Beto Richa defende, na ACP, corte de gastos e descarta aumento de impostos

A Associação Comercial do Paraná (ACP) promoveu nesta quarta (23) encontro com o governador Beto Richa e o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, na sede da entidade. Na ocasião, o governador prestou conta das ações realizadas pelo governo do Estado, além de apresentar perspectivas e projetos para os próximos meses. Durante o evento, houve a entrega dos prêmios aos consumidores sorteados no programa Nota Paraná em agosto, assim como o anúncio de simplificações no processo de registro de novas empresas no Paraná, na Junta Comercial.

A iniciativa para realização do evento partiu do próprio governador, que pela primeira vez fez amplo relato do panorama da administração estadual, diretamente aos cidadãos paranaenses, ex-presidentes, conselheiros, membros do G7 e lideranças sindicais, entre outras personalidades relevantes do associativismo presentes.

O presidente da ACP, Gláucio Geara, disse que a entidade, sabendo das dificuldades vividas pelo governo, apoiou uma reforma fiscal, entretanto, sem ignorar que a mesma teria duras consequências sobre a ação empresarial. “Prevíamos, na ocasião, que também era o momento da classe empresarial mostrar que não se pode viver do presente, lembrando a prática de outros Estados, mas acreditar no futuro da estabilidade da economia paranaense”.

“Na ocasião, em contrapartida, a ACP alertou que o governo deveria assumir o compromisso de readequar sua estrutura administrativa e funcional, com a redução do tamanho do Estado”, disse. Geara advertiu que o ajuste fiscal deve ser constantemente revisado, na medida de sua importância para a retomada dos empregos e recuperação das atividades comerciais.

Durante sua apresentação, Beto Richa destacou que o governo tem aplicado medidas permanentes de austeridade, de redução de gastos e despesas do governo para conseguir ampliação do percentual de investimentos em programas e ações eficazes em prol da população. Richa descartou o aumento de impostos, dizendo que “o dinheiro dos empresários está sendo muito bem investido no Paraná”. “A receita do Estado foi ampliada em 2,5%, mas reduzimos os gastos em 7,5%, então o Estado fez a sua parte pelo setor produtivo, o que nos possibilitou hoje estar numa posição mais tranquila com relação ao resto do país”, destacou.

De acordo com os números apresentados pelo governador, os recursos aplicados no Estado passaram de R$ 2,8 bilhões em 2015, para R$ 5,8 bilhões em 2016 e R$ 7,6 bilhões em 2017 com ações realizadas, principalmente, nas áreas de educação, desenvolvimento social, saúde, infraestrutura e segurança.

Richa destacou que foram aplicados R$ 10 bilhões em educação em 2016, com o aumento de 15% sobre 2015. “O mais importante é que no ensino público investimos 35,06% das receitas. Muito mais do que manda a lei”, ressaltou. Na área da saúde, houve redução da taxa de mortalidade materna em 29%, entre 2010 e 2016, e a redução da mortalidade infantil, de 12 óbitos por mil nascidos vivos, em 2010, para 10,49, em 2016.

Beto anuncia que prêmio da Nota Paraná no Natal será de R$ 1 milhão

O governador Beto Richa disse, após a apresentação do balanço de atividades de sua administração que “os servidores públicos estaduais não podem estar insatisfeitos com os salários que recebem, atualmente entre os mais elevados do país”.

Beto adiantou ainda que o governo não tem a pretensão de “agradar a quem não quer ser agradado”, ao se referir à pressão por reajustes oriundas de alguns sindicatos de servidores, citando entre eles o sindicato dos professores.

O governador esclareceu que o compromisso essencial da administração estadual é “trabalhar para atender melhor a população de 11,5 milhões de paranaenses”, ao reiterar que o servidor “não tem o que reclamar dos salários”.

Em complemento o secretário Mauro Ricardo Costa informou que “um professor em final de carreira recebe, em média, R$ 12 mil, e um delegado de Polícia, R$ 19 mil, podendo este servidor em particular chegar a R$ 30 mil quando se aposenta”.

Ao se referir ao ajuste fiscal feito por seu governo, Beto afiançou “que o mesmo valeu a pena, mesmo com a insatisfação inicial com as medidas duras anunciadas no lançamento do programa”.

Citando a grave crise econômica que também atingiu a administração pública de vários Estados, o governador disse que “agora é o Distrito Federal quem está anunciando a necessidade do parcelamento do pagamento de salários de seu quadro funcional”, ao passo que o Paraná “na contramão da crise não só concedeu reajuste salarial, como realizou o investimento de R$ 8 bilhões, o maior programa do país”.

Explicou também que o “ajuste fiscal foi necessário porque as alíquotas de ICMS e IPVA estavam grandemente defasadas”, assegurando, no entanto, que “o dinheiro arrecadado com impostos está sendo muito bem investido”.

Na conclusão, o governador anunciou que no próximo Natal o projeto Nota Paraná, que entregou na reunião realizada na ACP os prêmios a três ganhadores, sendo o maior de R$ 200 mil para uma moradora de São José dos Pinhais, “o premio maior será de R$ 1 milhão”. Os ganhadores de agosto foram a bancária Angela Maria Ferreira da Silva, 47 anos, moradora de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba; a costureira Neusa Teresa de Marchi, 57, moradora de Cianorte (Noroeste); e o relojoeiro Jorge Picoli, de Maringá (Noroeste).

Tags , , , , , , , , .Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Os comentários estão desativados.