ACOM Sistemas melhora desempenho em cinco vezes com solução de cloud da Winov

Com foco na satisfação dos clientes, a ACOM Sistemas passou a disponibilizar o sistema EVEREST Gestão Empresarial em uma infraestrutura hiperconvergente de data center virtual fornecida pela empresa Winov.

O novo ambiente, resiliente, não fica off-line e garante processamento cinco vezes mais rápido que uma solução de cloud comum. Isso possibilita extração de relatórios, integração contábil e conciliação financeira que, geralmente, envolvem milhares de informações, de maneira muito mais eficiente.

O desempenho superior permite que a ACOM Sistemas entregue mais qualidade com preços mais atrativos em um modelo SaaS, de software como serviço. Os clientes não precisam mais gastar com infraestrutura própria de tecnologia da informação para usar o EVEREST.

“Nosso sistema roda no que há de melhor em soluções de cloud computing. Contamos com equipamentos de missão crítica hiperconvergente com tecnologia Nutanix, que garantem alta performance. Podemos multiplicar o número de clientes sem aumentar o investimento.”, explica Eduardo Ferreira, Diretor Operacional da ACOM Sistemas.

Raul Cesar Costa, Chief Product Officer da Winov, ressalta que também há um grande ganho em segurança: rígidos protocolos garantem total confiabilidade e alta disponibilidade de telecom, com IP próprio, que recupera dados instantaneamente quando, por exemplo, é mudada a rede em que se trafega.

“Outra facilidade está no atendimento. Nossos clientes podem, literalmente, bater na nossa porta, a qualquer momento, em busca de suporte. Para a equipe da ACOM, que fica a poucos metros da Winov, na cidade de Curitiba, a comodidade é ainda maior”, comenta Raul.

Eduardo Ferreira acrescenta que a ACOM Sistemas busca inovação contínua para que possa melhorar o desempenho dos clientes com uso de tecnologia e adianta: “já estamos estudando o que mais pode ser oferecido de benefícios além do ERP na nuvem”. Mais uma vantagem para a ACOM Sistemas foi a de se tornar, também, provedora de nuvem ao participar de um programa de canais oferecido pela Winov.

Celepar recebe certificação internacional de segurança do Data Center

A conquista da certificação internacional “Tier III” que a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) obteve junto ao Uptime Institute, atestando o padrão de segurança do Data Center Corporativo do Governo do Paraná, recebeu uma placa com o selo constructed facility (simultaneamente sustentável) nesta terça-feira (24), durante a cerimônia de aniversário de 51 anos. O Data Center, inaugurado em 2013 pelo governador Beto Richa, é a mais importante obra da história da companhia, pioneira entre as empresas brasileiras de informática pública.

A certificação, como explicou o presidente Jacson Carvalho Leite, demonstra que o projeto, desde sua concepção, execução e entrada em operação, foi tratado dentro de critérios que permitiram a certificação, “do mais moderno data center público do país”. O selo, segundo Leite, reflete o alto grau segurança do processo de armazenamento e tratamento dos dados do Governo do Estado e dos cidadãos paranaenses, que ocorre por meio de mais de 900 sistemas que rodam nos computadores da companhia.

Modernização

O governador Beto Richa foi representado na cerimônia pelo chefe da Casa Civil e presidente do Conselho de Administração da Celepar, Eduardo Sciarra, que destacou o papel fundamental da empresa na modernização da gestão do Estado. Ele lembrou, entre outros exemplos, o término das filas de caminhões no Porto de Paranaguá, a Delegacia Eletrônica e o Boletim de Acidentes de Trânsito Eletrônico Unificado (Bateu), soluções que facilitam a vida do cidadão e que foram desenvolvidas pela companhia.

Ainda na linha de modernização dos serviços públicos, Sciarra citou o Detran Fácil, portal que evita que usuários gastem horas preciosas na espera por atendimento no balcão do órgão, além dos cases de Business Intelligence (BI), hoje em número superior a 500, importante suporte aos gestores na tomada de decisões e controle dos recursos públicos. Como destacou o chefe da Casa Civil, as áreas de saúde e educação, duas das grandes prioridades deste governo, também avançam em razão do trabalho conjunto com a Celepar no desenvolvimento de soluções tecnológicas.

Sciarra destacou outros dois fatos que, na visão dele, marcam também de forma positiva os 51 anos, como a atuação da Celepar junto aos municípios paranaenses, por meio de um cardápio de sistemas à disposição das prefeituras, e o prestígio da companhia que ultrapassa fronteiras, permitindo que soluções em tecnologia desenvolvidas no Paraná ajudem administradores públicos pelo Brasil afora.

“Hoje, o governo eletrônico é uma realidade graças ao esforço dos colaboradores da empresa e de investimentos substanciais autorizados pelo governador Beto Richa, um entusiasta da tecnologia a favor da sociedade. Tudo isso é motivo de orgulho. Orgulhem-se de tudo que estão fazendo e sigam nesta trajetória vitoriosa da Celepar”, finalizou Eduardo Sciarra.

Tier III

A certificação é um processo de auditoria por um órgão competente internacional que atesta que o projeto e as instalações atendem a padrões de disponibilidade para o ambiente, de forma a garantir, em nível de infraestrutura, os serviços prestados pelo centro de dados. “Uptime” pode ser traduzido em português para algo como “tempo em atividade”. É a quantidade de tempo que um sistema de computador está ligado e desempenhando atividades sem descontinuidade deste estado de operação, ou seja, de forma ininterrupta.

As classificações “Tier”, de I a IV, foram criadas para descrever, de modo consistente, o nível de exigência requerida de infraestrutura local destinada a manter um data center. A classificação III, de acordo com a norma, é uma das mais completas, com apenas 10 empresas nacionais certificadas, das quais duas públicas, o Tribunal de Justiça do Espírito Santo e agora a Celepar. E o nível IV só foi conquistado por um banco privado no Brasil.

Para a Celepar, como lembrou Jacson Leite, a importância de uma certificação do novo ambiente de data center em critérios de desempenho padrão “Tier” é garantir ao Governo do Estado e à população um elevado nível de disponibilidade da infraestrutura na prestação dos serviços. Desde 1993 o Uptime Institute é um consórcio de empresas que presta consultoria e serviços, incluindo seus sistemas de certificações em camadas padrões “Tier” de data centers.

Data Center

Nesta gestão, a Celepar executou o maior projeto de modernização de toda sua história de 51 anos. A companhia construiu um centro de dados que opera ininterruptamente 24 horas ao dia – uma sala cofre segura – no qual estão armazenados os dados do Governo do Estado e do cidadão paranaense.

O ambiente, inaugurado em 2013 pelo governador Beto Richa, conta com 270 m2, incluindo uma área principal e uma área exclusiva para serviços de certificação digital. Algumas das vantagens: segurança física, controle da umidade e da temperatura, acesso restrito, detecção e combate automático de incêndio, monitoramento eletrônico e redundância de comunicação. Equipamentos de alta tecnologia e geradores próprios de energia determinam a segurança da informação e a alta disponibilidade dos serviços prestados pela Celepar aos órgãos da administração estadual.

Revolução Digital

Na manhã de hoje (24), em reunião presidida pelo diretor geral da Casa Civil, Alexandre Teixeira, realizada no Gabinete de Gestão e Informações (GGI), no Palácio Iguaçu, com a presença da diretoria da Celepar e de diretores gerais da secretariais, ocorreu a palestra Revolução Digital, com o vice-presidente da área de pesquisas do Gartner Group, Álvaro Mello. O evento também integrou as comemorações dos 51 anos da empresa.

Dentre os temas abordados, estavam tendências tecnológicas, orientações para tomadas de decisão em companhias privadas e, principalmente, a preparação para a internet das coisas, bem como a aplicação da mesma em modelo de negócios. “Quando uma empresa financeira oferece seguro com um dispositivo de monitoramento de seu carro, isso já é um cenário de negócio digital. A palestra aponta o que isso significa para diversos setores empresariais, não há o certo ou o errado, e sim, a experimentação,” afirmou Mello.

A principal mensagem, como deixou claro Mello, é que a nova realidade requer experimentação diante das incertezas. Isso, segundo ele, exige mudança de governança e tolerância de erros. A mesma palestra foi ministrada no início da tarde de hoje (24) aos empregados da companhia.

Álvaro Mello agradeceu o convite para realizar a palestras. “Além de parabenizar a companhia, que já possui uma história de sucesso e emprego de inovação, desejo que a experiência tenha continuidade e seja perpetuada”.

Celepar Cidadã

Dentro da programação de aniversário, a empresa realizou ainda um curso de acesso à internet e redes sociais, destinado aos terceirizados. Durante seis dias e com duração de duas horas diária, de 16 a 23 de novembro, um grupo de 20 pessoas parou para ter, em sua quase totalidade, o primeiro contato com o computador e com o universo da internet.

É o caso de Lilian Fernandes que, em nome da turma, participou da solenidade de 51 anos. Ela recebeu o certificado das mãos do presidente Jacson Carvalho Leite. “O curso foi muito bom, os professores também. É um privilégio representar o grupo de terceirizados, agradeço esta oportunidade dada pela empresa”, disse ela.

A capacitação gratuita já atendeu uma população de mais de duas mil pessoas com idade superior a 60 anos em Curitiba e em 30 cidades do interior do Paraná, dentro do programa de inclusão social da pessoa idosa coordenado pela companhia, somente nestes dois últimos anos.

Em parceria com os municípios, são realizados cursos de 12 horas/aula, nos quais os alunos aprendem noções básicas do computador, com ênfase na navegação pelo universo virtual. Cada participante cria seu endereço eletrônico e seu perfil nas redes sociais.

Homenagem aos empregados

Um momento importante da cerimônia foi a homenagem aos empregados da Celepar, simbolizada na entrega de uma placa comemorativa pelo presidente Jacson Leite à empregada mais antiga Shiguemi Tsutiya, que completou 49 anos de serviços prestados. “A Celepar é a minha segunda casa. Só tenho a agradecer tudo o que ela me proporcionou e ainda proporciona, inclusive com o incentivo ao estudo. Vi de perto todo o crescimento dela, me sinto muito bem aqui”, declarou Shiguemi.

Mais de 40 empregados foram homenageados, dentre eles o diretor de Tecnologia da Informação e Comunicação, Danilo Scalet, que completou 35 anos. “Minha história na companhia é uma experiência de vida importante. Não me esqueço do primeiro dia na empresa, foi também o dia do nascimento da minha filha, um duplo nascimento. São 35 anos que me permitiram amadurecer profissional e pessoalmente. Afinal, esses anos tiveram uma influência muito grande também na minha vida familiar. Passei por múltiplas tarefas aqui dentro e considero a Celepar uma empresa de oportunidades”, ressaltou o diretor.

“Hoje, o governo funciona através dos serviços da Celepar e esse é a maior conquista que posso dizer que tivemos: manter o espaço e a credibilidade através da boa prestação de serviços. É uma conquista da empresa e das pessoas que por aqui passaram e deixaram a história da Celepar muito mais rica”, completou Scalet.

Depoimentos

“Tenho orgulho de estar há 15 anos na Celepar. Trabalhei em diversas áreas e isso me permitiu ter uma visão mais abrangente do funcionamento da empresa, dos processos, do todo. Aqui fiz muitos amigos, construí minha base profissional.15 anos é muito tempo! São muitas histórias, muitas emoções”.

Gilsemara Priandi, 15 anos de Celepar.

“Foram 15 anos de muitas experiências! Algumas boas…. algumas ruins…, mas que com certeza foram muito proveitosas! Pode-se comparar todo esse tempo com um relacionamento duradouro, um relacionamento de confiança e desconfiança! Vi muita gente passar por aqui e deixar seu rastro…. às vezes bom, para ser seguido…. e as vezes ruim… para ser esquecido… ou ao menos deixado num canto qualquer…Celepar e eu fomos e ainda somos parceiros…. com muitos percalços… mas com a esperança de que com a ajuda mútua tudo poderá e irá melhorar! Agradeço a Celepar por ter me acolhido… e que ela continue acolhendo os muitos que ainda virão”.

Laércio Toaldo, 15 anos de Celepar.

“Nos dias de hoje, acho que poucas pessoas completariam 25 anos de casa. É uma emoção muito boa, pois tudo o que tenho vem do meu trabalho, sempre contando com a Celepar”.

Eliana Teresinha dos Santos, 25 anos de Celepar.

“Não vi todo esse tempo passar, a Celepar sempre foi e sempre será a extensão da minha casa. Me sinto extremamente realizada”.

Beatriz Alcântara, 30 anos de Celepar.

“São 30 anos de dedicação, vestindo a camisa desta maravilhosa empresa”.

Denis Orlei Moro Junior, 30 anos de Celepar

“Numa trajetória tão longa, não é possível afirmar que tudo foram flores. Com certeza muitas pedras tiveram que ser retiradas ou contornadas.
Mas durante 35 anos, acreditei nesta empresa como base para meu sustento e dos meus filhos, me dando condições plenas de me realizar como profissional e como ser humano. E agora, olhando para trás, contando mais flores do que pedras, vejo que valeu a pena seguir por este caminho, que é parte mais importante da jornada de nossa vida…”.

Tânia Volkmann, 35 anos de Celepar.

“É uma soma de conhecimento geral, já estive em vários setores e me fixei na COSAD. Me sinto muito bem aqui”.

Josué Machado, 40 anos de Celepar.

Cássio Cardoso, da Qualityware, explica porque eficiência de TI domina cenário mundial de Data Center

Cássio Cardoso, CTO da Qualityware Informática, participou, recentemente, nos Estados Unidos, da 10ª edição do Uptime Symposium. O Uptime Institute, que organiza o evento, é uma instituição de aconselhamento focada na melhoria do desempenho dos negócios de infraestrutura de Tecnologia da Informação e Comunicação com base em inovação, colaboração e certificações.

Neste ano, fica claro o foco dos players do mercado de Data Center na eficiência de TI, buscando soluções inovadoras para gerenciar redução de consumo de recursos. “Há uma busca intensa por eficiência desde concepção de projeto, passando por implementaçãoo, operação e manutenção para redução de custos e sustentabilidade”, resume Cássio.

O Vale do Silício mostra dois bons exemplos. O Vantage Data Center, cujo projeto físico contribui para grande parte dos padrões de energia eficiente, é a maior instalação LEED Platinum de Data Centers da América do Norte. Conta com instalações de refrigeração, baseadas em “free cooling” com extensas câmaras que fazem a captaçãoo, filtragem e circulação forçada do ar quente e frio para a sala de servidores. Quando a temperatura externa não está adequada para o free cooling, entra operaçãoo o sistema de água gelada baseado em chillers. Outro bom exemplo está na CenturyLink, que tem quatro de seus 60 Data Centers globais em Santa Clara, na Califórnia, grande centro de tecnologia perto de San Francisco. Em mais de 45.000 m2 de espaço de colocation combinado, os quatro Data Centers fornecem espaço, energia, rede e segurança para um grande crescimento na região com impacto global. Atendendo muitos padrões de conformidade-chave e com selo de certificação do Uptime Institute M & O Stamp, é um grande centro de excelência operacional, protegido por métodos rigorosos de detecção de incêndios e de supressão em medidas de segurança física e biométrica em vários níveis.

Cássio Cardoso afirma que “acompanhar tendências e ver o que há de melhor dos Data Centers em operação no mundo é muito proveitoso para que melhores práticas possam ser implementadas aqui no Brasil, de acordo com nossas necessidades locais. O grande aprendizado está na importância dos processos de operação, manutenção e monitoramento nas partes ambiental e de energia, algo ainda incipente no Brasil e que pode ser explorado com mais intensidade. No case do “free cooling”, que requer grandes áreas, a solução poderia estar em pequenas máquinas híbridas, exemplifica o diretor da Qualityware Informática.

Outro ponto que chama a atenção do mercado á computação em nuvem, que influencia em aspectos como disponibilidade, compliance, necessidade funcional, segurança, valor, escalabilidade, elasticidade, inovação e flexibilidade. Muda também a conectividade com cargas se movendo internamente, forçando aumento de resiliência e mudando a confiança, exigindo instalações com certificações para atender grandes demandas e provocando oscilações que levam a um superdimensionamento.

Mas, para todos os grandes exemplos que os Estados Unidos mostram, lembra Cássio, “é importante salientar que os americanos contam com uma rede de telecom muito robusta em termos de qualidade, disponibilidade e velocidade para que a infraestrutura de TI possibilite um grande giro da economia local com base no melhor uso dos avanços proporcionados pela tecnologia”.

Qualityware acompanha tendências e avanços em Data Centers no Uptime Symposium 2015 nos EUA

A Qualityware participou, com seu Diretor Técnico Cássio Cardoso, do simpósio sobre Data Center, organizado pelo Uptime Institute (Uptime Symposium 2015 – http://symposium.uptimeinstitute.com/).

A participação representa a constante busca da Qualityware por novas tecnologias na área de infraestrutura em TI, além de discussões sobre eficiência energética e redução de custos operacionais nesta área.

Segundo Cássio Cardoso, “este simpósio mostra os avanços em pesquisas em busca de melhores tecnologias, que visem principalmente à eficiência e rentabilidade para as empresas que possuem data centers”. O simpósio tem por objetivo também compartilhar conhecimentos e discutir de que forma a indústria de TI pode cumprir suas metas coletivas de desempenho e disponibilidade. Com o crescente aumento da dependência em serviços de TI, o grande desafio debatido neste evento é como manter rápido crescimento da infraestrutura em TI aliado a baixo custo e diminuição de pessoal.

Para 2015, o Uptime confirmou a participação das maiores empresas globais do mercado de data center. Foram mais de 120 apresentações ao todo com participantes de mais de 30 países e 1500 inscritos.
Alguns executivos sênior de operações de grandes infraestruturas em TI participaram de mesas redondas e debates, além de líderes de organizações ambientais.

Ainda neste evento, os participantes visitam Data Centers considerados modelo, tais como Vantage Data Center considerado US Green Building Council 2012 e Century Link certificado e aprovado pelo Uptime Institute até 2017. Nestas visitas técnicas, o objetivo é aprender mais sobre eficiência energética destes locais, que possuem foco em sustentabilidade e energia verde.

Gartner anuncia que o mercado mundial de servidores cresceu 4,8% no último trimestre de 2014

O Gartner Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, anuncia pesquisa com os números globais do mercado de servidores. Segundo levantamento, o segmento cresceu 4,8% no quarto trimestre de 2014 em relação ao mesmo período do ano anterior, e 2,2% no ano. As tendências desse mercado serão apresentadas durante a Conferência Infraestrutura de TI, Operações e Data Center, evento que ocorre nos dias 7 e 8 de abril (Terça e Quarta-feira), no Sheraton São Paulo WTC Hotel.

“Os fatores responsáveis pelo crescimento do mercado de servidores em 2014 são muitos”, diz Jeffrey Hewitt, Vice-Presidente de Pesquisas do Gartner. “Observamos um crescimento global do mercado, mesmo com as quedas registradas nas plataformas mainframe e Unix. Mundialmente, o mercado de servidores x86 foi impulsionado pelo aumento de equipamentos em centros de dados e em instalações de provedores de serviços”, explica o analista.

No quarto trimestre de 2014, as regiões com maiores taxas de crescimento em remessas individuais foram Oriente Médioe África (10,7%), Ásia/Pacífico (9,1%) e América do Norte (7,6%).
A HP liderou o mercado mundial de servidores no quarto trimestre de 2014. Embora tenha crescido apenas 1,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, a empresa encerrou 2014 com uma receita de US$ 3,9 bilhões e com 27,9% de participação no mercado mundial. A IBM teve um declínio de 50,6%, enquanto a Lenovo apresentou um forte crescimento de 743,4%. As mudanças significativas nas taxas de crescimento da IBM e da Lenovo devem-se à conclusão da venda dos servidores x86 da IBM para a Lenovo no quarto trimestre.

Acesse http://www.gartner.com/newsroom/id/2997118 para obter mais informações sobre a pesquisa sobre o mercado de servidores produzida pelo Gartner

As inscrições para a Conferência Infraestrutura de TI, Operações e Data Center podem ser feitas por e-mail brasil.inscricoes@gartner.com, pelos telefones 0800-7441440 e (011) 5632-3109, ou pelo site: http://www.gartner.com/technology/summits/la/data-center-brasil/about.jsp

Anote em sua agenda:

Conferência Gartner Infraestrutura de TI, Operações e Data Center
Data: 7 e 8 de abril de 2015 (Terça e Quarta-feira)
Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Av. das Nações Unidas, nº 12.559

Oracle ajuda a reduzir os custos e a complexidade dos datacenters com Engineered Systems de última geração

Novos appliances integrados agregam maior valor comercial, reduzindo os custos de TI

• Em um evento realizado na última quarta-feira, Larry Ellison, presidente executivo do Conselho e CTO da Oracle descreveu a estratégia da empresa para reduzir os custos e agregar mais valor para os clientes com uma nova geração de Engineered Systems, que incluem o novo Oracle Virtual Compute Appliance X5, Oracle FS1 Series Flash Storage System e a sexta geração do Oracle Exadata Database Machine X5.

• Os appliances integrados da Oracle são simples de usar e vêm prontos para implementação em produção. Os especialistas da Oracle integram, otimizam, automatizam, testam, aplicam patches e dão suporte à pilha completa de software e hardware, reduzindo significativamente os custos para o cliente. Até o momento, mais de 10 mil unidades já foram entregues, pois clientes Oracle no mundo todo estão adotando os Engineered Systems e appliances da Oracle para simplificar suas infraestruturas de TI, acelerar a implementação de aplicativos e aumentar a produtividade dos datacenters.

• “Vamos competir no segmento de centro de datacenters. Nossos appliances e Engineered Systems oferecem o mais alto desempenho por uma ampla margem e pelo preço mais baixo para um centro de datacenter. Esses produtos trazem maior agilidade ao trabalho, segurança e confiabilidade do que qualquer outra oferta da concorrência”, disse Ellison. “Nossos clientes querem que seus datacenters sejam o mais simples e automatizados possível. Com alguns Engineered Systems e appliances da Oracle você pode pagar 50% a menos e pode estar certo de que receberá o dobro do desempenho.”

A nova geração de dispositivos integrados inclui:

• Oracle Virtual Compute Appliance X5: junto com o Oracle FS1 Series Flash Storage System, o Virtual Compute Appliance fornece um sistema de infraestrutura completo e convergido. Implementado em questão de horas, esse sistema pode reduzir drasticamente o custo, o risco e o tempo de gestão e gerenciamento, além de oferecer aos clientes a capacidade de reduzir facilmente em até 70% a complexidade da infraestrutura, implementar aplicativos com velocidade 7x maior e cortar em 50% os gastos com bens de capital. Comparado ao Cisco com EMC, o Virtual Compute Appliance é 50% mais barato e fácil de implementar.

• Oracle Database Appliance X5: ideal para implementações distribuídas e em filiais, o Oracle Database Appliance oferece um pacote completo de software, computação e armazenamento, capaz de poupar tempo e dinheiro, descomplicando a implementação, a manutenção e a capacidade de comportar diferentes cargas de trabalho de bancos de dados e aplicativos. O Oracle Database Appliance X5 adiciona cache em flash, conectividade InfiniBand integrada, aumento do número de núcleos e da capacidade de armazenamento para melhorar em até 4x a densidade da consolidação.

• Oracle Big Data Appliance X5: oferece amplos recursos Hadoop e NoSQL com segurança para as empresas por um TCO (custo total de propriedade) 35% menor e com tempo de implementação 30% mais rápido que o de um cluster sob medida. Para throughput (taxa de transferência) mais rápida e menor custo, o novo appliance vem com o dobro de RAM e 2,25x a mais de núcleos de processadores. Também disponível no Oracle Big Data Appliance, a nova versão do Oracle Big Data SQL estende o Oracle SQL ao Hadoop e NoSQL, permitindo aos clientes usar um rápido mecanismo de consulta SQL em todos os dados sem alterar os aplicativos.

• Oracle Zero Data Loss Recovery Appliance X5: uma revolucionária solução de proteção aos dados integrada com o Oracle Database, que elimina a exposição à perda de dados para todos os bancos de dados Oracle, com o mínimo impacto aos ambientes de produção. Lançada hoje, esta nova versão oferece processadores mais rápidos e até 30% de capacidade expandida em um único rack, proporcionando recuperação mais rápida, aumento da throughput e consolidação aprimorada dos backups dos bancos de dados.

Sexta geração do Oracle Exadata Database Machine X5

A sexta geração do Oracle Exadata Database Machine é a plataforma de melhor desempenho pelo menor custo para executar o Oracle Database. A arquitetura do Oracle Exadata comporta servidores expansíveis (scale-out) tanto para bancos de dados como para armazenamento inteligente, além de rede InfiniBand de alta velocidade. O Oracle Exadata X5 inclui:

• Desempenho básico mais rápido: os processadores 50% mais rápidos, a capacidade máxima de memória 50% maior e flash mais rápido e maior aumentam a performance geral.

• Servidor de armazenamento flash extremo: o recém-lançado servidor de armazenamento all-flash usa os ultrarrápidos drives flash PCIe, o mais recente protocolo flash Non-Volatile Memory Express e a expansão do InfiniBand para alcançar desempenho e preço inéditos por I/O (entrada/saída). O Oracle Exadata X5-2,Oracle SuperCluster T5-8 e o Oracle SuperCluster M6-32 são Engineered Systems que podem ser configurados com servidores de armazenamento flash extremo.

• Configurações elásticas: agora é possível configurar os recursos de armazenamento e computação, e expandir um servidor de cada vez para fornecer expansão específica e on-demand por um custo menor. As configurações elásticas permitem que os clientes configurem os sistemas otimizados Oracle Database In-Memory, bem como os sistemas all-flash usados para OLTP (processamento de transações on-line).

• Compatibilidade com o Oracle VM: ambientes consolidados podem atingir um alto nível de isolamento da carga de trabalho usando o Oracle VM enquanto tiram proveito da ultrarrápida rede InfiniBand. O modelo de licenças virtuais com base em máquina reduz os custos de software.

• Recursos do novo software: o Oracle Exadata X5 traz vários novos recursos de software, como cache puro de flash em colunas, instantâneos dos bancos de dados, gestão dos recursos de cache de flash, detecção quase instantânea de desativações, limitação da latência de I/O, redução de carga das análises avançadas (analytics) de JSON e XML, e compatibilidade com o Oracle Linux 6.

• Proteção ao investimento: os atuais sistemas Oracle Exadata podem ser expandidos com novos servidores X5-2 e novos recursos de software são compatíveis com gerações anteriores de hardware do Oracle Exadata.

• Conectividade Exabus: o Oracle Exadata X5-2 aceita a conectividade Exabus nativa com o novo Oracle Exalogic Elastic Cloud X5-2 — a nova versão da máquina de middleware que oferece desempenho e escalabilidade nunca vistos para Java, Oracle Fusion Middleware e Oracle Applications, e capacitará os clientes a executar no local (on-premise) a mesma funcionalidade de IaaS (infraestrutura como serviço) e PaaS (plataforma como serviço) oferecida no Oracle Cloud.

Layout de Data Centers para novos padrões

Por Cássio Cardoso

O mundo de TI está em constante mudança e ultimamente percebe-se uma racionalização das aplicações, virtualizações de hardware e consolidação, deixando as organizações com um grande legado da parte de facilities, leia-se capacidade, que estava inicialmente em operação. Os novos servidores de alta densidade, equipamentos de rede e storage, juntamente com sistemas de infraestrutura convergente como: VCE Vblock Systems, Cisco Unified Data Center, IBM PureSystems e Dell Active Systems, significa que menos espaço será necessário para maior capacidade de processamento a ser disponibilizada ao negócio.

Com a introdução da computação em nuvem, os gerentes de Data Centers e arquitetos de sistemas não tem mais que decidir apenas qual será a melhor infraestrutura para a carga crítica de TI. Agora, eles também terão que decidir através de qual tipo de serviço poderão fazê-lo. Uma carga crítica de TI que geralmente encontra-se totalmente instalada em uma infraestrutura própria interna a empresa, que poderá ser transferida para uma instalaçãoo de colocation ou ser terceirizada através de infraestrutura, plataforma ou software como serviço (IaaS, PaaS ou SaaS).

Mesmo cargas críticas de TI mantidas internamente podem não permanecer para sempre lá, logo pode não fazer muito sentido projetar um data center para operar determinadas cargas de TI de forma interminável. Cloud está a beira de se tornar uma plataforma popular, e as organizações que tiverem construído um data center para hospedar uma aplicação específica por um longo período de tempo, podem estar em desvantagem.

Layout flexível de Data Centers

Quando você estiver projetando um data center para o futuro, considere a infraestrutura e o hardware de TI que ele suportará. Sob o ponto de vista de hardware, uma abordagem completa do gerenciamento do ciclo de vida de TI mantém uma infraestrutura dinâmica. Os ativos de hardware podem crescer e encolher conforme as necessidades de mudança, podendo-se vender o excedente de equipamentos para se recuperar alguns custos. Com determinadas políticas de licenciamento de software, existe a flexibilidade de se adquirir e dispensar licenças conforme a demanda.

As principais demandas, no entanto, giram em torno da infraestrutura. Um data center é um ativo principalmente fixo, se o data center tem 200 metros quadrados e o negócio estabelece que apenas 100 metros quadrados serão necessários para a carga crítica de TI, as paredes não podem convergir. Mesmo se metade do espaço possa ser redirecionado para outra aplicação, para um ambiente de equipes de TI por exemplo, isto soluciona apenas uma pequena parte do problema.

A infraestrutura de um data center legado tem um layout fixo para os serviços. Os quadros de distribuição elétrica do tipo PDU (Power Distribution Unit) e os sistemas de ar condicionado do tipo CRAC (Computer Room Air Conditioner) estão fixos no local. Os equipamentos UPS (Uninterruptible power systems) e os geradores auxiliares são dimensionados para se adequar ao projeto original do data center.

A seguir algumas dicas a serem consideradas no mapeamento do layout do futuro data center:

a) Planejamento do piso

O primeiro passo para iniciar a construção do futuro data center é relativo a parte arquitetônica do projeto, o ambiente físico. A localização de paredes em relação a partes estruturais e soluções de piso elevado é um aspectp muito relevante para proporcionar acréscimos ou decréscimos de área permitindo uma gestão de interferências apropriada.

b) Planejamento da distribuição elétrica e do cabeamento de telecomunicações

Tanto a distribuição elétrica quanto o cabeamento de telecomunicações devem ser super estruturados. Os caminhos de distribuiçãoo elétrica e de telecomunicações devem ser distintos e separados, projetados de uma forma que tenham acessibilidade para alterações futuras de layout.

c) Energia

Ao invés de se instalar as PDUs junto a paredes e pilares, pode-se empregar a solução de quadros autoportantes, com a chegada dos alimentadores por cima do painel. Em uma reforma a distribuição elétrica poderá ser realocada de uma forma tão flexível quanto equipamentos de TI.

Para equipamentos UPSes e geradores, planejar um sistema que permita a adição de novos módulos sem a necessidade de alterações na parte física e de distribuição elétrica.

O consumo de combustível por parte dos geradores está diretamente ligado com o nível de capacidade utilizado. Se houver subutilização de sua capacidade, ocorrerá maior consumo de combustível. Logo, as capacidades de carga de TI e potência disponível do gerador devem ser adequadas ao projeto de engenharia.

d) Planejamento da refrigeração

O emprego de uma solução do tipo free-air cooling ou outro sistema de baixo consumo de energia, reduzirá o impacto de um re-projeto de refrigeraçãoo quando o tamanho do data center for alterado. Se for combinado com abordagens efetivas de corredores quentes e frios, retornos a plenum ou dutados, o sistema de refrigeração estará adequado a necessidade, tendo-se menores preocupações com relocações de equipamentos.

Quando houver a necessidade de utilização no data center de sistemas de refrigeraçãoo baseados em unidades do tipo CRAC, escolha um sistema modular com múltiplas unidades CRAC, balanceadas e com a característica de velocidade variável.

Fonte: SearchDataCenter.com by Clive Longbottom

*Cássio Cardoso é Sócio-Fundador da Qualityware

Participe do PARANÁTIC 2014, maior evento estadual de tecnologia

O PARANÁTIC 2014 conecta você ao futuro da tecnologia. Saiba mais em www.paranatic.com.br

Inovação, marketing digital e o futuro da economia brasileira estão entre os principais assuntos a serem abordados no Paraná TIC 2014. Nos dias 30 e 31 de outubro, no Teatro da Universidade Positivo, em Curitiba, o maior evento paranaense de tecnologia da informação também vai tratar de startups, desenvolvimento de games e o ambiente de tecnologia de grandes corporações como a Itaipu Binacional. Dois palestrantes de renome nacional abrem a programação de cada dia. Uma das principais palestras vai ser do jornalista William Waack, âncora do Jornal da Globo. A outra palestra magna é do executivo de comunicação Walter Longo, com passagem em grandes corporações e autor dos livros “Tudo que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência de explicar” – Ed. Atlas” e “O Marketing na Era do NEXO – Ed. BestSeller”.

Nas demais apresentações, haverá espaço para discussão sobre gestão de vendas e serviços, comércio eletrônico, varejo e TI, internacionalização de empresas, cidades digitais, Nota Fiscal Eletrônica, mobilidade elétrica, tecnologia educacional e ações governamentais voltadas para o desenvolvimento do setor. O Paraná TIC reúne empresários de tecnologia da informação de todo o estado e também conquista a atenção de compradores de tecnologia, entidades empresariais, setor acadêmico e poder público. As inscrições podem ser feitas em www.paranatic.com.br com os seguintes valores:

Inscrição livre: R$ 300,00;
Associados ASSESPRO e APL: R$ 200,00;
Estudantes e participantes do Startup Curitiba: R$ 100,00.
Cada 4 convites pagos  (do mesmo CNPJ) ganha o 5º convite.


Reservas também podem ser feitas pelo e-mail
assespro@assespropr.org.br.

Gartner apresenta principais debates do Symposium ITxpo 2014

Com o tema “Impulsionando os negócios digitais”, evento terá presença de analistas de todo o mundo, que conduzirão palestras sobre tecnologia, inovação e gestão empresarial

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento sobre tecnologia, anuncia os temas que serão abordados no Gartner Symposium/ITxpo 2014, evento que acontece de 27 a 30 de outubro, no Sheraton WTC Hotel, em São Paulo (SP), e deve reunir mais de 350 CIOs e 1500 executivos seniores de TI. Com o tema “Impulsionando os negócios digitais”, o evento terá a presença de analistas nacionais e internacionais, que conduzirão palestras sobre tecnologia e gestão empresarial, além de sessões one-on-one, workshops, mesas redondas, estudos de casos reais, exposição de fornecedores e oportunidades únicas de networking com profissionais de diferentes setores.

“Os negócios digitais estão redefinindo o papel da TI e é importante que as lideranças da área aprendam a construir, concretizar e otimizar oportunidades na rede”, afirma Cassio Dreyfuss, diretor da conferência, vice-presidente e líder de pesquisa do Gartner para o Brasil.

Neste ano, o Gartner terá sessões especiais focadas nas mais importantes tendências tecnológicas. Denominados “Signature Series”, os encontros contarão com insights que ajudarão os líderes de TI a prever mudanças importantes e a fortalecer suas estratégias. As palestras especiais serão: “A agenda dos CIOs para 2015”, com Alvaro Mello; “O Cenário de Negócios Digitais”, com Cassio Dreyfuss; “As 10 principais tendências tecnológicas estratégicas para 2015”, com Donald Feinberg; e “Informações em 2020: a incerteza gera oportunidade”, com Douglas Laney. “Além de trazer os cenários que orientam os executivos de TI para o futuro, temos ainda muito conteúdo que aborda as diversas ferramentas que esses líderes devem usar nos seus negócios digitais”, diz Dreyfuss

Confira abaixo os principais temas que farão parte do Gartner Symposium/ITxpo 2014:

CIO

• Transformação dos negócios digitais crescentes e o papel do CIO;
• Relações, forças de mercado e as consequências nos negócios;
• Construção de uma estratégia de negócios digitais;
• Sincronização entre liderança e desenvolvimento pessoal para CIOs;
• Gestão de TI bimodal;
• Indo de “Shadow IT” para “todo orçamento é orçamento de TI”;
• Equilibrando simplicidade e complexidade em um negócio digital.

Aplicações

• Estratégias de desenvolvimento e fornecimento de aplicações emergentes;
• Estratégias de integração para os negócios digitais;
• Como reinventar as aplicações;
• Como renovar o portfólio de aplicações.

Arquitetura empresarial

• Lições para engajar a arquitetura empresarial, de maneira a contribuir para a nova era de TI;
• Como engajar os líderes de negócios em questões de arquitetura de larga escala;
• Como explorar o uso da arquitetura empresarial nos governos e seus negócios de hoje e do amanhã.

Gestão da informação e inteligência nos negócios

• Como aprimorar os resultados dos negócios com informações;
• Tendências de BI e “analytics” para os próximos anos;
• Como renovar a infraestrutura de informações;
• A área de gestão de informação: funções e competências para alcançar o sucesso.

Gestão de portfólio e programas

• Como lidar com as incertezas, a complexidade e as alterações nos projetos e programas;
• Como possibilitar as mudanças por meio dos escritórios de gestão de programas;
• Liderança, gestão de mudanças e engajamento em programas e projetos estratégicos;
• Como ajustar a gestão de programas e portfólios às necessidades dos negócios digitais.

Gestão de riscos e segurança

• Passando da gestão dos riscos e da conformidade para a gestão do desempenho;
• Tecnologia de segurança nas novas tecnologias;
• Estratégia de segurança de informações e governança para os negócios digitais;
• Confiança nas identidades no mundo digital.

Infraestrutura e operações (DataCenter)

• Agilidade de I&O para os negócios digitais;
• Infraestrutura de I&O para os negócios digitais;
• Gestão de serviços de TI para os negócios digitais;
• Fornecimento de serviços para os negócios digitais.

Infraestrutura e operações (Mobilidade e Comunicações)

• Implantação e operações do novo ambiente do usuário;
• Estratégias empresariais para ter sucesso com os endpoints e comunicações;
• Nova arquitetura para um novo mundo de endpoints;
• Tendências tecnológicas para um novo mundo de endpoints.

Melhoria dos processos de negócios

• Como ter sucesso como agente da mudança dos negócios em uma economia digital;
• Como apoiar decisões de modo dinâmico;
• Impulsionando uma mudança eficaz nas operações empresariais;
• Novo processo para contribuir para crescimento e transformação.

Sourcing e relacionamento com provedores

• Impacto dos negócios digitais na estratégia de sourcing de TI;
• Sourcing de sucesso em busca de inovação;
• Proposição de valor do sourcing de TI;
• Diminuição de riscos dos fornecedores no cenário digital.

As inscrições para o Gartner Symposium/ITxpo 2014 já estão abertas e podem ser feitas pelo site www.gartner.com/br/symposium, pelo e-mail brasil.inscricoes@gartner.com ou pelos telefones (11) 5632-3109 | 0800 774 1440. Até o dia 24 de outubro, o desconto é de R$ 130,00. Saiba mais em www.gartner.com/br/symposium.

ANOTE EM SUA AGENDA – Gartner Symposium/ITxpo 2014
Site: www.gartner.com/br/symposium
Datas: 27 a 30 de outubro
Local: Sheraton São Paulo WTC Hotel – Avenida das Nações Unidas, nº 12.551

Os mais recentes processadores Intel® Xeon® aceleram a transformação do data center para era dos serviços digitais

A Intel Corporation apresentou hoje as famílias de produtos do processador Intel® Xeon® E5-2600/1600 v3 para atender os requisitos de diversas cargas de trabalho e da rápida evolução das necessidades dos data centers. As novas famílias do processador incluem inúmeras melhorias que fornecem um aumento de desempenho de até três vezes em relação à geração anterior, eficiência no consumo de energia de classe mundial e maior segurança. Para facilitar a explosiva demanda por infraestrutura definida por software (SDI, na sigla em inglês), os processadores expõem métricas-chave, por meio da telemetria, para possibilitar que a infraestrutura forneça serviços com o melhor desempenho, flexibilidade e otimização do custo total de propriedade.

Os processadores serão usados em servidores, workstations, armazenamento e infraestrutura de rede para equipar um amplo conjunto de cargas de trabalho, como análises, computação de alto desempenho, telecomunicações e serviços baseados na nuvem, bem como processamento back-end para a Internet das Coisas.

“Essa economia de serviços digitais impõe novos requisitos para o data center, requisitos para o fornecimento de serviços automatizados, dinâmicos e escaláveis”, disse Diane Bryant, vice-presidente sênior e gerente geral do Grupo para o Data Center da Intel. “Nossos novos processadores Intel fornecem desempenho, eficiência no consumo de energia e segurança inigualáveis, além de fornecer visibilidade para os recursos de hardware necessários para habilitar a infraestrutura definida por software. Ao habilitar a re-arquitetura do data center, a Intel está ajudando as empresas a explorarem totalmente os benefícios dos serviços baseados na nuvem”.

Habilitando a infraestrutura definida por software

A infraestrutura definida por software (SDI) é a base para a computação em nuvem. A economia de serviços digitais requer agilidade e escala, o que exige que todos os recursos de infraestrutura sejam programáveis e altamente configuráveis. Essas habilidades, juntamente como a telemetria, a análise e as ações automatizadas, permitem que o data center se torne altamente otimizado. A Intel continua investindo na concretização dessa visão de um data center automatizado e, com a nova família de produtos Xeon E5-2600 v3, a empresa apresentou os sensores e a telemetria fundamentais para melhorar ainda mais a SDI.
A família de produtos do processador Intel Xeon E5-2600 v3 apresenta novos recursos que fornecem maior visibilidade para o sistema do que anteriormente. Um novo recurso para o monitoramento do cache fornece dados para permitir que as ferramentas de orquestração localizem e reequilibrem as cargas de trabalho, o que resulta em tempos de conclusão mais rápidos. Isto também fornece a habilidade para a realização de análises de anomalias de desempenho devido à competição por cache em um ambiente de nuvem muito carregado, onde há pouca visibilidade para as cargas de trabalho que os consumidores estão usando.

Os novos processadores também contam com sensores de telemetria da plataforma e números da CPU, memória e utilização I/O. Com a inclusão de sensores de temperatura adicionais para o fluxo de ar e de energia, a visibilidade e o controle aumentaram significativamente em relação à geração anterior. Os processadores oferecem um conjunto holístico de sensores e telemetria para qualquer solução de orquestração SDI para monitorar, gerenciar e controlar mais de perto a utilização do sistema a fim de maximizar a eficiência do data center para um menor custo total de propriedade.

Maior desempenho e eficiência no consumo de energia

Com até 18 núcleos por soquete e 45MB de cache no último nível, a família de produtos Intel Xeon E5-2600 v3 fornece até 50% mais núcleos e cache do que os processadores da geração anterior. Além disso, uma extensão da Intel® Advanced Vector Extensions (Intel AVX2)4 dobra a largura das instruções vetoriais inteiras para 256 bits por ciclo de clock para cargas de trabalho sensíveis e fornece um ganho de desempenho de até 1,9 vezes.

A família de produtos Xeon E5-2600 v3 também aumenta a densidade da virtualização, permitindo suporte para até 70% mais VMs por servidor em comparação com a geração anterior de processadores6, o que ajuda a reduzir as despesas operacionais dos data centers. As cargas de trabalho sensíveis à largura de banda da memória terão um ganho de desempenho de 1,4 vezes em comparação com a geração anterior7, com suporte para a memória DDR4 de próxima geração. As Intel Advanced Encryption Standard New Instructions (Intel® AES-NI) também foram melhoradas para acelerar a criptografia e descriptografia de dados em até duas vezes sem sacrificar os tempos de resposta dos aplicativos.

Os processadores são fabricados com a utilização da tecnologia líder da indústria e eficiente no consumo de energia de 22nm, 3-D Tri-Gate, reduzindo o consumo de energia ao mesmo tempo em que melhora o desempenho dos transistores. O novo estado de consumo “por núcleo” regula e ajusta o consumo dinamicamente em cada núcleo do processador para o processamento mais eficiente das cargas de trabalho.

Combinando os recordes de desempenho com os avançados recursos de eficiência, a família de produtos do processador Intel Xeon E5-2600 v3 estabeleceu um novo recorde mundial para a eficiência no consumo de energia de servidores9 com base no desempenho por watt.

Criando redes abertas e flexíveis com os processadores Intel Xeon E5-2600 v3

Os processadores Intel Xeon E5-2600 v3 podem ser pareados com o Intel® Communicatons Chipset 89xx series equipado com a Tecnologia Intel® Quick Assist para habilitar um desempenho mais rápido para criptografia e compressão a fim de melhorar a segurança em uma ampla gama de cargas de trabalho. Os provedores de serviços e fornecedores de equipamentos de redes podem usar a plataforma para consolidar múltiplas cargas de trabalho de comunicações em uma única arquitetura padronizada e flexível a fim de acelerar a implantação de recursos, reduzir custos e criar uma experiência de usuário mais consistente e segura.
Além disso, a nova família Intel® Ethernet Controller XL710 ajuda a atender a crescente demanda por redes com capacidades para habilitar um melhor desempenho para servidores e redes virtualizados. O flexível Ethernet controller 10/40 gigabit fornece o dobro da largura de banda ao mesmo tempo em que consome metade da energia da geração anterior.

Amplo suporte da indústria

A partir de hoje, fabricantes de sistemas de todo o mundo deverão anunciar centenas de plataformas baseadas na família do processador Inte® Xeon® E5 v3. Esses fabricantes de servidores e soluções para armazenamento e redes incluem Bull*, Cray*, Cisco*, Dell*, Fujitsu*, Hitachi*, HP*, Huawei*, IBM*, Inspur*, Lenovo*, NEC*, Oracle*, Quanta*, Radisys*, SGI*, Sugon* e Supermicro*, entre outros.

Embratel lança Data Center Virtual

A Embratel anuncia o lançamento do serviço de Data Center Virtual, suportado por uma nova plataforma que se destaca por ser capaz de unir recursos computacionais como processamento e memória de servidores e elementos como storage e redes. O serviço é ideal para empresas de diversos segmentos por oferecer atributos como alta conectividade, segurança, maior velocidade na entrega, escalabilidade, redução de custos, facilidades operacionais e infraestrutura sofisticada.

O Data Center Virtual é um recurso pioneiro desenvolvido pela Embratel, composto por servidores virtuais de última geração e isolamento de rede cliente-a-cliente, um recurso antes disponível apenas em ambiente de hosting tradicional. Trata-se de uma solução completa em um ambiente híbrido. Com ela, os clientes terão um ganho de economia devido à estrutura compartilhada com total segurança para suas aplicações empresariais.

O Data Center Virtual é administrado e gerenciado pelo próprio cliente via Portal de Cliente Embratel, por meio do qual o usuário tem inúmeras facilidades de fornecimento de recursos, contratação de novos produtos e upgrades. O cliente também pode optar por contratar o gerenciamento do seu sistema operacional e banco de dados pela Embratel.

O processo de migração para o serviço permite que dados importantes sejam preservados, garantindo o funcionamento completo inclusive de aplicações antigas, em ambiente virtual. Oferece ainda proteção de firewall virtual dedicado, entre outros recursos de segurança. O Data Center Virtual também pode ser conectado à Internet via backbone de Embratel altíssima ve¬locidade, de maneira pública ou privada, por meio de rede privada virtual ou cir¬cuitos privados.

A Embratel também inova ao trazer uma solução unificada que amplia a finalidade do IaaS (Infraestrutura como Serviço) e combina tecnologias de Cloud Computing, com a abrangência e a baixa latência de sua rede, além de estruturas que garan¬tem proteção e isolamento de storage e de rede, garantidas por técnicas e abordagens inovadoras de SDS – Software Defined Storage – e SDN – Software Defined Network.

Como se tornar cliente Data Center Virtual

A comercialização da oferta Data Center Virtual é realizada pela equipe de vendas da Embratel, formada por profissionais especializados em TI. Os interessados podem entrar em contato com os gerentes de contas Embratel. Para mais informações, acesse o site www.embratel.com.br/cloud

Tier: uma palavra e milhares de equívocos

Por Cássio Cardoso, publicado no portal Baguete

Criada em meados de 1990 pelo Uptime Institute, a norma Sistema de Classificação Tier, nasceu com o objetivo central de orientar o projeto de uma topologia de Data Center que proporcionasse elevados níveis de disponibilidade, ditados pelas estratégias e regras de negócios de seus proprietários.
Apesar da qualificação standard (norma), o documento criado também contém regras e procedimentos que avaliam os Data Centers pela sua capacidade de permitir manutenção e resistir a faltas.
Visando evitar confusão, o Uptime Institute recomendou o emprego de números romanos (I, II, III, IV) para identificar seus projetos baseados no Sistema de Classificação Tier.
Em abril de 2005, de alguma forma, a TIA-Telecommunications Industry Association veio a aplicar o sistema de classificação Tier do Uptime Institute em sua norma TIA-942 (Telecommunications Infrastructure for Data Centers), que permaneceu em sua última revisão, a TIA-942-A de agosto de 2010.
O conteúdo das classificações Tier publicado inicialmente no Anexo G da TIA-942 de 2005, e posteriormente no Anexo F da TIA-942-A de 2010, veio acompanhado de outras partes e subsistemas dos Data Centers, subdivididas em arquitetônica, mecânica, elétrica e telecomunicações, adotando a identificação dos Tiers com números arábicos (1, 2, 3, 4).
Complementando esses anexos, foram publicadas tabelas de referência indicando os requisitos de cada subsistema do Data Center versus respectivo Tier.
Apesar dos Anexos terem sido publicados com teor informativo não sendo efetivamente parte integrante da norma, pode-se perceber em diversas situações, em nível global, que estes Anexos tornaram-se de fato diretrizes, sendo “adotados” como roteiro e/ou check-list de projeto.
Esta “adoção” produziu o surgimento de muitas confusões, equívocos e interpretações inadequadas, o que resultou em deficiências nas topologias de projetos colocando em risco a continuidade de serviços e disponibilidade dos Data Centers.
O acordo de separação destas terminologias entre o Uptime Institute e TIA – Telecommunications Industry Association torna-se muito oportuno, neste atual momento mercadológico onde as soluções de virtualização, cloud computing e co-location encontram-se em franca expansão, e que exigem infraestruturas muito robustas e adequadas dos ambientes de missão crítica, os Data Centers.
Futuramente espera-se que este acontecimento venha a permitir aos clientes e proprietários de Data Centers realizar melhores escolhas relativas a projeto, construção, operação e manutenção e, principalmente, retorno de seus investimentos.
*Cássio Cardoso é Sócio-Fundador da Qualityware

Novo Data Center: serviços do Governo do Estado na internet já estão disponíveis

Os sites e serviços do Governo do Estado estão disponíveis desde as duas horas da manhã desta segunda-feira (23). A complexa operação de migração de equipamentos para o novo Data Center da Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar), iniciada às 18h de sexta-feira (20), foi concluída com dez horas de antecedência. A previsão era que os sites estariam fora do ar até o meio-dia de hoje (23).

A operação incluiu a transferência de 750 equipamentos para uma nova sala cofre. Com o novo espaço, o Paraná passa a ter estrutura compatível com padrões internacionais de segurança e disponibilidade, garantindo a integridade do conjunto de sistemas informatizados que atendem a toda a administração.

Para a população, isso significa maior segurança e disponibilidade das informações do Governo do Estado.

Os serviços mais acessados pelos paranaenses estão nos portais do Detran e da Secretaria da Fazenda.

Fonte: Governo do Paraná

Projeto cria tributação especial a empresas de data center

As empresas que investirem na instalação de centros de processamento de dados em território nacional serão contempladas com uma tributação especial, com a diminuição da taxa ou mesmo a isenção de impostos. É o que prevê projeto de lei protocolado na última semana na Câmara Federal, pelo deputado João Arruda (PMDB-PR). Hoje, as empresas optam pelos Estados Unidos e países da Europa devido as condições climáticas (mais frio) e os incentivos fiscais que recebem.

A instalação dos chamados data centers no Brasil ganhou força após as denúncias de que órgãos de segurança dos Estados Unidos estavam espionando milhões de mensagens eletrônicas no país. A presidente Dilma Rousseff (PT) quer incluir esta obrigação dentro do projeto do Marco Civil da Internet, que está há dois anos parado no Congresso Nacional.

“Admiro a postura e a coragem da presidente Dilma, mas isso é inviável”, avalia o deputado João Arruda. Segundo ele, tornar obrigatória a instalação dos data centers no país, dará um efeito contrário do imaginado pela presidência. “As empresas de outros países vão se retirar do Brasil e empresas brasileiras que atuam fora vão enfrentar hostilidade”.

Na prática, o projeto de João Arruda cria o Programa de Apoio ao Desenvolvimento e Instalação de Centros de Processamento de Dados (PADI-CPD). A intenção é atrair empresas, mesmo com as dificuldades climáticas do país. “Nós precisamos dar condições as empresas para instalarem data centers e núcleos de informática no Brasil e estou tratando exatamente disso nesse projeto”, disse.

Para o deputado, a espionagem de dados eletrônicos dos brasileiros ocorreu e ocorre independente de onde estão instalados os centros de processamento de ados. “O problema da espionagem não é com relação a localização dos data centers, mas de quem os gerencia”, frisou João Arruda.

Ele acredita que o momento é ideal para o Brasil criar, tanto na esfera pública como na privada, e visando até questões judiciais, uma política de segurança da informação que passa também pela estrutura física da rede. “Não podemos ficar reféns de empresas que atuam no país, mas guardam dados de brasileiros no exterior, usando isso como um escudo para não atender a demandas judiciais”, frisou.

Contexto
O projeto de Joao Arruda beneficia ainda o comércio de peças e a pesquisa do campo tecnológico. A proposta determina que as empresas contempladas deverão investir anualmente, um mínimo de 2,5% do seu faturamento bruto no mercado interno e 1% em convênios com instituições ou centros de pesquisa nacionais.

De acordo com a proposta, em caso de venda no mercado interno ou importação de máquinas, aparelhos, instrumentos e equipamentos novos para incorporação ao ativo imobilizado, destinados à instalação e exportação das atividades previstas, ficam reduzidas a zero as alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins incidentes.

Os critérios para os benefícios sobre impostos como o PIS/Pasep, IPI e CIDE, além de impostos sobre a importação serão estipulados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Os projetos, para receberem os benefícios da prposta, necessitam de aprovação conjunta dos ministérios da Fazenda, Ciência e Tecnologia e do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, de acordo com os termos e condições estabelecidos pelo Poder Executivo.

Intel revela novas tecnologias para data centers em nuvem

A Intel Corporation apresentou hoje um portfólio de produtos e tecnologias para datacenters provedores de serviços em nuvem, buscando estimular uma maior eficiência e flexibilidade em suas infraestruturas para suportar a crescente demanda por novos serviços e inovações.

O portfólio inclui a segunda geração da família de produtos Intel® Atom™ C2000 de 64 bit com designs do tipo system-on-chip (SoC) para microsservidores e cold storage (codinome “Avoton”) e para plataformas de redes do segmento de entrada (codinome “Rangeley”). Estes são os primeiros SoCs da empresa baseados na microarquitetura Silvermont, o novo design do processador 22 nm. O sistema entrega aumentos significativos no desempenho e eficiência energética, e chega ao mercado apenas nove meses após a geração anterior.

Outro lançamento é o Intel® Ethernet Switch FM5224 que, quando combinado com o pacote WindRiver Open Network Software, traz soluções de Rede Definida por Software (SDN, na sigla em inglês) para os servidores a fim de melhorar a densidade e reduzir custos.
“À medida que o mundo torna-se cada vez mais móvel, a pressão para suportar bilhões de dispositivos e usuários está alterando a própria composição dos data centers”, disse Diane Bryant, vice-presidente sênior e gerente geral do Grupo para Data center e Sistemas Conectados da Intel. “Da liderança em silício e design SoC à arquitetura rack e habilitação de softwares, a Intel está fornecendo as principais inovações que os fabricantes de equipamentos originais e de equipamentos para telecomunicações, além dos provedores de serviços em nuvem precisam para a criação dos datacenters do futuro”.

A Intel ainda demonstrou o primeiro rack baseado na Arquitetura Intel Rack Scale (RSA, na sigla em inglês) com a Tecnologia Intel® Silicon Photonics juntamente com o anúncio de um novo conector MXC e da fibra ótica ClearCurve desenvolvidos pela Corning com os requisitos da Intel. Esta demonstração destaca a velocidade com a qual a Intel e a indústria estão mudando do conceito para a funcionalidade.
“A infraestrutura para servidores, redes e armazenamento está evoluindo para melhor atender a cargas de trabalho cada vez mais diversas, criando o segmento de microsservidores, cold storage e redes de pequeno porte”, adiciona Bryant. Ao otimizar tecnologias para cargas de trabalho específicas, habilitar a flexibilidade para compor os recursos necessários e oferecer os ingredientes para infraestruturas definidas por software, a Intel ajudará os provedores de nuvens a aumentar significativamente sua utilização, reduzindo custos e fornecendo experiências atraentes e consistentes para consumidores e empresas.

SoCs Intel® Atom™ Personalizados e Otimizados para os Atuais e Novos Segmentos de Mercado
Fabricado com a tecnologia de 22nm, a nova família de produtos Intel® Atom™ C2000 oferece até 8 núcleos, com variação de 6 a 20 Watts de Thermal Design Power (TDP), Ethernet integrada e suporte para até 64 gigabytes (GB) de memória, oito vezes mais do que na geração anterior. O processador de 22nm entrega performance superior por watt.
As novas configurações Intel® Atom™ para redes de entrada atendem de maneira mais eficiente às necessidades de segurança e roteamento do tráfego da Internet. Os produtos contam com um conjunto de aceleradores de hardware chamado Tecnologia Intel® Quick Assist, que melhora o desempenho de criptografia. Eles são perfeitos para aplicações de roteamento e segurança.

Ao consolidar três cargas de trabalho de comunicações – aplicação, controle e processamento de pacote – em uma plataforma única, os provedores agora possuem maior flexibilidade. Eles foram feitos para atender as alterações nas demandas de rede ao mesmo tempo em que adicionam desempenho, reduzem custos e melhoram o tempo para o lançamento no mercado.

Treze modelos com recursos personalizados e aceleradores estarão disponíveis para aplicação em cargas de trabalho leves, tais como entrada de hospedagem dedicada, cache de memória distribuída, serviço da Web estática e entrega de conteúdo. Isso garantirá à Intel maior eficiência na expansão para novos mercados, tais como cold storage e redes do segmento de entrada.
A Ericsson*, provedora líder mundial de tecnologia e serviços de comunicações, anunciou oficialmente a família SoC Intel® Atom™ C2000 para seus switches baseados em blade como parte do Ericsson Cloud System. Com isto, seus provedores de serviços serão habilitados a adicionar capacidades de nuvem nas redes existentes.

A OVH e 1&1, empresas líderes globais em serviços de hospedagem web, também testaram os SoCs Intel® Atom™ C2000 e planejam implementá-los em seus serviços de hospedagem dedicados ao segmento de entrada no próximo trimestre.

Switch Otimizado para Microsservidores em Redes Definidas por Software

Os switches baseados no novo silício Intel Ethernet Switch FM5224 podem conectar até 64 microsservidores, fornecendo densidade de nó 30% maior. Eles foram baseados no design referência da Intel Open Network Platform, anunciado este ano.
A solução switch melhora a inovação do sistema e complementa o controlador Intel Ethernet integrado ao processador Intel® Atom™ C2000. A combinação do silício Intel Ethernet Switch FM5224 e do pacote de Software WindRiver Open Network irá habilitar as primeiras soluções 2.5GbE de alta densidade, baixa latência e Ethernet switch por SDN da indústria, especificamente desenvolvidas para microsservidores. Juntas, elas podem ser usadas para criar soluções SDN para o datacenter.

Primeira Demonstração do Rack com Silicon Photonics

A Intel também demonstrou o primeiro rack baseado na RSA operacional, equipado com os recém-anunciados processadores Intel® Atom™ C2000, Intel® Xeon®, além de um switch habilitado para Intel SDN top-of-rack e a Tecnologia Intel Silicon Photonics. Como parte da demonstração, a Intel revelou o novo conector MXC e a tecnologia de fibra ClearCurve desenvolvida pela Corning com os requisitos da Intel. As conexões de fibra foram especificamente projetadas para trabalhar com os componentes Intel Silicon Photonics.

Para destacar a crescente gama de implementações Intel RSA, a Microsoft e a Intel anunciaram uma colaboração para inovar a próxima geração de designs rack RSA. O objetivo é trazer melhor utilização, maiores economias e flexibilidade para os datacenters da Microsoft.
A máxima eficiência do datacenter requer inovação no silício, no sistema e no rack. O design RSA da Intel ajuda os parceiros da indústria a reprojetarem os datacenters para a modularidade dos componentes (armazenamento, CPU, memória e rede) no rack. Ele está habilitado para fornecer ou integrar logicamente recursos com base nos requisitos específicos da carga de trabalho da aplicação. A Intel RSA também permitirá a substituição e a configuração mais fácil dos componentes para a implantação de recursos de computação em nuvem, armazenamento e redes.

A colaboração destaca a tremenda necessidade por largura de banda de alta velocidade dentro dos datacenters. Ao enviar os fótons por meio de uma fina fibra ótica ao invés de sinais elétricos por um cabo de cobre, as novas tecnologias são capazes de transferir quantidades massivas de dados com velocidades sem precedentes por longas distâncias. As transferências podem chegar a 1.6 terabits por segundo em distâncias de até 300 metros – por todo o datacenter.

COPEL Telecomunicações investe R$ 5 Milhões em modernização de Data Center

A CRP Consultoria e Engenharia Ltda., uma empresa do Grupo Qualityware ganhou a licitação para a modernização do Data Center da COPEL Telecomunicações. A obra está estimada em R$ 5 Milhões e tem um prazo de 14 meses para ficar pronta.
O Data Center possui uma área de 500m2 e capacidade para 100 racks de servidores e terá como novidades a ampliação de capacidade elétrica redundante atingindo até 1,5MW de carga instalada, novo sistema de ar condicionado de precisão de 200TR, sistema de detecção, alarme e combate a incêndio por gás inerte, rede de telecomunicações óptica multimodo OM4 e monomodo para até 100Gbps; além de cabeamento metálico blindado em Categoria 6A.
Cássio Cardoso, engenheiro responsável pela obra, afirma que a modernização do Data Center trará grandes benefícios para a COPEL Telecomunicações uma vez que poderão ser disponibilizados ao mercado vários serviços de Internet como por exemplo hosting, co-location e cloud computing.
O projeto está sendo desenvolvido com as mais modernas técnicas de gestão de projetos com o objetivo de evitar qualquer atraso no cronograma uma vez que as metas para entrada em operação do data center são extremamente agressivas.