coordenador do Parque de Software Jefferson Bellenda.
A Agência Curitiba tem mostrado grande interesse em em montar um plano para acelerar o desenvolvimento do setor de TI da capital do Paraná e tem contado com total apoio de empresas e instituições locais.

Entidades discutem formas de incentivo ao setor de TI em Curitiba

Representantes de empresas e entidades ligadas à Tecnologia da Informação vão elaborar uma série de propostas para a Prefeitura de Curitiba poder fomentar o desenvolvimento do setor e tranformar a cidade em uma “capital tecnológica”.

A Agência Curitiba de Desenvolvimento tem mostrado interesse nesse ramo de atividade para o desenvolvimento da economia local e já se mostrou aberta para receber a contribuição do empresariado. Saiba mais na reportagem produzida pelo programa de tv Valor Agregado.

Opção pela economia criativa

Fonte: www.ricmais.com.br

A cada ano, a criatividade e o capital intelectual movimentam US$ 3 trilhões em negócios e já são responsáveis por 10% da economia mundial. Para ampliar sua participação neste filão, Curitiba aposta na economia criativa, que inclui cultura, economia, tecnologia e sustentabilidade em seu leque de atividades.
“Nossa tarefa é fazer com que a cidade chegue ao modelo de Economia Criativa”, diz a presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento, Gina Paladino. A ideia é distribuir pela cidade os benefícios que até recentemente eram destinados a conglomerados. O nicho econômico planejado tem como essência a valorização da cultura, elemento presente nas 13 áreas previstas de atuação: arquitetura, publicidade, design, artes, antiguidades, artesanato, moda, cinema e vídeo, televisão, editoração e publicações, artes cênicas e performáticas, rádio e softwares de lazer e música.
Leia reportagem completa.

Blog Cenetic: Agência Curitiba recebe empresários de TI

Empresários do setor de tecnologia da informação foram recebidos pela diretora-presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento. No encontro com Gina Paladino, representantes da Cenetic, do APL de Software, do Parque de Software e da Assespro-PR apresentaram o projeto Curitiba Tech City e demandas para o fortalecimento das empresas de TI da capital paranaense. A Agência Curitiba passa por um novo direcionamento alinhado com o programa de governo do prefeito Gustavo Fruet e deve anunciar, em breve, novos projetos para o desenvolvimento econômico da cidade. Os empresários receberam de Gina Paladino um convite para participar ativamente com a equipe da prefeitura das discussões sobre o andamento de projetos como Tecnoparque e ISS Tecnológico, já existentes, e de novas iniciativas.

Fonte: blog da Cenetic

Pesquisa aponta Curitiba entre as líderes na atração de investimentos estrangeiros

Curitiba é o terceiro destino dos Investimentos Estrangeiros Diretos (IED) do Brasil e a cidade mais promissora do país, segundo pesquisa realizada com 250 executivos internacionais pela empresa de auditoria Ernest & Young. A capital paranaense atraiu 2% dos projetos estrangeiros e aparece atrás apenas de São Paulo (26%) e Rio de Janeiro (8%).

“Devemos esta posição não só pelo incentivo da redução da alíquota do Imposto Sobre Serviços (ISS), de 5% para 2%, mas principalmente por termos uma estrutura atrativa, desde a parte física até a parte de investimentos em pesquisas”, frisa Gilberto José de Camargo, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento.

A pesquisa também mostra Curitiba como a cidade mais promissora e como a quarta cidade mais atraente, ficando a frente de Belo Horizonte e Porto Alegre, que possuem o mesmo porte da capital paranaense, e se aproximando dos principais centros: São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Infraestrutura – Desde 2005, a Prefeitura de Curitiba começou a estudar a criação de um pólo tecnológico e, em 2007, criou o Tecnoparque para atrair mais indústrias e tecnologias para a cidade.

“Vivemos três momentos importantes para chegarmos ao patamar que estamos. O primeiro foi em 1970 com a criação da Cidade Industrial de Curitiba (CIC), o segundo em 1990 com a atração das montadoras e em 2007 com o Tecnoparque”, frisa Camargo.

O presidente da Agência Curitiba também ressalta como fator de atração o ISS Tecnológico, que reduz de 20% a 50% o valor do imposto para as empresas que investirem em equipamentos ou qualificação dos funcionários. A única ressalva é que os produtos ou cursos devem ser adquiridos ou realizados por empresas de Curitiba. “Com o ISS Tecnológico fazemos a economia gerar e incentivamos as empresas a estar sempre se atualizando e investindo e melhorando sua produtividade”, afirma.

Desafios: A Ernest & Young também apresenta como os maiores desafios do Brasil a mão de obra. Embora 83% dos executivos acreditarem que investir no país ficará ainda mais interessante nos próximos três anos, a qualificação profissional ainda preocupa.

“A Agência Curitiba sempre trabalhou com o tripé academia, empresa privada e setor público. A tendência é que em 2050, 75% da economia do mundo gire na prestação de serviço. Nós já estamos investindo hoje nisto, o trabalho da Agência é justamente fazer esta interface”, conta Camargo.

No Tecnoparque, as empresas se unem as academias para laçarem produtos inovadores. Neste cenário, a Agência Curitiba começa a investir para viabilizar a criação de patentes na cidade, para dar mais oportunidade de criação.

APL de Software e Cenetic reúnem 200 pessoas em comemoração de conquistas

Duzentos executivos de empresas de tecnologia da informação participaram do jantar de comemoração pelas conquistas alcançadas pelo Arranjo Produtivo Local de Software. O setor conseguiu ter os benefícios do programa Tecnoparque ampliados para toda a extensão da capital do Paraná. Entre várias vantagens, está a redução do ISS de 5% para 2%. O evento aconteceu em um grande restaurante do bairro gastronômico de Santa Felicidade. A promoção foi da Cenetic – Central de Negócios de TI e Comunicações- criada neste ano pelo APL para unir empresas em compras coletivas e venda de produtos e serviços em grupo.
O coordenador do APL de Software Leonardo Matt destacou o poder de mobilização dos empresários no sentido de reivindicar a liberação da instalação das empresas do Tecnoparque em qualquer área da cidade e não mais, apenas, nos quatro setores delimitados pelo início do projeto. E também apontou como outra grande conquista a criação da Central de Negócios.
Oscar Monteiro, presidente do Conselho da Cenetic, apresentou as primeiras negociações fechadas pela central em contratos de vale refeição/alimentação e planos de saúde. Ele convidou o empresariado a participar dessa inciativa que já conta com mais de vinte empresas de tecnologia da informação. Oscar Monteiro agradeceu o apoio da Assespro Paraná , que divide com a Cenetic as taxas de associados e comum. E também enalteceu o trabalho do Sebrae Paraná, que desenvolveu e aplicou a metodologia para criação da central.
Gilberto José de Camargo, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento , agradeceu o reconhecimento do APL e da Cenetic pelo trabalho da agência em prol do crescimento do setor de tecnologia. Ele também ressaltou que o fato de o Tecnoparque estar aberto para toda a extensão territorial da cidade já surte resultados com a procura de empresas de outras cidades, estados e países por espaços para se instalar em Curitiba. Para ele, o aumento do número de empresas de tecnologia na cidade não só compensa, mas também aumenta a arrecadação do município.
O prefeito de Curitiba Luciano Ducci também participou do jantar. Ele destacou a importância do setor de tecnologia para o crescimento da atividade econômica da cidade como um todo. Citou o fato de Curitiba ter recebido, recentemente, o prêmio de cidade mais digital do Brasil, com a melhor infraestrutura de internet. E mostrou que o imposto sobre serviços já começa a superar a arrecadação com IPTU, o que confirma a aposta em atrair cada vez mais empreendimentos voltados para prestação de serviços como TI e Comunicações.
O jantar promovido pelo APL de Software e a Cenetic teve apoio do Sebrae-PR, da Assespro-PR e do Parque de Software de Curitiba. As empresas que patrocinaram o evento foram Acom , Cesar , Cinq, Cits, Equiplano, Esat, Fbits, Horus, Mannesoft, Onda, OSM, Pelissari, Positivo, Premier IT, QLA, Sigma, Solusoft, Voxel e Wise.

Gazeta do Povo destaca ampliação do Tecnoparque em Curitiba

A ampliação dos benefícios do Tecnoparque para toda a cidade de Curitiba foi destaque na Gazeta do Povo, jornal de maior circulação no Paraná. A reportagem mostra que a cidade pode receber unidades de empresas de todo o país, o que compensaria a redução de ISS de 5% para 2% entre as empresas de tecnologia da capital do estado. Leia a reportagem…

Câmara vota hoje alterações no programa Tecnoparque

A Câmara de Vereadores de Curitiba começa a votar nesta quarta-feira o projeto que altera dispositivos da legislação referente ao programa do Tecnoparque de Curitiba. Esse programa gera benefícios para empresas de base tecnológica instaladas na capital paranaense.A iniciativa inovadora da prefeitura serviu para alavancar as atividades do setor de tecnologia da informação, um dos principais geradores de empregos qualificados na cidade. Foram definidas quatro áreas estratégicas de instalação das empresas que aderiram ao programa em busca dos benefícios concedidos pela lei. Mas o que transformou o programa em sucesso também o inviabilizou. Hoje, as áreas compreendidas pelo Tecnoparque não seriam suficientes para abrigar as empresas que já aderiram ao programa e as inúmeras que gostariam de aderir, mas não encontram espaço físico para transferência.
Preocupados com o problema e com a perda de competitividade em relação a empresas de dezenas de cidades que estendem benefícios a empresasde tecnologia, independente da região em que estão instaladas, empresários ligados ao Arranjo Produtivo Local de Software de Curitiba reivindicaram , junto `a prefeitura de Curitiba, a abertura dos benefícios do Tecnoparque `a toda cidade e não só as quatro regiões previamente autorizadas por lei. Atendendo a uma carta de reivindicação do setor, a prefeitura de Curitiba enviou para a Câmara Municipal o projeto que moderniza o Tecnoparque ao deixar as empresas de TI da cidade em condições de competir com os concorrentes instalados em outros pólos tecnológicos do Brasil. O projeto foi aprovado em três comissões, mas ainda enfrenta questionamento da oposição ao prefeito Luciano Ducci.
Vereadores que já declaram apoio a Gustavo Fruet nas eleições municipais alegam que o projeto é meramente de interesse eleitoral de Luciano Ducci. Desconhecem as necessidades de todo um setor por condições de competitividade nos mercados nacional e internacional e que esse setor gera milhares de empregos na capital do Paraná.